NOVAS NOTÍCIAS:
Carregando...

Vem ai o 1º DESAFIO DA ONÇA BRAVA DE CICLOTURISMO - JAGUARIAÍVA-PR

Amigos Bikers, vem ai o 1o. DESAFIO DA ONÇA BRAVA DE CICLOTURISMO, que será realizado no dia 03/09/2017 na cidade de Jaguariaíva-PR.
Sendo que para este desafio, a escolha foi especialmente para quem gosta de um pedal aventura e que não irá deixar nenhum ciclista de lado, agradará desde o PEBA até o GALÁCTICO, pois serão dois percursos:
Percurso Nível LIGHT, com um total de 31,3 km, para quem está começando e quer um pedal diferente e desafiador, percurso por estradas rurais e que os levará a algumas das mais belas visões do 8º maior canyon do mundo em extensão, marcadas pelos seguintes pontos, turisticos:
  1. Palacete do Conde Francisco Matarazzo (SAÍDA)
  2. Rio do Butía,
  3. Cachoeiras do Rio Butiá,
  4. Mirante do Alagado,
  5. Mirante Principal do Vale do Codó,
  6. Palacete do Conde Francisco Matarazzo (CHEGADA)
Mapa e altimetria do percurso - Nível LIGHT

Percurso Nível HARD, com um total de 40,1 km, para quem quer realmente um percurso que contenha o verdadeiro espírito do mountain bike. É um percurso misto que inclui todos os níveis de dificuldade fácil, médio e difícil, sendo estes passando por algumas das paisagens mais belas do Estado do Paraná, o percurso passará por estradas rurais, cruzará lajeados, cachoeiras, mirantes de uma visão excepcional do vale, e single tracks que irão desafiar até os que curtem um pedal mais técnicos, ou seja um verdadeiro percurso de enduro (20km XCO e 21km XCM) e levando-os aos seguintes pontos turisticos:
  1. Palacete do Conde Francisco Matarazzo (SAÍDA)
  2. Mirante da Pedra Bonita
  3. Rio do Butía,
  4. Cachoeiras do Rio Butiá,
  5. Mirante do Alagado,
  6. Mirante Principal do Vale do Codó,
  7. Mirante da Toca da Onça.
  8. Palacete do Conde Francisco Matarazzo (CHEGADA)

Mapa e altimetria do percurso - Nível HARD
Ambos os percursos, tem como START o ponto turístico PALACETE CONDE FRANCISCO MATARAZZO, e serão feitos ao ritmo de cicloturismo e tem como tempo médio de conclusão de 5 a 6 horas, isso já contando com tempo de paradas para fotos e etc, ou seja, algo que qualquer ciclista que ame pedalar poderá concluir.


Conheça um pouco da história do PALACETE CONDE FRANCISCO MATARAZZO você pode ver clicando NESTE LINK.
-OBS: As distâncias dos percursos já estão inclusos os acessos aos mirantes e cachoeiras.

Inscrições


  • Primeiro lote:
    • Inscrições até o dia 20/08 R$ 40,00
      • Segundo lote - A partir de 21/08 R$ 60,00

As inscrições devem ser feitas aqui: LINK PARA INSCRIÇÃO.

  1. A sua inscrição será de suma importância pois além do controle de cicloturistas que irão participar do evento, estaremos providenciando um lanche (água mineral, frutas e sanduíche natural) para ser distribuído a cada participante em nossa parada principal do percurso (Mirante do Vale do Codó) e em um segundo ponto de controle onde será disponibilizado o reabastecimento com água e frutas.
  2. Aos participantes inscritos será disponibilizado uma bela ÁREA DE CAMPING (no Palacete Conde Francisco Matarazzo, e estará disponível para o estabelecimento dos ciclistas e familiares a partir do dia 01/09 (sexta-feira), para que assim possam aproveitar do que a cidade de Jaguariaíva tem a oferecer.
  3. Teremos uma ambulância disponível para qualquer eventualidade, sendo que a mesma acompanhará parte do percurso e fica alocada em pontos estratégicos com o desenvolver do pedal.
  4. Apesar do percurso estar todo sinalizado para o pedal, haverá ciclistas da Equipe Mazobikers (STAFFS) acompanhando a todos e dando dicas e informações sobre o percurso e locais visitados.
  5. Cada ciclista inscrito, já está com Seguro de Vida Individual incluso.

ATENÇÃO: É importante que todos façam exames médicos regularmente, principalmente com um cardiologista. Não esqueça do aquecimento e dos alongamentos, antes e depois das pedaladas.

* O participante, declara assumir total responsabilidade por qualquer acidente que venha a ocorrer e/ou der causa, por não acatar as determinações e instruções do guia e/ou instrutores, ou por atos de imprudência, negligência ou imperícia.

Indispensável levar junto:

  • - Bicicleta revisada e somente "mountain bike" e ou "downhill" .
  • - Câmara de ar reserva ou reparos.
  • - Roupa apropriada para ciclismo.
  • - Carregue uma jaqueta corta vento.
  • - Leve lanterna e sinalizadores.
  • - Não esqueça o protetor solar e repelente.
  • - Lembre-se de trazer suas luvas.
  • - Óculos de sol.
  • - É indispensável o uso do capacete.
Serviço:
  • EVENTO: 1º DESAFIO DA ONÇA BRAVA DE CICLOTURISMO - JAGUARIAÍVA-PR
  • DATA: 03 DE SETEMBRO DE 2017
  • LOCAL DE CONCENTRAÇÃO: PALACETE CONDE FRANCISCO MATARAZZO
  • CONCENTRAÇÃO DOS CICLISTAS DAS 07:30 ÀS 08:30
  • INÍCIO DO PEDAL: 09:00
Organização: MAZOBIKERS BLOG, LOBI.com.br, Equipe Mazobikers

Apoio: LOBI, Prefeitura Municipal de Jaguariaíva, Secretaria Municipal de Indústria, Comércio e Turismo (SMICT).

TOUR DE FRANCE 2017 - 18ª etapa: Warren Barguil vence pela segunda vez, Froome segue líder

O ciclista francês Warren Barguil (Sunweb) venceu hoje a 18.ª etapa da 104.ª Volta a França, ao impor-se na subida ao Izoard, enquanto Chris Froome (Sky) mantem a camisa amarela.
No topo do Izoard, Barguil, que já tinha vencido a 13.ª etapa e é o virtual vencedor da classificação de montanha, cruzou a linha de chegada com o tempo de 4h40m33s, logo atrás com 20 segundos chegam Darwin Atapuma (UAE Emirates), segundo, e Romain Bardet (AG2R), terceiro.
Chris Froome tentou distanciar-se dos restantes favoritos nos metros finais e mantém a amarela a três etapas do fim, com 23 segundos de vantagem sobre Bardet, que acompanhou o líder e ocupou o posto de Fabio Aru (Astana), que perdeu tempo, e 29 sobre Rigoberto Urán (Cannondale Drapac), que cedeu dois segundos.
Na sexta-feira, os ciclistas enfrentam a 19.ª e antepenúltima etapa, uma ligação de 222,5 quilômetros entre Embrun e Salon-de-Provence, com três contagens de terceira categoria e um final em descida.
-
Fonte: http://desporto.sapo.pt/ciclismo/artigo/2017/07/20/warren-barguil-vence-pela-segunda-vez-froome-segue-lider

Fera do ciclismo conta que entregou pamonha até comprar primeira bike

Roberto Pinheiro, hoje um dos principais ciclistas do Brasil, diz que começou a competir na estrada com uma mountain bike adquirida depois de juntar R$ 260 fazendo "bicos" em Parnamirim-RN
O pequeno Betinho começou a trabalhar aos 15 anos, descascando e entregando pamonha ao mercado, para ganhar dinheiro e comprar sua primeira bicicleta. Depois de ter juntado R$ 260,00, adquiriu uma speed (bike de corrida) e começou a pedalar pela cidade de Parnamirim (Rio Grande do Norte). Hoje, aos 34, Roberto Pinheiro é um dos principais ciclistas do país. Todo o incentivo ao esporte começou com o irmão.

 - Ele pedalava e um dia me levou a uma competição. Disse a ele que conseguia vencer todos aqueles garotos que estavam correndo, e então ele me desafiou - contou Roberto, que ganhou uma mountain bike, inapropriada para corridas. Logo na minha primeira corrida com essa bike, ficou em segundo. A partir daí, Betinho começou a fazer "bicos" com os vizinhos do bairro para comprar a bicicleta apropriada.
Roberto Pinheiro, o Betinho, vai encarar mais uma Volta Internacional de Guarulhos (Foto: Divulgação)
- Fiz bastante coisa para juntar dinheiro. Eu ajudava a vizinha a descascar o milho para fazer pamonha na época de festa junina e depois fazia a entrega no mercado - contou o ciclista, que vai atrás do bicampeonato da Volta de Guarulhos 2017, prova que acontece de 19 a 23 de julho.
Tudo o que juntava de grana, entregava a sua mãe. Quando apareceu a oportunidade de comprar uma speed, ele não desperdiçou.
- Meu amigo Soro (Moisés) me ofereceu uma bike pelo valor de R$ 260,00. Eu não tinha tudo, mas minha mãe completou o que faltava, então consegui minha primeira bicicleta speed - explicou.
Roberto Pinheiro em ação: ciclista do interior do
RN lembra dificuldades da infância
e títulos como profissional (Foto: Luis Claudio Antunes/PortalR3)
Em 1998, Betinho correu a Copa Nordeste e ficou com o título. Depois de se destacar no Rio Grande do Norte, um ano depois, ele foi convidado para ir ao interior de São Paulo, na cidade de Assis, correr pela equipe do município. Lá, ficou até 2007, quando fechou contrato com a sua atual equipe, que era instalada em Pindamonhagaba.
Emm 2008, sua carreira começou a deslanchar, e Roberto Pinheiro ganhou títulos como o Torneio de Verão, GP de Ciclismo de Montes Claros, Copa da República e um ótimo quarto lugar na Copa América de Ciclismo em 2009.


Acidente no Uruguai, drama em 2009 e sonho de fã


Durante a Volta do Uruguai em 2009, Betinho sofreu um grave acidente ao cair na última etapa. Ele quebrou a clavícula e teve um pequeno traumatismo craniano.


- Poucos dias depois da queda já fui querer correr e acabei piorando, pois tive um problema grave no joelho - disse.
Por conta disso, teve que parar de novo até se recuperar completamente. Ele se tratou no hospital de Pindamonhangaba, onde conheceu a chefe de medicina do local, a Conceição, e o fisioterapeuta, Still, que segundo ele, foram essenciais para o seu tratamento.
- Quando eu entrei no hospital, a médica que me ajudou viu que eu era ciclista e disse que tinha o sonho de conhecer o campeão da Copa da República. Quando falei que era eu, ela me abraçou como um filho. Foi ela que conseguiu tudo para mim, como ressonância e tratamento - relembrou.

Quatro meses depois voltou a pedalar e seguiu vitorioso em conquistas de etapas de grandes voltas ciclísticas, e título como a Prova 9 de Julho (2011 e 2013), classificação por pontos na Volta do Estado (2011), Prova Ciclística de Salvador (2013) e Volta de Guarulhos (2016)-
-
Fonte: http://globoesporte.globo.com/eu-atleta/corridas-e-eventos/noticia/fera-do-ciclismo-conta-que-entregou-pamonha-ate-comprar-primeira-bike.ghtml

Daemon Track Criterium 2017 - 2ª Edição - Valinhos - Corrida de fixas acontece em kartodromo

No dia 29 de Julho, na cidade de Valinhos, SP acontece a segunda edição do Daemon Track Criterium, uma corrida para ciclistas amadores e profissionais que utilizarão apenas bicicletas de pinhão fixo (fixed gear) sem freios! Um Criterium, Critério ou apenas “Crit” é uma corrida disputada em um circuito fechado, curto e técnico, onde ciclistas correm um número pré-estipulado de voltas ou durante um intervalo de tempo determinado. É algo como o esporte radical dentro do ciclismo competitivo.


A competição reunirá aficionados pelas bikes fixas e uma cena underground contemplados com a bela estrutura oferecida pelo Itália Kart e Eventos, kartódromo que abrigará pela primeira vez um evento de ciclismo.

Com apoio pelo segundo ano da Vittoria Tires, a energia do Daemon Track Crit vem da perfeita combinação de condicionamento físico, técnica sobre a bike, habilidades em curvas e retomadas sem deixar de lado a experiência adquirida nas ruas. O circuito desenhado para a corrida com aproximadamente 900m e exigirá técnica nas curvas e fôlego para seus 40min de duração recheado de ataques.

Dividido em 3 categorias sendo uma feminina e duas masculinas (A e B), o nível técnico das categorias será definido por duas mini corridas classificatórias que antecedem as corridas principais. As categorias feminina e masc.B terão duração de 30min + 1 volta enquanto a categoria masculina A (elite) terá duração de 40min + 1 volta. Para todas as categorias é obrigatório o uso de capacetes e guidão drop e não será permitido o uso de freios, seguindo o regulamento de competições em Velódromo.

Para garantir a segurança e emoção em todas as categorias, o ciclista que levar uma volta do líder é eliminado e deve abandonar o circuito.

As inscrições podem ser feitas através do link oficial do Sympla. Mais informações no site DaemonCycling. Conheça aqui o regulamento do Daemon Track Criterium.

Teaser da prova


-
Fonte: https://www.pedal.com.br/daemon-track-criterium-2017-2-valinhos-corrida-de-fixas-acontece-em-kartodromo_texto12260.html

Video do teste do transbike de ventosa em túnel de vento

Muita gente ainda tem receio de usar um rack de ventosa para o transporte de suas bikes no teto do carro.
E aqui vai a boa notícia o pedaleria a alguns anos atrás, fez um teste muito legal mostrando que o rack de ventosa é muito eficiente, usando ele no único túnel de vento automotivo da América Latina para provar a eficiência do produto e ainda por cima eles dão ótimas dicas para você literalmente não desgrudar mais desse tipo de rack para bicicletas.

Vejam o video.

Estudo avalia riscos da poluição em centro urbano para a saúde do ciclista

Nos dias de semana, Darby Jack percorre de bicicleta quase 25 quilômetros de sua casa no bairro de Clinton Hill, no Brooklyn, em Nova York, até seu escritório na Escola de Saúde Pública da Universidade Mailman, em Washington Heights. Ao contrário de muitas pessoas que vão de bicicleta para o trabalho, o professor assistente de Saúde Ambiental, de 42 anos, usa sensores que monitoram quanto ar ele respira durante a viagem e quais os níveis de poluição ao longo de sua rota.
Esse equipamento elaborado é parte de um estudo de cinco anos que busca descobrir se o dano causado aos ciclistas pela poluição supera os benefícios para a saúde decorrentes do exercício. Os sensores medem níveis de PM 2.5, as finas partículas de matéria com cerca de 1/30 do diâmetro do fio de cabelo humano que os pesquisadores acreditam ser particularmente prejudiciais à saúde.
Partículas de poluição podem causar asma e até câncer de pulmão
As pequenas partículas, incluindo as de carbono negro, o principal componente da fuligem, penetram profundamente nos pulmões e na corrente sanguínea e podem levar ao desenvolvimento de doenças respiratórias como asma e câncer de pulmão. Mesmo exposições relativamente curtas são capazes de aumentar a inflamação do corpo e a probabilidade de derrames e ataques do coração.
“Nossa esperança é que a cidade use nossos dados como uma das várias informações na hora de projetar ciclovias melhores para minimizar esses riscos”, conta Jack. As descobertas podem levar a maneiras mais seguras de fazer todos os tipos de exercícios físicos ao ar livre, principalmente nos dias em que os níveis de poluição do ar estão muito elevados.
Um relatório de 2014 emitido pelo Departamento de Saúde da Cidade de Nova York diz que partículas no ar causam mais de duas mil mortes prematuras e seis mil visitas aos prontos-socorros e hospitalizações a cada ano. E apesar de a cidade ter expandido suas ciclovias e outras instalações amigáveis para bicicletas durante a última década, a maior parte do planejamento até hoje focou em preocupações com a segurança do tráfego e não na poluição.
Até agora, com dois anos do estudo, 40 ciclistas foram recrutados por meio de anúncios da rádio pública WNYC e estão usando equipamentos como os de Jack. Os pesquisadores querem recrutar mais 150.

Estudo mapeará as rotas menos poluídas para os ciclistas

As informações coletadas serão usadas para criar um mapa da poluição no nível da rua da cidade de Nova York e um aplicativo que ajudará os ciclistas a escolher rotas menos poluídas. A pressão arterial e as taxas cardíacas dos participantes também são monitoradas para avaliar os efeitos de pedalar nas ruas da cidade para o sistema cardiovascular.
“Nossos dados preliminares mostram que vários ciclistas estão respirando um pouco mais do que metade de sua dose de poluição diária em apenas seis a oito por cento do seu dia durante esses trajetos diários”, conta Steven Chillrud, geoquímico do Observatório da Terra Lamont-Doherty de Columbia, que conduz o estudo com Jack.
Resultados prévios indicam que quem pedala em ciclovias separadas do tráfego ativo por uma fila de carros parados respira muito menos poluição do que aqueles que usam vias coladas nas ruas. Os pesquisadores também descobriram locais de poluição perene, como as espirais de aproximação da Ponte de Manhattan, que Jack usa em seu caminho diário. “As rodovias que circulam por todos os lados afunilam o ar ruim”, diz ele. “Estou pedalando na subida, respirando com força --é uma grande conjunção de fatores negativos.”
As pontes, onde o estrangulamento do trânsito é comum, e o interior de Manhattan, que possui menos ventos refrescantes do que a periferia da ilha, também são mais propensos a ter níveis mais altos de poluição.
As ruas da cidade normalmente são mais poluídas durante as horas mais movimentadas da manhã do que nas do fim da tarde, quando o vento tende a se mais forte. Mas tão importante quanto o nível de poluição nas regiões é o esforço feito pelo ciclista para pedalar por elas. “Sabemos que só por andar já estamos respirando duas a três vezes mais ar do que fazemos quando estamos sentados”, explica Chillrud.

Ciclismo e outras atividades aumentam o volume de ar inalado

O ciclismo e outras atividades difíceis, como corrida e basquete, aumentam o volume de ar --e, portanto, as partículas-- que inalamos. Jack, por exemplo, respira aproximadamente oito litros de ar por minuto quando está descansando; mas, quando está pedalando, esse volume sobe para 70 litros. Andar de bicicleta montanha acima ou depressa aumenta ainda mais a absorção de poluição.
Outra consideração é que o efeito da poluição do ar varia muito de pessoa para pessoa.
 “Se você tem uma doença no pulmão, como asma, problemas cardiovasculares ou diabetes, ou se é criança, adolescente ou idoso, provavelmente vai ser mais suscetível aos danos”, afirma Janice Nolen, vice-presidente assistente de políticas nacionais da Associação Americana do Pulmão. “Também existem evidências de que as mulheres --cujos pulmões são um pouco menores do que os dos homens-- são mais afetadas pela poluição.”
Ela diz que o estudo da Columbia vai fornecer informações muito importantes, mas avisa que as pessoas que participam dessas pesquisas tendem a ser jovens, saudáveis e do sexo masculino, então os resultados podem não representar com precisão a população em geral. Realmente, diz Jack, os voluntários do estudo tendem a ser homens jovens.
 “A boa notícia é que estamos começando a ter veículos mais limpos e menos poluição”, afirma Nolen. “Meu rosto fica cheio de poeira”
Stephanie Chan, fisioterapeuta de 42 anos que é voluntária no estudo, diz que apesar de achar estimulante pedalar para o trabalho, “sempre soube que estamos no meio do tráfego, respirando o que sai do escapamento dos carros. Em um dia úmido e quente, quando chego em casa, meu couro cabeludo está sujo e meu rosto está cheio de poeira”.
Apesar de o estudo tê-la feito pensar mais sobre os riscos da poluição, ela duvida que vá causar uma mudança de comportamento. “É uma daquelas coisas que temos que arriscar”, explica.
Audrey de Nazelle, especialista em avaliação de riscos no Centro de Políticas Ambientais do Colégio Imperial de Londres, diz que apesar de os benefícios dos exercícios diminuírem um pouco por causa da poluição, eles continuam a existir para adultos saudáveis. “Os exercícios na verdade diminuem as taxas de inflamação do corpo, que a exposição à poluição aumenta. Então o relacionamento é complicado.”
Em cidades muito poluídas, como Délhi, você vai se beneficiar de exercícios ao ar livre por cerca de meia hora, mas depois disso os riscos começam a ultrapassar os benefícios.
Audrey Nazelle
A boa notícia para os ciclistas de Nova York, segundo de Nazelle, é que os estudos conduzidos em cidades europeias como Barcelona e Londres, que possuem níveis de poluição comparáveis, mostraram que, mesmo contando o risco de acidentes de trânsito, as pessoas que andam de bicicleta estatisticamente melhoram sua saúde geral e aumentam seu tempo de vida.
Ainda assim, os ciclistas serão sábios se escolherem as rotas e os horários dos percursos com cuidados, afirma de Nazelle, e comerem em abundância frutas e vegetais ricos em antioxidantes para ajudar a neutralizar os efeitos da poluição do ar no corpo.
-
Fonte: https://estilo.uol.com.br/vida-saudavel/noticias/redacao/2017/07/18/estudo-avalia-riscos-da-poluicao-em-centro-urbano-para-a-saude-do-ciclista.htm

8 trilhas de bike para quem ama pedalar na natureza

Todas ficam em unidades do ICMBio. Além de proporcionar a prática do ciclismo, elas oferecem belas paisagens e inspiram integração e respeito ao meio ambiente. E aí, vamos lá?


Danúbia Melo
ascomchicomendes@icmbio.gov.br

Brasília (17/07/2017) - A bicicleta seduz, há tempos, amantes de todas as tribos. Desde crianças que se aventuram ao equilibrar-se em duas rodas, passando pelos que a utilizam como meio de transporte nas cidades ou como instrumento de trabalho para os atletas profissionais, até os adeptos de mountain bike e ecociclismo, que adoram pedalar em contato com a natureza.
Pensando nessas pessoas, preparamos este rápido guia de unidades de conservação em que se pode fazer trilhas com a magrela. Nesses percursos, é impossível olhar só para a frente e pedalar. Há que se observar os arredores repletos de exuberante e plena riqueza de vida, o que inspira a integração e o respeito ao meio ambiente.
Muitas unidades oferecem a atividade entre seus atrativos. Esse pequeno guia busca mostrar a diversidade que se pode ter desse tipo de experiência em nosso país. Então, vamos lá? Lembrando sempre da máxima: conhecer para preservar!

1. Parque Nacional da Serra do Cipó (MG)


O título de "Jardim do Brasil" dado pelo paisagista Burle Marx à Serra do Cipó, em 1950, faz jus a um dos conjuntos naturais mais exuberantes do planeta. A topografia acidentada e a grande quantidade de nascentes formam diversos rios, cachoeiras, cânions e cavernas de excepcional beleza natural. A Serra do Cipó localiza-se na porção sul da Serra do Espinhaço, importante divisor de duas grandes bacias hidrográficas brasileiras: a do São Francisco e a do Rio Doce. As trilhas mais procuradas pelos ciclistas são as da Cachoeira da Farofa e do Cânion das Bandeirinhas. O Parque é aberto à visitação diariamente das 8 às 18 horas, com entrada até às 16 horas. O visitante pode trazer a sua própria bike ou alugar de uma associação prestadora de serviços de aluguel, junto à portaria principal.

Município: Jaboticatubas (MG)
Extensão da trilha: Cachoeira da Farofa 16km, Cânion das Bandeirinhas 24km (ida e volta)
Sinalizada: sim
Contratação de guia: não é necessário
Reserva: não é necessário
Contato: parna.serradocipo@icmbio.gov.br e (31) 3718-7151
Mais informações: guia do visitante

2. Parque Nacional das Emas (GO)

O Parque Nacional das Emas está situado no sudoeste do estado de Goiás em um dos extremos da Serra dos Caiapós e apresenta uma topografia plana com predominância de chapadões. Além de paisagem característica do cerrado (campos limpos, campos sujos, veredas e matas ciliares), a observação de animais típicos do cerrado são algumas das atrações para os visitantes. As trilhas do Jacubinha e do Formoso ao Glória são ideais para atividades de ciclismo e ambas tem acesso a cursos de rio ou riachos da região.

Município: Mineiros e Chapadão do Céu (GO)
Extensão da trilha: Jacubinha 14km, Formoso ao Glória 26km
Sinalizada: sim, autoguiada
Contratação de guia: opcional
Reserva: pelo ecobooking
Contato: pnemas@gmail.com (64) 3634-1517
Mais informações: clique aqui

3. Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses (MA)


O Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses é o destino perfeito para aqueles que buscam aventura segura e contemplação da natureza. Pedalar sobre as areias brancas do maior campo de dunas do Brasil, se refrescar em lagoas de água cristalina e observar o pôr-do-sol são experiências únicas. Mas recomendada apenas para quem já tem experiência. A areia é muito densa, o que torna o percurso muito difícil e requer equipamento profissional. Uma trilha indicada é o percurso do canto dos lençóis até a baixa grande, pela praia. Porém para realizar essa atividade é necessário pedir autorização para a administração do parque.

Município: Barreirinhas e Santo Amaro (MA)
Extensão da trilha: 30km
Sinalizada: não
Contratação de guia: necessário
Reserva: autorização específica do parque
Contato: pnlm@icmbio.gov.br (98) 3349-1267
Mais informações: guia do visitante

4. Floresta Nacional de Brasília (DF)



A maior trilha sinalizada de mountain bike dentro de unidade de conservação do país está na Floresta Nacional de Brasília. A trilha funciona gratuitamente, todos os dias, inclusive nos fins de semana e feriados em que a floresta estiver aberta à visitação. Existem diferentes opções de circuitos para todo tipo de ciclista e um mapa georeferenciado pode ser baixado na página da unidade. A sinalização foi feita em parceria com voluntários de clubes de ciclismo da cidade. A maior parte do percurso é realizado em estrada, mas trechos de single track e pontes para proteger as nascentes garantem a aventura.

Município: Taguatinga (DF)
Extensão da trilha: 44 km
Sinalizada: sim
Contratação de guia: não é necessário
Reserva: não é necessário
Contato: (61) 3355-5517
Mais informações: clique aqui

5. Parque Nacional da Serra da Capivara (PI)


O principal atrativo do Parque Nacional da Serra da Capivara são as paisagens e os sítios arqueológicos com pinturas rupestres e grafismos gravados sobre os paredões areníticos. O parque protege vegetação da caatinga, apresentando suas diversas variações, desde a caatinga baixa e densa até a caatinga alta. Para quem gosta de pedalar, alguns dos condutores credenciados são especialistas no esporte. Há opção de passeios leves ou pesados, de acordo com o gosto e condição física de cada um.

Município: São Raimundo Nonato (PI)
Extensão da trilha: de acordo com o ciclista
Sinalizada: não
Contratação de guia: obrigatória
Reserva: não é necessário
Contato: parnaserradacapivara@icmbio.gov.br (89) 3582-2031
Mais informações: aqui

6. Parque Nacional de Aparados da Serra (RS)



O relevo acidentado, as corredeiras e cachoeiras de água cristalina, além das trilhas sobre campos de gramíneas, são um convite à prática de atividades como mountain bike. Uma das principais atrações do Parque Nacional de Aparados da Serra é percorrer as bordas do famoso cânion Itaimbezinho, que possui 5,8 km de extensão e profundidade de até 900 metros, pelas trilhas do vértice e do cotovelo. Durante o caminho é possível apreciar a Mata Atlântica e a Floresta de Araucária, que são moradas de papagaios-de-peito-roxo, jaguatirica, guaxinim e leão-baio.

Município: Cambará do Sul (RS)
Extensão da trilha: Vértice 1,6km, Cotovelo 6km
Sinalizada: parcialmente
Contratação de guia: opcional
Reserva: não é necessário
Contato: parnaaparadosdaserra@icmbio.gov.br (54) 3251-1277
Mais informações: guia do visitante

7. Parque Nacional do Iguaçu (PR)


O Parque Nacional do Iguaçu é reconhecido por guardar as incríveis Cataratas do Iguaçu, mas há muito mais sobre o parque. Ele abriga o maior remanescente de Mata Atlântica da região sul do Brasil e protege uma riquíssima biodiversidade, constituída por espécies representativas da fauna e flora brasileiras, algumas ameaçadas de extinção, como a onça-pintada. A Trilha do Poço Preto é uma atração do parque que pode ser percorrida de bicicleta. Os guias enriquecem o passeio com informações sobre a fauna e flora da região.

Município: Foz do Iguaçu (PR)
Extensão da trilha: 9km
Sinalizada: sim
Contratação de guia: incluso no pacote
Reserva: pelo telefone (45) 3529-9665
Contato: pocopreto@macucoecoaventura.com.br
Mais informações sobre a trilha: aqui
Mais informações sobre o parque: aqui

8. Parque Nacional de Ubajara (CE)


O Parque Nacional de Ubajara apresenta características ímpares por conter, em espaço tão próximo, dois ecossistemas tão diferenciados: um ambiente de considerável ocorrência de chuvas (mata úmida) e um ambiente semi-árido, a caatinga (mata seca). A Trilha Bike foi inaugurada durante as comemorações do 58º aniversário do parque em abril deste ano e a administração do parque já está trabalhando para abrir outras trilhas de 16 e 24 km para ciclistas mais experientes.

Município: Ubajara (CE)
Extensão da trilha: 4km
Sinalizada: sim
Contratação de guia: necessário, o parque dispõe de guias credenciados
Reserva: não é necessário
Contato: (88) 3634-1388 (88) 99942-3051
Mais informações: guia do visitante
-
Serviço:
.Confira as orientações sobre conduta consciente em ambientes naturais

Comunicação ICMBio
(61) 2028-928
-
Fonte: http://www.icmbio.gov.br/portal/ultimas-noticias/20-geral/9034-8-trilhas-de-bike-para-quem-ama-pedalar-na-natureza

Lenda do Downhill desce os 659 degraus do Santuário de Santa Luzia em 1m15s

É católico, sul-americano e visitou recentemente o nosso país. Fátima não era uma opção para um dos melhores atletas de Downhill do planeta – Marcelo Gutierrez Villegas – tendo em conta o terreno pouco acidentado. Por isso escolheu o Santuário de Santa Luzia, em Viana do Castelo, e conquistou os seus 659 degraus em apenas um minuto e 15 segundos.
Longe da agitação que levou em Maio passado milhares de fiéis a Fátima, o colombiano Marcelo Gutierrez Villegas passou por Portugal para uma ‘peregrinação’ com características muito especiais. Este atleta de 27 anos é uma autêntica lenda da vertente mais extrema do MTB – o Downhill – e aproveitou uma viagem ao Norte de Portugal para deixar a sua assinatura no Santuário de Santa Luzia, em Viana do Castelo.
“A ideia surgiu há dois anos, quando encontrei este incrível percurso durante um simples passeio. Além da vista incrível, fiquei fascinado com todas aquelas escadas e a grande inclinação do terreno. Descobri então um novo desafio e durante alguns dias procurei encontrar o ritmo certo para o superar, melhorando os tempos em cada descida. A exigência é máxima, pois a proximidade dos degraus e a velocidade não deixam margem para muitos erros”, comentou o atleta depois de uma semana de ação.
O resultado é agora visível num vídeo onde é por demais evidente a vertigem desta descida com 659 degraus – cumprida pelo atleta em apenas um minuto e quinze segundos.
Da autoria do arquiteto Miguel Ventura Terra, que era natural desta região, o Santuário de Santa Luzia foi inspirado na basílica do Sagrado Coração, em Paris – cidade onde estudou. A obra foi iniciada em 1904 e concluída em 1959. Influenciado pelo pai, que foi também atleta de várias disciplinas do ciclismo, Gutierrez começou a sua carreira com apenas seis anos, na categoria de BMX. Desde então nunca mais parou e tornou-se mesmo profissional, acumulando sucessivos títulos nacionais e internacionais. Hoje é um dos nomes mais cotados do Ranking UCI, depois de ter terminado a primeira corrida da época em terceiro lugar.
Vejam o video:
-
Fonte: http://www.multidesportos.pt/lenda-do-downhill-desce-os-659-degraus-do-santuario-de-santa-luzia-em-15-segundos-video/

Ciclista termina prova com bicicleta destruída após ser atacado por vaca

Um ciclista foi atacado por uma vaca durante a 3ª etapa do Circuito Mountain Bike Tocantins, nas imagens, Reis Feitosa tenta fugir, mas a bicicleta dele é destruída pelo animal. Apesar do susto, o atleta não ficou ferido e ainda conseguiu terminar a prova.
A competição foi realizada no último domingo (16), na cidade de Porto Nacional, distante cerca de 60 km da capital Palmas. E as fotos foram publicadas pela Federação Tocantinense de Ciclismo (FTC) nesta segunda-feira (17).
- Eu estava no pelotão da frente quando essa vaca pulou do pasto para a estrada para ir atrás do fotógrafo, depois ela se virou para nós e acabou me escolhendo (risos). Ela veio em cima de mim e eu pulei para o outro lado da cerca, então ela desistiu e foi atrás dos outros. Quando eu voltei a pegar minha bicicleta ela veio com tudo e voltei para trás do arame, aí ela quebrou tudo: roda, guidão e raios - disse Reis Feitosa.
Reis disse que não ficou ferido e ainda terminou a prova (Foto: Daniel Andrade/Divulgação)
A bicicleta de Reis foi destruída pela vaca (Foto: Daniel Andrade/Divulgação)
 A história entre Reis Feitosa teve um final de superação. Mesmo com a bicicleta destruída, o competidor contou com a ajuda de um concorrente e conseguiu terminar a prova.
Vaca perseguiu fotógrafo antes partir pra cima do pelotão (Foto: Daniel Andrade/Divulgação)
-
Fonte: http://globoesporte.globo.com/to/noticia/ciclista-termina-prova-com-bicicleta-destruida-apos-ser-atacado-por-vaca.ghtml

Domingos Martins recebe Campeonato Brasileiro de Mountain Bike

Os praticantes do Mountain Bike já se preparam para conhecer os encantos de Domingos Martins, nas Montanhas Capixabas. Durante o próximo sábado (22) e domingo (23), a cidade recebe o Campeonato Brasileiro de Mountain Bike Cross Country- XCO 2017.
Na programação do evento, o sábado (22) é reservado para treino livre dos atletas e entregas dos kits. Já no domingo (23), os competidores iniciam a disputa do campeonato que vale pontos para o ranking nacional e internacional da Union Cycliste Internationale (UCI).
A prova, no formato MTB XCO – Cross Country Olímpico, terá de 4,4 km de percurso. A concentração acontece na Antiga LBA, na Travessa Xavier, no Centro de Domingos Martins. As largadas acontecem em quatros baterias.
As inscrições, que terminam nesta quarta-feira (19), podem ser feita através do endereço eletrônico http://www.cbc.esp.br, no valor único de R$120. O evento é organizado pela Confederação Brasileira de Ciclismo (CBC) e a Federação Espírito-santense de Ciclismo (FESC).
A Secretaria de Estado de Turismo (Setur) apoia a realização de eventos no Espírito Santo, proporcionando aos capixabas conhecer e valorizar a cultura local.

Descubra Domingos Martins:
descubraoespiritosanto.es.gov.br/pt/cidade/domingos-martins.html

Serviço:

Campeonato Brasileiro de Mountain Bike Cross Crountry – XCO 2017
Data: sábado (22) e domingo (23)
Local: Campinho, Domingos Martins
Como chegar: Saindo de Vitória seguir pela BR 262 até o Portal de Domingos Martins, depois seguir pela ES 465.
-
Fonte:  http://brasilturis.com.br/domingos-martins-recebe-campeonato-brasileiro-de-mountain-bike/

Cinco dicas para andar de bicicleta nas grandes cidades

Autor de novo livro sobre ciclismo urbano, Alex Gomes dá dicas sobre como se aventurar sobre duas rodas nos grandes centros urbanos brasileiros
-


A ampliação de ciclovias e o crescimento do número de brasileiros que adotaram a bicicleta como meio de transporte foi o grande incentivo para que o professor e escritor Alex Gomes, de 38 anos, começasse uma empreitada, concretizada com o lançamento do Guia do Ciclista Urbano (Editora Stortecci, 2017, 77 p.). Após anos participando de projetos de mobilidade urbana e grupos de ciclistas e cicloativistas, Gomes percebeu uma carência: os novos usuários desconheciam uma série de técnicas que facilitam o traslado sobre duas rodas na cidade e que estimularam a adoção definitiva da bicicleta por usuários mais experientes.

“O Guia é lançado nesse sentido, sistematizando o conhecimento de pessoas que estão habituadas a pedalar em grandes cidades e descobriram algumas formas de melhorar essa rotina”, conta. O escritor ressalta que as ciclovias foram importantes avanços, mas que não acredita que foram suficientes ainda para mudar a mentalidade dos motoristas. “Apesar dos problemas que as ciclovias têm, como conservação e pintura, é infinitamente melhor e mais seguro circular por elas. Converso com vários amigos meus, que acreditam que o trânsito melhorou, mas eu questiono: será que são os motoristas que estão mais amistosos ou os ciclistas que estão em melhores condições de sobrevivência?”

São essas técnicas e espertezas para pedalar com mais segurança e tranquilidade que justificaram a criação do Guia do Ciclista Urbano. Ao divulgá-las, a obra pretende, ao longo de cerca de oitenta páginas, completadas com tutoriais e ilustrações, estimular mais pessoas a se aventurarem sob duas rodas.
“Eu sempre quis fazer um trabalho voltado para os iniciantes e agora foi possível colocar de pé o projeto”, concluiu o escritor. A partir de muitas das sugestões presentes no livro, Alex Gomes resumiu cinco dicas essenciais para os novatos no ciclismo:

1 – Invista na bicicleta ideal



“Vamos supor que a pessoa pegue a bicicleta apenas para deslocamentos locais, ela pode apostar em uma dobrável, para usar intermodalidades, pegando um ônibus ou um metrô, por exemplo. Se ela vai usar para viagens mais longas, é boa uma mountain bike, que serve também para a cidade, mas permite usar em terrenos irregulares. Se o uso é principalmente para lazer, pode-se optar uma bicicleta urbana, que é um pouco mais vertical. Ela deve escolher também considerando as suas próprias condições físicas, anatômicas. Altura, peso. Se tem algum problema de mobilidade, é preferível uma bicicleta com mais marchas, eventualmente com amortecimento, no caso de pessoas obesas. Pessoas mais altas precisam de um quadro maior, proporções maiores. A mesma coisa com pessoas mais baixas, que precisam de um quadro menor”.

2 – Saiba ajustar a sua bicicleta



“Geralmente, no pneu, as informações de calibragem estão próximas a uma sigla, ‘PSI’. É uma faixa de números ao lado dessa inscrição, que, em português, significa libra por polegada quadrada. Em um exemplo, a inscrição ’30-50 psi’ em um pneu indica o intervalo em que este deve ser calibrado, ao invés de querer adotar um padrão universal, que não se aplica e pode fazer com que as pessoas circulem com as rodas murchas. Também é muito importante a pessoa ajustar o selim [o assento] para a altura correta, pensando na altura das pernas e não do corpo. Duas pessoas com a mesma altura podem ter tamanhos de perna diferentes. Com isso, você precisa medir a altura do cavalo e subtrair dez centímetros, para saber qual é a distância que o selim precisa estar do estamento central da bicicleta”.

3 – Programe bem suas rotas



“O principal ponto, no que diz respeito a rotas, é trafegar onde se sentir mais seguro e confortável. É uma boa dica aproveitar um domingo de manhã, por exemplo, para experimentar essa rota, ver em que parte tem problemas, se é confortável. Aí é possível ir estudando, caso tenha muitas subidas, alternativas dentro da própria rota ou em outras que não tenham. O ciclista na cidade é um pouco conquistador, porque ele vai percorrendo as quadras, os bairros e vai se apropriando, conquistando e demarcando território”

4 – Seja um caçador de sombras e se mantenha hidratado



“De fato, transpirar é um problema para muitas pessoas, que precisam se conhecer e saber como os corpos delas funcionam. No padrão, caçar sombras em todas as paradas, evitando exposição ao sol, e ter sempre a garrafa de água à mão são dicas importantes. No padrão, entre todos os tipos de corpos, essa atitude ajuda no geral a pessoa a evitar problemas como transpiração. Apesar de que, conforme a pessoa ganha condicionamento físico, também, menos ela vai precisar dispor de força e menos ela vai transpirar”.

5 – Frequente bicicletarias e grupos ligados ao ciclismo


“Uma coisa que todas as pessoas podem e deveriam fazer, em primeiro lugar, é procurar bicicletarias. Nesses locais, os funcionários geralmente também são usuários e têm relações, tanto com os grupos focados em passeio quanto com os cicloativistas mesmo. Eu comecei a me inteirar mais do assunto em bicicletaria, passei a frequentar e lá que me avisaram que tinha um grupo de pedal, que também servia para iniciantes. Frequentei por um tempo como um ponto de apoio. As bicicletarias mudaram muito, deixaram de ser só locais de compra, venda e reforma e se tornaram verdadeiros locais de informação”
-
Fonte: http://veja.abril.com.br/brasil/cinco-dicas-para-andar-de-bicicleta-nas-grandes-cidades/

Tour de France 2017: Marcel Kittel e Boasson-Hagen chegam rigorosamente juntos e nem photo-finish é conclusiva

Marcel Kittel e Boasson-Hagen chegam rigorosamente juntos e nem photo-finish é conclusiva. Mas Kittel é considerado o vencedor. Froome continua com a camisa de líder
A sétima etapa da etapa da França entre Toyes e Saint-Georges (213,5km) foi a mais emocionante até momento da Volta da França e uma das mais inusitadas da história. Afinal, os dois primeiros colocados chegaram rigorosamente juntos, com nenhuma das fotos da linha de chegada conseguir assegurar 100% o vencedor. Apenas alguns minutos depois da chegada os organizadores definiram que Marcel Kittel (Quick Steps) ficou na frente e o noruegês Edvard Boasson-Hagen (Direct) foi o segundo colocado. Esta foi a terceira vitória de Kittel na atual Volta da França.
A corrida só teve emoção na reta final. Quase plana e com apenas uma montanha leve, os principais ciclistas se guardaram para o fim e o sprint final foi bem tardio, nos 800 metros finais. Restando 200 metros, Hagen abriu vantagem e passou a frente, mas Kittel voltou a usar a estratégia que o levou aos dois triunfos anteriores, arrancando de trás (quinto lugar) e consegundo colar em Hagen. A verdade é que se a prova tivesse mais 30 centímetros, Kittel seria o vencedor, se tivesse menos 30 centímetros, a vitória seria de Hagen.
- Demorei para dar o sprint porque pensava que depois da curva ainda faltariam 200 metros, mas a linha de chegada estava a 120m, forcei ao máximo para chegar na frente - disse Kittel, que após a lesão de Mark Cavendish e a exclusão de Peter Sagan da Volta vem se mostrando o grande favorito para terminar com a camisa verde.
Vale lembrar que os velocistas (como Kittel) possuem uma disputa particular para ver quem faz mais pontos na Volta da França. Quem disputa o título (camisa amarela) são os ciclistas mais regulares e que normalmente se destacam nas provas de montanha, como é o caso da prova de hoje, a oitava etapa, Dole - Station des rousses (187km).
Por isto esta é a etapa que pode resultar em alteração entre os TOP10, já que ontem, todos os favoritos terminaram no mesmo pelotão dos vencedores e receberam o mesmo tempo. Assim, os dois astros da Sky, os britânicos Chris Froome e Geraint Thomas seguem na frente.

Copa do Mundo: Avancini em grande fase tentará mais um bom resultado




Neste domingo, dia 9 de julho, os melhores do MTB mundial estarão novamente em ação na quarta etapa da Copa do Mundo de MTB XCO em Lenzerheide, na Suíça. Além do XCO, a etapa também recebe os melhores do Downhill, numa região repleta de montanhas e paisagens estonteantes que só os Alpes europeus podem proporcionar.
O brasileiro Henrique Avancini (Cannondale Factory Racing) vem de um grande resultado no último domingo (2/7) em Valnord, em Andorra, do qual saiu com a décima colocaçao geral, o melhor resultado de um brasileiro na história da competição. Avancini quer repetir o bom resultado na Suíça e conquistar mais pontos no ranking da UCI.
Lenzerheide é uma etapa difícil e com um lago na parte mais baixa do percurso que é a característica da etapa, aqui será realizado o mundial de MTB em 2018 e a pista ganhou mais 500m de comprimento em relação a 2016. A briga será acirrada e um alto nível de atletas é esperado para esta etapa.
Os líderes Nino Schurter e Yana Belomoina, tentarão vencer mais uma vez e disparar na classificação. Se Nino vencer aqui, será o campeão antecipado da competição, ou seja, com a dança de cadeiras que tem sido a classificação, a briga mesmo é apenas para ver quem será segundo colocado geral, haja vista que Nino já venceu as 3 etapas anteriores com bastante superioridade.
-
Fonte: http://www.digitalcycling.com.br/2017/07/06/copa-do-mundo-avancini-em-grande-fase-tentara-mais-um-bom-resultado/

Espaço LOBI: Encontro Paranaense de Turismo e Esportes na Natureza

Em cinco horas de atividades, da tarde à noite de ontem (4 de junho), a SEET – Secretaria do Esporte e Turismo, a Paraná Turismo e o IPCE - Instituto Paranaense de Ciência do Esporte realizaram com grande êxito o Encontro Paranaense de Turismo e Esportes na Natureza – TEN. Cerca de 50 municípios participaram de forma presencial e efetiva dos trabalhos e cerca de outros 100 municípios estiveram representados, o que redundou num dos melhores e mais importantes eventos - unindo Turismo e Esporte - durante a gestão liderada pelo deputado estadual licenciado, secretário Douglas Fabrício.
Secretário Douglas Fabrício, Jacó Gimennes, Diego Gurgacz comandaram o encontro voltado a Turismo e Esportes na Natureza. Foto: Divulgação
O próprio Douglas abriu o Encontro, que teve total dedicação do Professor Jacó Gimennes, Presidente da PRTUR, de Diego Gurgacz, Presidente do IPCE e o envolvimento de dezenas de assessores da SEET e das suas duas autarquias. A reunião que teve início às 13h30min só terminou em torno das 19h30, com prefeitos, vices, secretários e diretores de turismo e esportes dos municípios recebendo uma gama de informações para que possam dinamizar os esportes na natureza (como fator de fluxo turístico) e incentivo à difusão esportiva em suas cidades.



Neste sentido, foram proferidas oito palestras com especialistas em diversas modalidades – além das orientações de diretores e técnicos da SEET e autarquias – o que provou também troca de experiências e integração dos interessados e afins.

Missão que une Turismo e Esporte

“Vivemos aqui uma missão muito importante: impulsionar os esportes na natureza, promovendo o desenvolvimento esportivo aliado ànovas oportunidades de crescimento turístico a municípios que nos orgulham com suas belezas naturais imensas e atrativos de encher os olhos”, disse o secretário Douglas Fabrício na abertura do encontro.

Temas abordados


Na sequência das atividades, o Professor Jacó Gimennes destacou além da beleza das 14 regiões turísticas do Paraná, o trabalho que cada município vem fazendo por um turismo paranaenses mais forte.
“É contagiante a determinação de vocês e a batalha diária para que o Paraná definitivamente se imponha como Destino Turístico”, observou.
Jacó que é um entusiasta dos rios, montanhas, trilhas, lagos e atrativos naturais do Esstado, lembrou que “sempre destaquei o Paraná das Águas Doces como um grande produto a ser explorado”.

A primeira palestra teve como tema Eventos Esportivos como Negócios e Marketing Positivo nas Cidades, através de Marcos Aurélio Schemberger – SEET. Depois, o engenheiro agrônomo e técnico da PRTUR, Evandro Pinheiros, destacou A Gestão do Turismo e Esportes na Natureza.
Lobi. Ivan e Ricardo Navarro, durante o encontro. Fotos: Divulgação

Canoagem e Rafting foi apresentado por assessores de João Tomasini Schwertner - Presidente da Confederação Brasileira de Canoagem. Mergulhos em Águas Doces foi abordado por Alexandre Carneiro e Fábio Sant'Ana - Escola de Mergulho PRDIVER. O Cicloturismo – Pedalando e Conhecendo Belezas teve exposição do expert do Lobi, Ivan Mendes.

O Iatismo mereceu uma interessante palestra de Sérgio Montenegro Kraemer – Presidente da Federação de Iatismo do Paraná.



Natação – Maratonas Aquáticas teve à frente Ivo Piovezan Filho - Presidente da Federação Paranaense dos Desportos Aquáticos. E Vôo Livre foi outro esporte em destaque. A palestra foi de Gil Pierskaz – Mineropar.

Após o Encontro Paranaense de Turismo e Esportes na Natureza, serão feitos os encaminhamentos e será dado o apoio para que os municípios interessados possam crescer no setor em trabalho integrado com o Estado, federações, entidades e empreendedores da inciativa privada.

O que é cicloturismo?

CLIQUE AQUI E RECEBA UM DOCUMENTO COM DADOS E PONTOS SOBRE O CICLOTURISMO

Cicloturismo é uma modalidade de viagem turística usando a bicicleta não só como meio de transporte, mas como uma companheira de viagem, geralmente em estradas secundárias e caminhos de interior. O cicloturista (aquele que faz a viagem de bicicleta) busca aventura, belezas naturais e simplicidade, mas aprecia conforto e bons serviços.

O cicloturista vive intensamente o trajeto, relaciona-se com as pessoas do caminho e dá tanta ou maior importância ao percurso quanto ao destino.

O cicloturismo é uma modalidade que conquista cada vez mais adeptos no Brasil e no mundo e os municípios podem criar estruturas e medidas simples e eficazes para atrair seus praticantes, contribuindo para o incremento da economia local, além de outros efeitos ambientais e culturais positivos.

CICLOTURISMO

Existem diversas modalidades de viagem de cicloturismo, atividade em franca expansão. A viagem pode durar de um dia a vários meses e percorrer desde uma comunidade do interior até vários países; o roteiro pode ser cumprido sozinho, em dupla, em família ou em grandes grupos.

O ponto de partida pode ser alcançado com a própria bicicleta, de carro, de ônibus, de avião ou com o auxílio de carros-de-apoio de operadoras especializadas. O custo da viagem, ou os gastos de cada cicloturista, também são proporcionais à dimensão da aventura.


Ivan Mendes durante explanação no Encontro Paranaense de Turismo e Esportes na Natureza. Foto: Divulgação / Ricardo Navarro
O cicloturista “médio”, contudo, tem em torno de 30 anos de idade, pedala em pequenos grupos durante até uma semana, transporta sua bicicleta no ônibus até o início do roteiro, hospeda-se em pousadas e gasta mais de 50 reais por dia.

Na Internet encontram-se várias comunidades e grupos de debate e centenas de blogs, páginas pessoais de cicloturistas e serviços de apoio e orientação ao cicloturismo. Relatos, fotos, filmes, mapas, roteiros com coordenadas geográficas, dicas para iniciantes, receitas culinárias, orientações mecânicas, pontos de venda de equipamentos, informações de hospedagens e de serviços diversos são facilmente acessíveis na rede mundial de computadores.

Isso revela dois outros aspectos do cicloturista: geralmente ele possui boa instrução e relaciona-se constantemente com seus pares. O cicloturista frequentemente divulga suas aventuras, publica fotos, recomenda trilhas, fala bem – ou mal – dos serviços e da acolhida que encontrou pelo caminho. Isso é certo: muitas pessoas, interessadas ou não, ficarão sabendo onde e como foi cada viagem de cada cicloturista.


 Confira abaixo vários motivos para fomentar o cicloturismo no seu município.

  1. A chegada de cicloturistas num local mobiliza hospedagens locais, como pousadas, hotéis, hotéis-fazenda, residências locais, restaurantes bem característicos, comunidades locais e pontos bem específicos da localidade.
  2. Comunidades locais, como a rural, tendem a ganhar muito com a visitação de cicloturistas, já que eles encontram nesses locais. situações e populações todos os elementos necessários e chamarizes para o cicloturismo. 
  3. As comunidades rurais e urbanas oferecem a oportunidade do cicloturista ter uma ótima experiência de turismo no local.
  4. Diferente de outros modais de turismo, o cicloturismo foca o consumo de produtos e serviços bem locais, como o hotel da cidade, o fornecedor de hospedagem e alimentação local. Grandes corporações de Turismo e afins, como redes de hotéis e aéreas, ficam no atendimento do deslocamento entre a residência do turismo até o ponto de desembarque até o local a ser visitado.
  5. Pequenas empresas, pequenos produtores locais, fornecedores e prestadores de serviço local fornecem seus produtos ao cicloturista.

  1. O cicloturista quer consumir a comida títpica, ver e ter contato com o artesanato local, comprar produtos naturais, folclóricos e típicos; 
  2. O cicloturista tem como tendência a indicar a visitação para muitos outros cicloturistas e gerar uma boa propaganda do local, como em blogs, sites, redes sociais; 
  3. Quando bem atendido, o cicloturista volta sempre; 
  4. As autoridades, prefeituras e entidades não necessitam realizar investimentos específicos para o cicloturismo. A via de trânsito bem sinalizada, conservada e em ótimo estado, atende tanto o cicloturista, como a comunidade local que utiliza a via para os mais diversos objetivos. 
  5. Cicloturistar ou fazer um passeio ciclístico tem muito haver com esporte; 
  6. Fazer turismo em bicicleta é fácil e barato, favorecendo que qualquer pessoa em condições de saúde possa fazer o cicloturismo

  1. A prática do Cicloturismo gera um impacto social, já que o cicloturista conta com a comunidade local, favorecendo que comunidades formem grupos para atender esses consumidores. O cicloturismo pode ser um gatilho para cooperativismo e associativismo. 
  2. Como o cicloturista realiza os passeios no meio ambiente, seja urbano, rural ou selvagem, a manutenção ambiental é fomentada. 
  3. O capital do cicloturismo movimenta uma economia sustentável, favorecendo a compra de pequenos produtores e pequenos fornecedores. 
  4. Como o cicloturismo requer somente de meio-ambiente e uma bicicleta, o cicloturista consegue realizar os passeios em qualquer temporada.



Diante dessas potencialidades e tendências, o Lobi surgiu com o objetivo de ajudar os ciclistas e cicloturistas a conhecer os melhores lugares para passear e se aventurar de bicicleta. Principalmente, aqueles que gostam de pedalar em trilhas alternativas junto à natureza.
É o resultado de anos de prática em "mountain bike" e turismo ecológico com milhares de quilômetros pedalados "on e off-road".

O Lobi conta com ciclistas experientes com conhecimento, principalmente no PR,SC e RS, região privilegiada pela natureza com muitos rios, matas, cachoeiras, montanhas, cultura e pessoas, além das melhores trilhas para cicloturistar.


O Lobi conta com ciclistas experientes com conhecimento, principalmente no PR,SC e RS, região privilegiada pela natureza com muitos rios, matas, cachoeiras, montanhas, cultura e pessoas, além das melhores trilhas para cicloturistar.
Sua cidade, seu município ou você pode ser um amigo do cicloturismo.
 Então faça contato com o Lobi para viabilizarmos junto essa prática e oportunidade. Acesse aqui um formulário especial (CLIQUE AQUI) ou utilize os contatos indicados abaixo para mais informações.


Acesse em www.lobi.com.br várias experiências de cicloturismo com o Lobi em Ponta GrossaPrudentópolisJaguariaívaCuritibaCicloturismo em vários locais
Serras do Rio do Rastro e Corvo BrancoEstrada da GraciosaParque de Vila VelhaCampos Gerais 
e vários outros locais

Principais equipes do país disputarão a 71ª Prova Ciclística 9 de Julho

Com mais de 70 anos de história, que se confunde com a própria história do ciclismo nacional, a Prova Ciclística Internacional 9 de Julho, que realizará sua 71ª edição no domingo, segue atraindo ciclistas de todas as idades. Afinal, participar da disputa instituída pelo jornalista Cásper Líbero para homenagear a Revolução Constitucionalista é o objeto de desejo de todos os amantes do esporte. Vencer, então, é o que move os principais atletas de equipes do Brasil desde sua primeira edição, em 1933. Por isso, nada mais natural que a edição deste ano reúna o que há de melhor no esporte.
O término da inscrição, nesta segunda-feira, serviu para confirmar, mais uma vez, essa condição, com a presença certa de equipes de alto nível técnico. A Elite masculina, que sairá na Avenida Lineu de Paula Machado, em frente ao Jockey Club de São Paulo, terá inúmeros destaques do esporte. O grupo deve proporcionar emoção de sobra deste a primeira volta.
Estão inscritas as equipes de renome nacional como a Green Piracicaba, que no ano passado venceu com Joel Candido Prado Junior, a Soul Brasil Procycling de São José dos Campos, além da Memorial/Santos, Pro Cycling Team ADF/Guarulhos, Team UFF, UCRJ, Team Audax/SBC/Caixa, Clube Dataro de Ciclismo, São Francisco Saúde/Klabin/SME Ribeirão Preto, ADI Secretaria de Esportes de Indaiatuba, Associação Brasil Radical Sport Club/Boituva e Time Jundiaí/First Bikes, entre outras.
O pelotão aspirante abrirá a programação, com largada às 6h45 e um circuito de 45,4 km. A elite masculina sairá às 9h para um percurso total de 113,5km. Logo em seguida, às 9h02, os atletas federados irão percorrer 90,8 km. O pelotão feminino (elite e federado) terá a largada às 9h05 para cobrir o trajeto total de 68,1km.
A programação oficial começará já neste sábado, 8 de julho, com a realização do último Congresso Técnico para os atletas inscritos. As apresentações serão realizadas das 10 às 17h, no Teatro Cásper Líbero, localizado na Avenida Paulista, 900. O evento é obrigatório aos competidores da categoria aspirante, mas também é aberto a federados e profissionais.
A Prova Ciclística 9 de Julho é uma das principais atrações do calendário esportivo da cidade de São Paulo e a cada temporada vem registrando novos feitos. O ano de 2015 marcou a volta da Prova às ruas de São Paulo. Em 2016, alcançou o número de 2.129 participantes e, com isso, passou a ser a prova ciclística com o maior número de participantes no Brasil.
Na edição passada, Joel Prado Júnior (Green Bike/Piracicaba) garantiu o bicampeonato, enquanto, entre as mulheres, a paranaense Daniela Lionço (Funvic Soul Cycles/São José dos Campos), levou a melhor e conquistou o primeiro título na disputa.
A 71ª Prova Ciclística Internacional 9 de Julho é uma realização da Gazeta Esportiva, com promoção da Fundação Cásper Líbero e organização técnica da Federação Paulista de Ciclismo. O patrocínio é da Max Titanium, com apoio de Divena Veículos.

Programação:

1ª bateria - Categoria ASPIRANTE MASCULINO - 2 voltas de 22,7km, com total de 45,4km.
Concentração: 6h00 | Largada: 6h50 | Limite para conclusão: 08h45
3ª bateria - Categoria ELITE MASCULINO - 5 voltas de 22,7km, com total de 113,5km.
Concentração: 8h45 | Largada: 9h00 | Previsão de término: 11h24
4ª bateria - Categoria FEDERADO MASCULINO - 4 voltas de 22,7km, com total de 90,8km.
Concentração: 8h45 | Largada: 9h02 | Previsão de término: 11h12
5ª bateria - Categoria ELITE FEMININO e FEDERADO FEMININO - 3 voltas de 22,7km, com total de 68,1km.
Concentração: 8h45 | Largada: 9h05min. Previsão de término: 11h06
Pódio Premiação - A partir das 11h30

Sobre a Prova:

Instituída em 1932 pelo jornalista Cásper Líbero em homenagem à Revolução Constitucionalista e realizada pelo jornal A Gazeta Esportiva a partir de 1933, a Prova Ciclística 9 de Julho é um patrimônio do esporte brasileiro. O evento tornou-se um marco na modalidade, sendo objeto de desejo dos atletas e equipes. Ao longo dos anos, os principais nomes do país e destaques do exterior prestigiaram o evento, colocando-o em um lugar de destaque nos cenários nacional e internacional. Em 2016, a "9 de Julho" passou a ser a Prova Ciclística com o maior número de participantes no Brasil, com o total de 2.129 competidores.
-
Fonte: https://www.terra.com.br/esportes/principais-equipes-do-pais-disputarao-a-71-prova-ciclistica-9-de-julho,83210831154eb244eb4c085e9ec7d33ama3r8u4n.html