NOVAS NOTÍCIAS:
Carregando...
Foto: Arquivo pessoal
O ciclista profissional Evandro Portela, que soma mais de 20 anos de carreira, vai tentar bater o recorde mundial de velocidade extrema em cima de uma bicicleta na BR-277, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), e alcançar 200 km/h no domingo (26). Evandro conta com apoio da Ecovia, concessionária da rodovia, Polícia Rodoviária Federal, Departamento de Estradas e Rodagem (DER-PR), e Prefeitura de São José dos Pinhais.
De acordo com o atleta, ele entrará no vácuo de um carro em alta velocidade para alcançar o objetivo. A largada será às 8h30 da manhã em frente ao prédio da Editel, até o Viaduto da Rui Barbosa, no município de São José dos Pinhais. O trânsito será suspenso por 20 minutos para que o desafio se complete. O feito será avaliado por um juiz do Guinness Book, o livro mundial dos recordes, de forma online.
“Somando cinco circuitos europeus e muitas conquistas, comecei a treinar a mais de 10 anos ciclismo em velocidade extrema. Sempre fui ousado com a bike, tenho muito controle e o meu máximo foi de 184 km/h em julho deste ano. Agora vou bater o recorde mundial e chegar a 200 km/h. É um antigo sonho que está se realizando, fruto de muito trabalho e dedicação”, conta Evandro, que treina de domingo a domingo, e pedala aproximadamente 800 quilômetros por semana.
Foto: Arquivo pessoal

Equipamento

O atleta vai usar um equipamento preparado especialmente para bater o recorde. Todos os rolamentos da bicicleta são de cerâmica, que não têm atrito e suportam velocidades maiores. A roda da frente é de alumínio, mais pesada e, portanto, mais estável do que uma de carbono. Os raios da roda traseira são achatados e oferecem pouca resistência com o ar. A roupa foi desenvolvida para cortar o vento e os pneus são mais resistentes e conseguem passar por cima de cacos de vidro e de pedras que não furam.
“O desafio acontece da seguinte forma, eu inicio pedalando e ganho velocidade até que o carro passa por mim a 50 km/h. Eu entro no vácuo atrás dele e desta forma vamos juntos ganhando velocidade até chegar a 200 km/h em 11 quilômetros de pedalada. O carro é um Subaru WRX 4X4 350 CV turbo, que será pilotado por um motorista com experiência, pois qualquer movimento brusco pode me desestabilizar. É estruturado com uma carenagem de acrílico para que eu entre no vácuo e quebrando a barreira do vento”, conta o atleta.
Em julho, o ciclista atingiu a marca de 180 km/h no vácuo de um Subaru WRX 300 HP. Confira o vídeo:
 
-
Fonte: http://paranaportal.uol.com.br/cidades/guinness-book-ciclista-vai-tentar-chegar-a-200-kmh-na-br-277/
Um ciclista morreu ao ser atingido por uma caminhonete na rodovia PR-513, próximo ao Aterro Botuquara, em Ponta Grossa, na noite desta terça-feira (14).
Estélio Viatroski estava em um grupo que pedalava pela Trilha de Itaiacoca. Eles voltavam do Passo do Pupo, trajeto tradicional do ciclismo e cicloturismo na cidade.
Um dos integrantes do grupo relatou que a caminhonete estava na contramão, fazendo uma ultrapassagem, na estrada conhecida como Rodovia do Talco, quando deu de cara com os ciclistas. Eles jogaram as bicicletas no acostamento, mas Estélio, que era o quarto da fila, não conseguiu desviar. Ele foi atingido e morreu na hora. O motorista parou para tentar prestar socorro.
Os policiais fizeram o teste do bafômetro e deu negativo. O condutor foi levado à delegacia para prestar esclarecimentos e, em seguida, foi liberado. Será instaurado inquérito para investigar o acidente.
-
Fonte: https://massanews.com/noticias/plantao/ciclista-morre-ao-ser-atingido-por-caminhonete-na-pr-513-agPw0.html
Sair do sofá emagrece, aumenta sua vida, evita doenças. Mas você sabia que se exercitar também melhora a saúde do seu cérebro e pode prevenir doenças como Alzheimer?
Pesquisadores da Western Sydney University, na Austrália, e da University of Manchester, no Reino Unido, examinaram os efeitos da atividade física no hipocampo, região do cérebro responsável principalmente pela memória.
A saúde do cérebro diminui com a idade e, por incrível que pareça, o envelhecimento também faz o órgão encolher --cerca de 5 por cento por década após os 40 anos. Por essa razão, os cientistas examinaram os cérebros de 737 pessoas antes e depois de praticarem exercícios aeróbicos (pedalar, correr, nadar, dançar).
Os participantes incluíam adultos saudáveis, pessoas com leve deficiência cognitiva (como Alzheimer) e com diagnóstico clinico de doença mental, incluindo depressão e esquizofrenia. As idades variaram dos 24 aos 76 anos, com uma média de 66 anos.

A atividade física pode reduzir danos futuros no cérebro Imagem: iStock
Os resultados, publicados no periódico “NeuroImage”, mostraram que, por mais que o exercício não tivesse efeito no volume total do hipocampo, ele melhorou significativamente o tamanho da região esquerda dessa parte do cérebro.
“Quando você se exercita produz uma substância química chamada Fator Neurotrófico Derivado do Cérebro (BDNF), que pode ajudar a prevenir a deterioração do cérebro”, disse Joseph Firth, autor do estudo. “Nosso estudo mostrou que, ao invés de aumentar o tamanho do hipocampo, o principal benefício do exercício para o cérebro é a diminuição da deterioração em seu tamanho. Em outras palavras, o exercício pode ser visto como um programa de manutenção do cérebro.”
Segundo Firth, os resultados são importantes para a prevenção de distúrbios degenerativos como o Alzheimer e a demência.
-
Fonte: https://estilo.uol.com.br/vida-saudavel/noticias/redacao/2017/11/14/praticar-exercicios-pode-prevenir-alzheimer-e-demencia.htm
O projeto foi criado com o objetivo de oportunizar às crianças muita diversão ao experimentar os desafios de aprender a andar de bicicleta
O projeto "Pequenos Ciclistas" é desenvolvido na Creche Municipal Lausimar Maria Laus, no bairro Rio Vermelho, pelo professor de educação física Nado Gonçalves. Ele foi criado com o objetivo de oportunizar às crianças muita diversão ao experimentar os desafios de aprender a andar de bicicleta.
Segundo o professor Nado, a proposta também contribui para o desenvolvimento da empatia e do autocontrole, já que durante as interações as crianças vão aprendendo a esperar sua vez, a ceder, a se colocar no lugar do outro e a auxiliar os menos experientes no uso dos brinquedos.
Além disso, tem servido de exemplo quanto ao reaproveitamento dos equipamentos, que em sua maioria encontravam-se abandonados e sem uso. O próprio professor tem feito a manutenção e restauração dos brinquedos, reaproveitando peças e acessórios, com a ajuda dos alunos durante todo o processo.
De acordo com o secretário de Educação de Florianópolis, Maurício Fernandes Pereira, a proposta pedagógica é essencial para incentivar a prática da atividade física entre os alunos.
"Além de motivar os alunos a participarem das aulas de educação física, a ideia também promove a prática no seu cotidiano fora da escola, proporcionando mais saúde e qualidade de vida da fase escolar até a idade adulta", finaliza.
-
Fonte: http://www.floripanews.com.br/noticia/15409-creche-de-florianopolis-desenvolve-projeto-de-ciclismo

Neste último final de semana, aconteceu a 8a. edição do Desafio Serra do Rio do Rastro contou com a participação de quase mil atletas. Atletas de várias partes do Brasil participaram nesta que é considerada uma das provas de uphill mais difíceis do Brasil.
Considerada uma das estradas mais espetaculares do mundo, a SC-390, na Serra do Rio do Rastro, impressiona quem passa por ali de carro em direção a cidades como Bom Jardim da Serra, São Joaquim e Urubici. As curvas acentuadas, passagens estreitas, trechos de ladrilho, somados a beleza natural de cachoeiras, mata nativa e muitas e muitas hortências compõem um visual de tirar o fôlego
O percurso no trecho da serra conta com 256 curvas e uma variação de altitude de 148m para 1.418m, com inclinação média de 7%, que atinge 35% nos trechos finais.
Só de conseguir chegar no final já é uma grande vitória, mas para uma pessoa em especial é a prova de que adianta você ter uma ferrari das bikes e não ter um motor em cima que puxe, ou seja, não é a bike que faz o cara, mas sim, o cara é que faz a bike.
Por mais um ano nosso amigo MÁRCIO RAZERA de Irati-PR, conhecido por muitos como PIRU, mostrou essa teoria ao vencer novamente em sua categoria a 8a. edição do Desafio Serra do Rio do Rastro com sua VELHA CALOI 66.
Fazer isso com uma "queixo duro", é pra poucos... ou seja, esse é ciclista RAIZ não é NUTELLA. HUAHUAHUAHUA
É issoaeee PIRU, deixando sua marca Paranaense com a VELHA 66 no lugar mais alto do pódio, PARABÉNS!




O crescimento do conceito do “deixe seu carro em casa” e a criação das ciclovias nas grandes cidades têm feito do ciclismo um esporte com um número cada vez maior de adeptos. Atualmente, divide-se em quatro categorias: provas em estradas, em pistas, mountain bike e BMX.
 Ninguém gosta de ser forçado a deixar a bicicleta por alguma lesão Como praticante de mountain bike, sei como é gratificante estar na natureza, admirar belas paisagens e sentir a endorfina do vento no rosto! Mas, infelizmente, nem sempre um dia de pedal é perfeito! Um dia você pode se encontrar na melhor performance da sua vida, no outro fica lutando para girar os pedais sem dor.
Algumas lesões podem ser tratadas e evitadas facilmente. E aqui, reúno alguns dos problemas mais comuns enfrentadas pelos amantes do ciclismo. E lembre-se: cada corpo tem sua particularidade, e os sintomas podem não representar a causa atual. Se a lesão é persistente, sempre procure um profissional, que te auxiliará a identificar e tratar a causa!

Quedas

“Bike é arte e o tombo faz parte”. O conselho óbvio é sempre procurar atendimento médico. Contusões na cabeça, mesmo sem perda de consciência, denominada de concussão, exigem atendimento de urgência devido a complicações que podem ocorrer tardiamente. Estatisticamente, fraturas da clavícula e punho são as mais frequentes, a maioria de tratamento não cirúrgico. A boa notícia é que geralmente leva cerca de seis semanas para curar.
Quando se trata de prevenção de acidentes é imprescindível o conhecimento adequado da técnica do terreno no qual se pedala e o uso do trio de segurança: capacete, óculos e luvas, mesmo que o pedal seja nas ciclovias ubanas.
Dor na lombar é a queixa mais comum entre os ciclistas, diz médico (Foto: iStock Getty Images)

Dor Lombar

De longe é a queixa mais frequente no ciclista. Estudos biomecânicos demonstram que a pressão intra-discal chega a ate três vezes o peso corporal do individuo durante o pedal. E isso predispõe a lesões comuns, como protusões, hérnias e fissuras de disco, que, muitas vezes, levam meses ou anos para a resulucao e, em algumas vezes exigem tratamento cirúrgico. 
Dor na lombar é a queixa mais comum entre os ciclistas, diz médico (Foto: iStock Getty Images)
Dor na lombar é a queixa mais comum entre os ciclistas, diz médico (Foto: iStock Getty Images)

Soma-se a isso a tensão inadequada nos músculos da parte inferior das costas, levando a mudanças de postura que podem afetar outras áreas, em particular, o músculo piriforme, cuja irritação pode se apresentar como dor no quadril ou dor irradiante na perna. Isso porque o nervo ciático, que vai da parte inferior das costas aos dedos dos pés, pode ficar comprimido quando o piriforme é sobrecarregado.
Pensando na prevenção, os principais fatores a serem levados em conta são:
  • Posição na bicicleta: para se prevenir de posturas inadequadas existe o “bike fit”, que ajusta a altura ideal do quadro, guidão e selim para a altura e biotipo do ciclista.
  • Força no core: se seus músculos estabilizadores da bacia, pélvis e abdômen não são suficientemente fortes, sua parte inferior das costas cairá na bicicleta, causando tensão excessiva. Trabalhar o core também tornara seu desempenho mais efetivo, pois suas pernas empurrarão os pedais de uma base mais forte!

Dor no joelho

Muitas vezes decorre de um problema de esforço repetitivo. A dor anterior do joelho geralmente vem de um selim muito baixo e, portanto, com pressão excessiva na cartilagem da patela. Dor por trás do joelho ocorre normalmente quando o selim é muito baixo, esticando e sobrecarregando os músculos posteriores da coxa, os isquiotibiais. Dores laterais e medianas podem ser causadas por se pedalar com os joelhos muito para dentro ou para fora.
Esforço repetitivo pode causa dor no joelho dos ciclistas (Foto: Istock)
Esforço repetitivo pode causa dor no joelho dos ciclistas (Foto: Istock)

Períneo

O fato de permanecer sentado no selim por periodos prolongados pode levar a lesões neurológicas do nervo e acarretar desde perda de sensibilidade na área perineal a impotência sexual. Isso, é claro, relacionado ao tempo de exposição, tipo de banco, postura ao pedalar e predisposição própria do atleta.

Mãos

Ao pedalar, devido ao tempo excessivo do firme contato das mãos ao guidão da bike, poderão ser desencadeadas as Sd Tunel Carpal e Sd do Canal de Guyon, desencadeando um formigamento.

Prevenção

Considero o fortalecimento do core como uma atividade essencial na prevenção de lesões, particularmente através do pilates de solo. Como ja citei, pedalar exige o tamanho adequado à sua altura, as pernas devem estar bem posicionadas para que ocorra um giro ideal e não provoque lesões a curto, médio e longo prazo; assim também como o selim, guidão e taquinho da sapatilha. Por isso, recomendo o "Bike Fit" , que além de prevenir lesões ainda aumenta em 30% a 35% a performance.
-
Fonte: https://globoesporte.globo.com/eu-atleta/saude/noticia/gosta-de-pedalar-saiba-evitar-as-cinco-lesoes-mais-comuns-no-ciclismo.ghtml


Com muita alegria, convidamos à todos e todas para o I Encontro de Cicloturismo de Ponta Grossa!


Dia 11/11, concentração às 13h00 no pátio dos nossos grandes apoiadores do Premium Vila Velha Hotel, partiremos para um roteiro cativado por belezas cênicas e de tirar o fôlego. Na chegada, sorteio de brindes, Chopp gelado com desconto e DJ, nos nossos parceiros do Pop 70's 🍻🍹🎉!
Horário de Saída: 14h00
Horário de Chegada (Pop's 70): 18:30
Distância (aproximada): 35 Km
Altimetria (aproximada): 730m


IMPORTANTE
INSCRIÇÕES GRATUITAS!

Para participação no sorteio é OBRIGATÓRIO o preenchimento da ficha de inscrição neste link:
https://goo.gl/forms/HnVrhxo60prNXdX32

Organização: Itupava - Experiências Outdoor e Cavali Pró Eventos. Em apoio da Prefeitura Municipal Ponta Grossa, Fumtur, Fundação Municipal de Esportes de Ponta Grossa e AMTT.
Apoio: Prefeitura Municipal Ponta Grossa, Fumtur, Fundação Municipal de Esportes de Ponta Grossa e AMTT.
O cicloativista José Wilton Oliveira, conhecido com Drac, foi assassinado nesta terça-feira (8)  em São Paulo. O ex-comentarista de BMX (modalidade de ciclismo em pista de terra) na ESPN foi morto a tiros em sua loja de bicicletas no bairro Santa Cecília, de acordo com a emissora e o site G1.
Além de ser proprietário da loja desde 1997, Drac era bastante conhecido por ser um dos maiores responsáveis pelo estímulo da cena nacional do BMX, sempre apoiando novos atletas com articulações e patrocínio, além de organizar e promover eventos de BMX.. Além disso, Drac era um "paizão" dos praticantes de BMX desde que o esporte foi introduzido no Brasil em meados da década de 1980.
Assassino de dono de bicicletaria foi flagrado por câmeras de segurança (Foto: Reprodução/TV Globo)
 Segundo uma testemunha ouvida pela Polícia Civil, o criminoso conversou com Drac e deixou o estabelecimento. Depois, voltou armado e fez os disparos. O motivo do crime ainda não foi descoberto pela polícia.
-
Fonte: https://gauchazh.clicrbs.com.br/esportes/noticia/2017/11/ex-comentarista-de-bmx-na-espn-e-morto-a-tiros-em-sao-paulo-cj9r9f7w203mg01pgf8xvybqh.html
Produto é o primeiro no mundo com quadro feito em puro aço-nióbio, material que confere maior leveza, resistência e eficiência; o primeiro 100% projetado, desenvolvido e construído no Brasil.
-
A EDG, empresa de tecnologia fundada pelo piloto Lucas di Grassi, traz ao mercado brasileiro a EDG Niobium e-Bike, a primeira bicicleta elétrica urbana 100% projetada, desenvolvida e fabricada no Brasil. O produto, pensado para ser um meio de transporte mais acessível, tem custo ao usuário mais baixo que o do transporte público. Mobilidade limpa, de emissão zero de poluentes, em harmonia com as exigências ambientais.
Lucas di Grassi é piloto de renome internacional. Atual campeão mundial da Fórmula E, categoria de carros elétricos, o competidor da Audi Sport é também CEO da Roborace, uma modalidade de competição entre carros autônomos. Seu conhecimento técnico e experiência no desenvolvimento de veículos elétricos o levou a fundar a EDG em parceria com a Electric Dreams, empresa baseada no Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP).
Com a colaboração de engenheiros aeroespaciais, Lucas desenvolveu a EDG Niobium e-Bike, a única bicicleta elétrica do país capaz de rodar até 100 quilômetros sem precisar de recarga. Para aumentar sua autonomia, durabilidade, resistência e eficiência, o quadro da bike é feito em nióbio, fruto da parceria com a CBMM (Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração), que fornece o material, muito usado na indústria de alta tecnologia – como em aparelhos de ressonância magnética e até mesmo na propulsão de foguetes.
Outro fator determinante para a maior autonomia do mercado nacional entre as bicicletas elétricas é sua bateria de íons de lítio, mesmo material usado nos veículos de alta tecnologia, como a bateria usada na Fórmula E. A peça fica alojada no interior do quadro de nióbio, o que distribui a massa do conjunto, que no total pesa apenas 15 quilos. Com porta USB-C, seu tempo de recarga é de 25 km de autonomia por 1 hora de carga. A EDG já possui tecnologia para uma recarga de 6 minutos para 100 quilômetros. Além disso, a EDG Niobium e-Bike conta com sistema de recuperação energética, como acontece nos carros da Fórmula E e da Fórmula 1: a energia das frenagens é transformada em eletricidade que retorna à bateria.

“Desenvolvemos o produto baseado nas expectativas e nas necessidades do usuário moderno. Conectividade, confiabilidade, resistência, autonomia, baixo custo por quilômetro rodado, e eficiência”, ressalta Di Grassi.
O fundador da EDG justifica a opção pelo projeto da e-bike. “O carro elétrico ainda é uma realidade distante no Brasil, muito disso em virtude da ausência de infraestrutura para recarga destes veículos. Por isso, o primeiro meio possível de transporte movido a eletricidade, com capacidade de adesão em massa, na visão geral de transformar a mobilidade urbana brasileira, tem de ser a bicicleta, que tem o menor custo por quilômetro rodado, o que é 167 vezes mais eficiente do que um automóvel leve”, afirma Di Grassi.

“A bike elétrica é o primeiro passo. Nosso planejamento a longo prazo é usar esse know-how para transformar a indústria da mobilidade no mundo”, conclui.
Maiores informações sobre vendas e valores da EDG Niobium e-Bike serão anunciadas posteriormente.

EDG NIOBIUM e-BIKE: Informações Técnicas
Peso: 15 kg
Potência do Motor: 700 W
Torque Máximo: 47 N.m
Velocidade Máxima: 50 km/h (limitada em vias públicas a 25km/h)
Autonomia: 100 Km
Bateria: Em íons de lítio com células 21700 de tecnologia automotiva e carregamento por USB-C
Quadro: Feito em liga de aço-nióbio com desenho estrutura de suspensão feito por computador
Conectividade: smartphone via Bluetooth para iOS e Android
Software e Controles: Sistemas KERS e ABS de freio traseiro, 3 modos de controle de assistência elétrica, GPS integrado, Rede Mesh de dados do usuário, computador de bordo interno
Comprimento: 1,78m
Largura: 0,62m
Altura: 0,97m
Altura do Assento: Ajustável
Distância Entre Eixos: 1,07m
-
Fonte: https://www.vavel.com/br/ciclismo/845997-lucas-di-grassi-lanca-bicicleta-eletrica-no-brasil.html
Atleta de Blumenau, Ana Luísa foi acompanhada por uma ambulância na reta final da prova
Foto: Fom Conradi / FEsporte
A medalha pode ser de prata, mas ninguém vai tirar da ciclista Ana Luísa Panini o sentimento de vitória da prova de Marathon nos Jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc). A blumenauense superou todas as adversidades para terminar a prova na segunda colocação, após sofrer uma grave quedra durante o percurso. Ela juntou as forças para se recuperar e cruzar a linha de chegada atrás de Tânia Pickler, de São José.
Com corte na cabeça e braços esfolados, Ana Luísa emocionou-se ao cruzar a linha de chegada. Foi consolada pelo noivo, Marcelo Moser, que também disputou a prova. Precisam também receber os primeiros socorros na ambulância após o término da prova.
— O pneu da bike travou em uma pedra na descida e, como eu estava em alta velocidade, não consegui evitar a queda. Levantei e só pensei em continuar pedalando — relata a atleta, que pedalou mais 15 quilômetros em estrada de chão até o fim da prova, acompanhada de perto por uma ambulância.
O espírito esportivo da ciclista foi reconhecido também pelas adversárias na prova. Para a campeã Tânia Pickler - que percorreu os 57 quilômetros no interior de Lages em 2h54min02 -, Ana demonstrou os pré-requisitos que um atleta precisa ter para se superar nas provas. Em 2015, as duas estiveram no pódio, mas em posições inversas.
— A Ana mostrou que é uma guerreira e espero que ela se recupere logo — desejou.
O terceiro lugar ficou com Karoline Meyer, de Florianópolis. No total, 17 competidoras completaram a prova.

Góes leva no masculino

No Marathon masculino, que contou com 66 competidores, a medalha de ouro ficou com Gilberto Veiga de Góes, de Santo Amaro da Imperatriz (2h06min32). Ele faturou sua segunda medalha no ciclismo dos Jogos Abertos deste ano. A outra, também de ouro, foi na prova de estrada.
Completaram o pódio os atletas Gustavo Freitas, de Joinville (2h08min51), e Gabriel Machado da Silva, de Chapecó (2h09min01), respectivamente 2º e 3º colocados.
-
Fonte: http://dc.clicrbs.com.br/sc/esportes/noticia/2017/11/atleta-cai-pedala-15-km-machucada-e-fica-com-a-prata-no-ciclismo-nos-jasc-9987712.html
Pois é amigos , neste último domingo (29/10) aconteceu em conjunto com o Circuito Ecoturistico da Santa do Paredão o 6º Desafio de Cicloturismo da Santa do Paredão, evento que teve o intuito de além de mostrar as belezas naturais do município de Jaguariaíva-PR, arrecadar alimentos ou produtos de higiene pessoal para o Asilo Lar Bom Jesus.
Lembrando que a festa é organizada pelo Santuário do Senhor Bom Jesus da Pedra Fria, o qual faz parte da ROTA DO ROSÁRIO.
O passeio como de costume teve início as 08:00 após um café da manhã para os ciclistas, a qual foi oferecido a todos na ESTAÇÃO CIDADÃ, além dos ciclistas de Jaguariaíva, Arapoti e Itararé-SP estiveram participando.
Após o café saímos com o pedal, em direção a Santa do Paredão, o percurso foi escolhido a dedo para que os ciclistas além de conhecer o paredão e participar da festa, pudessem conhecer outros pontos turísticos de nosso município.
Até o local da festa, seguimos o mesmo caminho dos peregrinos, que saíram as 05:00 da manhã e fazem o caminho a pé, até a santa do paredão que eram 21km, mas ao chegar, antes de descer e participar da Santa Missa e dos festejos, uma parada num dos pontos para registro de imagens mais bonitas do região do Sertão, o Mirante da Santa do Paredão é um dos pontos mais altos de toda a região com 1.231 metros acima do nível do mar.
Deste local, todo o sertão e o limite do horizonte tão longe, um lugar que da pra ficar horas curtindo o visual.
Descemos em direção a festa e após a Santa Missa, comemos um belo churrasco, os nossos amigos da cidade de Itararé-SP vieram pedalando desde sua cidade, 57km percorridos até o local da festa e isso prova que a fé e a diversão são uma combinação perfeita para quem faz uma bike. rsss
Partilhamos do Churras, trocamos idéias, falamos asneiras, tiramos sarro ou seja, coisas que só a amizade gerada pela paixão pelo pedal pode nos oferecer.
As 14:00 partimos novamente com o pedal em retorno para a cidade, mas como havia comentado, o percurso para também mostrar outras belezas que Jaguariaíva tem a oferecer.
Descemos a estrada da Enxovia e atravessamos a Fazenda Trevo, até o açude da fazenda, um belíssimo lugar que da acesso a um ponto turístico muito charmoso, a Cachoeira da Trevo com seus mais de 50m de altura, após a passagem para registros, continuamos com o percurso até chegarmos a trilha das cachoeiras das Andorinhas / Véu da Noiva e Lago Azul, com um trecho considerado como o melhor percurso de Downhill natural da região, lugar digno de um mundial, descemos através do percurso registrando em fotos e em memória um dia tão especial como esse.
E mesmo com o tempo querendo garoar, alguns dos ciclistas não resistiram ao charme do local e deram um mergulho no Lago Azul.
Agradeço imensamente a todos que participaram do Pedal e que além de poder curtir o percurso e se divertir conosco, puderam partilhar alegria, experiências e um pouco da caridade para o com o próximo.
Ano que vem tem mais. Obrigado de coração e Abraços a todos.