NOVAS NOTÍCIAS:
Carregando...

Atletas de Jaguariaíva conquistam pódio em prova de Mountain Bike no estado de SP

Neste último final de semana aconteceu na cidade de Itararé-SP a 7a. MARATONA MTB de ITARARÉ, válida pela 6a. Etapa da Copa Sudoeste de MTB de SP, prova esta dividida em três percursos distintos (percurso iniciante, sport e pró). Jaguariaíva foi representada pelos atletas Mazobikers, Elias Fillvock (POLACO), Adriano Martins Arnaud (SACOLA), João Ricardo de Castro, Rafael Alex Barella (BARELLA) e Wagner Ruiz.
O atleta Elias Fillvock tem o diferencial de estar correndo na Categoria MASTER C Pró, que é uma das categorias mais disputadas na COPA.
Os outros atletas encararam o Percurso SPORT
Todos deixaram sua marca na prova, tendo um ótimo rendimento na prova e mostrando que os bikers de Jaguariaíva tem evoluído gradativamente.

ELIAS FILLVOCK mostrou sua garra e determinação, e conquistou a 5a. colocação na sua respectiva categoria e 48º na Geral, concluindo o percurso Pró 46km com 2h02m33.264s

ADRIANO ARNAUD, deixou sua marca na SPORT ao conquistar a 5a colocação, concluindo o percurso Sport 37,5km com 1h44m12.938s

Os outros atletas RAFAEL BARELLA, JOÃO RICARDO DE CASTRO e WAGNER RUIZ tiveram uma excelente participação na SPORT superando o nível forte dos atletas e as dificuldades técnicas do percurso.

PARABÉNS MAZOBIKERS, mais uma vez vocês mostraram que Jaguariaíva tem muito potencial no esporte!!! Show de Rodas!!

 

Cocuzzi fala sobre vitória no brasileiro e próximos desafios

Foram necessárias apenas duas temporadas na Elite para Luiz Henrique Cocuzzi conquistar o seu primeiro título nacional disputando a principal categoria do mountain bike nacional. O atleta SCOTT da Equipe Lar Nossa Senhora, que completou 24 anos na última quarta-feira (2/8), esteve na sede da IGP Sports e falou sobre o título, treinamento, evolução, além dos próximos objetivos na sua carreira. Veja as respostas abaixo:
Confira mais os relatos dos atletas que participaram do Campeonato Brasileiro de MTB 2017.

No seu segundo ano disputando a categoria Elite, você conquistou seu primeiro título nacional. Você esperava uma ascensão tão rápida?

Luiz Henrique Cocuzzi: Quando você deixa a categoria Sub-23, o ritmo muda muito e a concorrência é maior. Na Elite você tem pelo menos dez adversários de alto nível que deixam a disputa ainda mais acirrada. Mesmo assim, não sei se esperava. Eu posso afirmar que trabalhei muito para isso. No final do ano passado, o Cadu Polazzo – meu treinador – e eu fizemos um trabalho forte de base com treinamentos focados na evolução e na busca por vitórias. Os resultados foram aparecendo. Em 2017, eu comecei bem e conquistei a medalha de bronze no Campeonato Pan-Americano. No decorrer da temporada, eu já sentia que estava evoluindo cada vez mais. Quando cheguei para disputar o Campeonato Brasileiro, já tinha expectativa de chegar entre os três primeiros colocados. Estudei meus adversários antes da prova e trabalhei bastante o psicológico. Felizmente as coisas deram certo. Quando os meus adversários já estavam mais cansados e ninguém tinha perna, eu abri a diferença. Foi uma prova bastante equilibrada e ter elaborado uma estratégia antes fez a diferença.

O que mudou na sua rotina de treinos depois da parceria com o Cadu Polazzo?

Luiz Henrique Cocuzzi: O Cadu é bastante organizado e programa os treinamentos, provas, desempenhos e evolução. Quando eu treinava sozinho, era algo mais “jogado”, sabe? Com o Cadu Polazzo, a ordem das coisas ficou mais clara. Eu consigo visualizar a prova e trabalhar o que preciso evoluir para ela, especificamente. Isso me ajudou muito. Antes de entrar na pista, já vou sabendo o quanto estou bem e até onde posso ir. Aumentou minha confiança e a estabilidade.

E como foi a comemoração depois do título de campeão brasileiro?

Luiz Henrique Cocuzzi: Foi uma semana de festa aqui no Lar Nossa Senhora. Todo mundo ficou muito feliz. Meu pai, por exemplo, até hoje não tirou o sorriso do rosto. Esse apoio da minha família e das pessoas à minha volta foi e ainda é muito importante.

O que mudou na sua rotina depois do título?

Luiz Henrique Cocuzzi: o treinamento continua o mesmo, mas o que eu senti diferença foi na parte motivacional. Quando o atleta colhe os resultados e sabe que está fazendo as coisas do jeito certo, a tendência é continuar nesse caminho para dar ainda mais certo. Eu treino, me dedico e o resultado vem conforme o meu esforço. Não adianta chegar antes da prova e pensar: “vou ganhar”. Preciso treinar e me dedicar, depois eu aplico tudo o que fiz durante a semana naquela prova. Não é sempre que o resultado vai aparecer, mas eu preciso estar preparado. Se eu vencer, comemoro. Se não, vou para a próxima. O importante é estar pronto.

Quais são os próximos objetivos para essa temporada?

Luiz Henrique Cocuzzi: O meu foco agora é o Mundial. Quero trazer um resultado melhor para o Brasil, mas essa é uma prova muito difícil e de altíssimo nível. Eu nunca fui para a Austrália e encarar uma viagem para o outro lado do mundo não é fácil. Espero chegar bem, andar na pista e me adaptar ao fuso-horário e ao país. Estou fazendo o melhor que posso para conquistar um bom resultado.

Para fechar, qual a importância da bicicleta nessa sua evolução e nas suas conquistas?

Luiz Henrique Cocuzzi: No ciclismo, a bicicleta é 50%, os outros 50% são o atleta. Se bicicleta e atleta estiverem encaixados, o foco é 100% no terreno e no desempenho. Uma bicicleta boa e rápida que encara qualquer terreno, como subidas e descidas, faz toda a diferença. Quando entrei na categoria Elite, comecei a correr só com full suspension. A SCOTT lançou alguns modelos mais leves e que respondem bem rápido. Então, optei pela Spark 900 RC. É uma bicicleta que vai bem em qualquer terreno e me permite focar apenas na prova. Você entra na disputa muito mais tranquilo e focado. Isso faz toda a diferença.
O próximo grande desafio de Luiz Henrique Cocuzzi será no Campeonato Mundial de Mountain Bike, que será realizado de 5 a 10 de setembro, em Cairns, na Austrália.
-
Fonte: https://www.pedal.com.br/entrevista-cocuzzi-fala-sobre-vitoria-no-brasileiro-e-proximos-desafios_texto12300.html

Alexander Kristoff sagra-se campeão europeu de ciclismo de estrada

O norueguês Alexander Kristoff conquistou hoje o título de campeão europeu de ciclismo, impondo-se num 'sprint' apertado ao italiano Elia Viviani.
Nos 241,2 quilômetros da corrida da prova, Kristoff acabou por conseguir o triunfo após 05h41m10s, sucedendo ao eslovaco bicampeão do mundo Peter Sagan, numa decisão apoiada no 'photo finish', dada a proximidade de Viviani. O holandês Moreno Hofland arrebatou a medalha de bronze.
-
Fonte: http://24.sapo.pt/noticias/internacional/artigo/kristoff-sagra-se-campeao-da-europa-de-ciclismo-machado-35-o_22767503.html

Atleta com braço amputado encara de bicicleta os 72km do GFNY Brasil

Quando Marcus Freire, de 47 anos, sofreu uma descarga elétrica na infância, os médicos disseram que se sobrevivesse, o garoto ficaria cego e surdo. Ele sobreviveu, enxerga e ouve muito bem, mas precisou amputar o antebraço direito. Sempre levou uma vida normal, é gerente industrial de uma fábrica de confecção em São Paulo, casado há 21 anos com Shirlei Freire, de 40 anos. Porém, nunca praticou esporte. Só aos 42 anos, em 2012, decidiu começar a se movimentar.
Primeiro, veio a corrida. E o paratleta escolheu iniciar logo com um chute na porta. A primeira prova da qual participou foi a Meia Maratona do Rio. Os primeiros 42km foram na Maratona de Nova York, em 2014. O apoio veio do grupo de corrida Aquilles Internacional, que incentiva a prática de esporte por deficientes físicos a fim de fazer com que treinem e socializem novamente.
Com o passar dos anos, em busca de novos desafios, resolveu começar a pedalar. Ciclista há 2 anos, completou no domingo, 06 de agosto, os 72km da Grand Fond New York no Brasil, em Conservatória (RJ).
Para encarar o desafio não foi preciso uma bicicleta cara, top de linha, comum de encontrar nessas provas. Em uma Caloi 10 adaptada pelo amigo mecânico especializado em bicicleta, Marcus terminou a prova orgulhoso e em 3h31min. Os treinos são de 3 a 4 vezes na semana, intercalados com os de corrida.
Influenciada pelo marido, Shirlei também passou a ter gosto pelo esporte. Participa das corridas - inclusive comemoraram 20 anos de casados cruzando a linha de chegada da Maratona de Paris, e passou a pedalar - embora ainda não encare uma prova de ciclismo.

Marcus deixa recado para quem ainda não começou a praticar esporte

Para eles, bicicleta e corrida também são maneiras de conhecer novas cidades. A programação de viagem e férias segue o calendário de provas.
- Porque a gente trabalha tanto e acaba não conseguindo viajar, ai pensa “ah, depois vamos”. Quando tem uma prova, não dá pra protelar. Você tem que se programar com um ano antes. Tem que treinar. Aí aproveita e já passa uma semana no lugar - conta Marcus, que começou a praticar esporte quando viu que não tirava férias há 5 anos.
Sem cansar, o próximo desafio de Marcus agora é começar o paratriatlo. E deixa um recado para quem ainda hesita sobre começar a praticar esporte.
- Você tem dúvida é só começar a participar. Você vai pegar o gosto e não vai largar mais! Com certeza, sua vida vai ser muito melhor depois. 
-
Fonte: 

Alberto Contador vai ser o número um na Volta a Espanha

O ciclista espanhol, que anunciou a retirada após a Volta a Espanha, vai partir para a próxima edição da prova com o dorsal número um, "em homenagem à sua brilhante carreira", anunciou a organização.
Habitualmente, o dorsal "um" é reservado ao vencedor da edição anterior, mas, face à ausência do colombiano Nairo Quintana, a organização decidiu atribui-lo a Contador, vencedor da prova em 2008, 2012 e 2014.
"Queremos agradecer, de coração, a generosidade que sempre demonstrou como ciclista e que voltou a demonstrar com esta decisão. Alberto foi, é, e será sempre um histórico do ciclismo no nosso país e no estrangeiro", afirmou Javier Guillén, diretor geral da Vuelta.
Na segunda-feira, Alberto Contador (Trek--Segafredo) anunciou o adeus as competição após a Volta a Espanha, que se disputa entre 19 de agosto e 10 de setembro.
O anúncio foi feito por Contador, de 34 anos, num vídeo publicado nas suas contas oficiais nas redes sociais.
"Digo-o feliz e não com pena. É uma decisão muito bem ponderada e não creio que haja melhor despedida na corrida de casa, no meu país", referiu no vídeo.
Além da prova espanhola, Alberto Contador tem também no currículo duas vitórias na Volta a França, em 2007 e 2009, e outras duas na Volta a Itália, em 2008 e 2015.
-
Fonte: http://www.tsf.pt/desporto/interior/volta-a-espanha-homenageia-contador-dando-lhe-o-dorsal-numero-um-8691772.html

Santa-cruzense é campeão Pan-Americano de Ciclismo

O santa-cruzense Leonardo Finkler, 18 anos, conquistou, no último domingo, o Campeonato Sul-Americano de Ciclismo em Guadalajara, no México. Ele representou a seleção brasileira na categoria júnior.
“Para mim foi uma conquista quase inacreditável.Sabia que tinha condições físicas de ganhar a prova, porém precisava cuidar para não me envolver em uma queda e também que todo o trabalho tático ocorresse da maneira correta. E tudo deu certo, não caí e a nossa estratégia deu certo”, comemorou ele, que percorreu 108 quilômetros.
Finkler, que integra a equipe da Faccin Bicicletas.com/Specialized é tricampeão brasileiro de ciclismo de estrada, mas ressalta que o título obtido no final de semana foi o mais importante de sua carreira. No sábado, o jovem participou da prova do contrarrelógio.
“Ela é individual, cada um larga sozinho e faz o mesmo percurso. Fiquei em sexto, com o tempo de 31min20s. O 1° lugar fez 30min04s e o terceiro 31min09s, ou seja fiquei a 11 segundos do pódio”, disse o atleta.
-
Fonte: http://gaz.com.br/conteudos/esporte_local/2017/08/07/100399-santa_cruzense_e_campeao_pan_americano_de_ciclismo.html.php

ESPAÇO LOBI: Jacó Gimennes - Perfil de quem fomenta o turismo no Paraná

Jacó Gimennes e Elizabeth Schmidt - Presidente FUMTUR Ponta Grossa . Foto: Arquivos/PRTUR
O Turismo é uma ciência, uma prática que milhares de pessoas realizam e que várias outras levam como mote de vida. Entre essas que tem o Turismo como lema está o popularmente conhecido Professor Jacó Gimennes, que um personagem destaque nesse assunto dentro do Paraná e expoente junto às instituições turísticas regionais e nacionais.


Químico de formação, Jacó iniciou as atividades no segmento de políticas turísticas em Campo Mourão, na década de noventa, quando ocupou o cargo de Secretário de Desenvolvimento Econômico. Lá ele descobriu os códigos e potencialidades do Turismo Regional, que motivaram, em 1998, a liderar o surgimento da RETUR – Rede de Turismo Regional.


Jacó Gimennes também atuou no Instituto de Cultura e Desenvolvimento, fomentando o Turismo com o gatilho para a prosperidade integrada entre campo e cidade. Já no início dos anos 2000, ele foi instrutor de Turismo Rural com mais de 300 cursos realizados e participados, junto ao SENAR Serviço Nacional de Aprendizagem Rural, o que certamente gabarita-o ao conhecimento do segmento e campo.
Jacó Gimennes, Paulo Mosimann Foto: Arquivos/PRTUR


Já no ano de 2015, devido às competências, Jacó foi indicado como Presidente da Paraná Turismo, PRTUR, que é a entidade estadual que executa a Política Estadual de Turismo, através da implementação de programas e projetos de incentivo, de desenvolvimento, de fomento e de promoção do turismo, com vistas à geração de negócios, empregos e resgate da cidadania que melhorem a qualidade de vida da população residente e satisfação dos que visitam o Paraná.



O professor, além da PRTUR e RETUR, também atua no o CMTUR (Conselho Municipal de Turismo de Maringá); atuando como Vice-Presidente de Regionalização do MRCVB (Maringá e Região Convention & Visitors Bureau) e também como Vice-Presidente do ICI (Instituto Cultural Ingá).




O Paraná hoje é referência nacional em Regionalização do Turismo com 14 Regiões que anualmente apresentam ao mercado os seus produtos na Edição da Mostra das Regiões Turísticas realizada de maneira continua há 13 anos.
-
Fonte: http://www.lobi.com.br/2017/08/jaco-gimennes-turismo-parana-cicloturismo-bicicleta-ciclotur.html










Jacó Gimennes - Presidente da Paraná Turismo. Foto: Arquivos/PRTUR


Segundo o Presidente da Paraná Turismo, Professor Jacó Gimennes, "os quatro critérios fixados para o novo mapeamento darão sustentação e competitividade a Regionalização do Turismo."



Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter Compartilhe no Google Plus




Postagens relacionadas








Pedal Curitiba - Morretes - Via Gra...



Você no Vale Europeu com o Lobi




Dennys Rain, Carambeí com o Lobi






Jacó Gimennes: Perfil de quem fomenta o turismo no Paraná Reviewed by João Paulo de Oliveira Bueno on 20:54:00 Rating: 5





Ciclista de Içara representará a Seleção Brasileira

A Seleção Brasileira de Ciclismo está no México para a disputa do Campeonato Pan-Americano de Ciclismo de Estrada e Pista. A competição começou ontem e segue até domingo, dia 6, no estado de Jalisco.
Wolfgang Hipólito, integrante da equipe da Fundação Municipal de Cultura e Esportes (FMCE) Içara/ Bike Point/Imepel, foi selecionado para a equipe por ser o atual vice-campeão brasileiro da competição Olímpica denominada Omnium, na categoria Junior. O resultado deu a Wolfgang o direito de participar do campeonato.
A Confederação Brasileira de Ciclismo ainda levou em consideração a experiência de Hipólito em provas de contra-relógio e estrada para convocá-lo. O ciclista da equipe içarense disputará um total de sete provas no México: serão cinco corridas no velódromo e duas na estrada, sendo uma contra-relógio e a outra de resistência.
O atleta do Sul do Estado faz parte da Seleção que conta também com Breno Morais, Breno Campos, Bruno Martins, Leonardo Finkler, Renan Izzo e Vinicius Gussoli.
-
Fonte: https://dnsul.com/esporte/2017/ciclista-de-icara-representa-selecao-brasileira/


Mikel Nieve troca Sky pela Orica-Scott

O ciclista Mikel Nieve (ex-Sky) vai representar a australiana Orica-Scott nas duas próximas temporadas, anunciou hoje a futura equipe do escalador espanhol.
Nieve, de 33 anos, vencedor de várias etapas nas Voltas a Espanha e Itália, foi um dos apoios do britânico Chris Froome nos triunfos de 2016 e 2017 na Volta à França.
"A vinda de Nieve vem reforçar o grupo que estamos a construir e ajudar a consolidar os nossos ciclistas nas tabelas de classificação", disse o diretor esportivo da equipe australiana, Matt White.
A equipe australiana Orica-Scott apresenta como chefes de fila o colombiano Esteban Chaves e os gêmeos britânicos Adam e Simon Yates.
-
Fonte: https://desporto.sapo.pt/modalidades/ciclismo/artigos/ciclismo-mikel-nieve-troca-sky-pela-orica-scott

Alexander Kristoff troca Katuscha Alpecin pela UAE Team Emirates

O ciclista norueguês Alexander Kristoff, que representava a Katusha Alpecin, vai correr na UAE Team Emirates,  anunciou nesta quinta-feira a sua futura equipe.
O 'sprinter' de 30 anos teve como pontos altos na sua carreira, com as cores da Katusha Alpecin, os triunfos na Milão-São Remo, em 2014, e na Volta a Flanders, em 2015.
Na presente temporada, Kristoff esteve em evidência ao vencer duas das Classicas do World Tour, em Frankfurt, na Alemanha, a 1 de maio, e em Londres, em Inglaterra, no último domingo.
"O contrato será assinado nas próximas semanas, depois de realizados os exames médicos de rotina", refere em comunicado o diretor da UAE Team Emirates, o italiano Giuseppe Saronni.
-
Fonte: http://www.record.pt/modalidades/ciclismo/detalhe/kristoff-troca-katuscha-alpecin-pela-uae-team-emirates-de-rui-costa.html

Fechado desde 2016, Parque Radical de Deodoro está em situação de abandono no Rio

O Parque Radical de Deodoro, na Zona Norte do Rio, é um dos legados Olímpicos que está em situação de abandono. Nesta quarta-feira (2), a equipe do RJTV retornou até o parque, que continua fechado. De acordo com um ex-funcionário do parque, até jacarés foram vistos no espaço que possui mais de 500 mil metros quadrados de área.
A prefeitura havia prometido a reabertura do local durante as férias do início do ano, mas isso não aconteceu. Em fevereiro deste ano, o Prefeito do Rio Marcelo Crivella prometeu novamente a reabertura ainda no verão.
"O Parque Radical é um compromisso meu de abri-lo e vamos abri-lo ainda nesse período de férias. Venceu um contrato, não foi renovado pela administração anterior. É um contrato de 20 milhões por ano. Você sabe que nós estamos em um momento de negociar esses contratos e estamos fazendo exatamente isso. Verificando o que pode ser mantido no escopo do contrato, o que pode ser retirado. Enfim, fazer com que esse parque reabra, de uma maneira que a gente possa pagá-lo e que não tenha atraso", disse o Prefeito em fevereiro deste ano.

Parque Radical de Deodoro segue fechado e com sinais de abandono (Foto: Reprodução / Tv Globo)
O local, que foi sede de competições de canoagem slalon, BMX e mountain bike durante os Jogos Olímpicos do Rio, está fechado desde dezembro de 2016. Um ex-funcionário, que não quis se identificar, revela que até jacaré foi visto no espaço.
“É um desperdício tá aquilo fechado, com jacaré dentro, que a gente já tá sabendo que tem até jacaré dentro, lá da piscina, e tudo mais. E aquilo ali era a alegria da criançada, cara. Vivia cheio, vivia lotado, os funcionários adoravam trabalhar lá. Inclusive os funcionários saíram de lá sem receber o que tinham para receber, né, inclusive eu sai de lá sem receber o que eu tinha para receber”, conta ex-funcionário.
O Parque Radical também movimentava o comércio. Jose Silva é dono de uma lanchonete, que fica do outro lado do parque. Ele conta que seu faturamento diminuiu muito com o abandono do local. “Eu vendia 200 salgados, agora vendo 40. Está horrível agora! Dividi a loja para o meu filho cortar cabelo do lado e tentar fazer mais dinheiro”.
A subsecretária de Esportes e Lazer, Patrícia Amorim, informou ao repórter Edmílson Ávila que equipes de manutenção já começaram os trabalhos de recuperação do espaço e que a reabertura do Parque Radical de Deodoro está marcada para setembro de 2017.
Parque Radical de Deodoro pode ser reaberto em Setembro (Foto: Reprodução / Tv Globo)
-
Fonte: http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/fechado-desde-2016-parque-radical-de-deodoro-esta-em-situacao-de-abandono-no-rio.ghtml

Salvador já tem quase 200 quilômetros de ciclovias

Salvador pulou de 48,6 quilômetros de ciclovias, ciclorrotas e ciclofaixas em 2012 para 197,96 quilômetros em 2016, sendo 151,96 construídos pela Prefeitura e apenas 46 quilômetros pelo governo do estado. Há quatro anos havia 13,8 km oriundos da gestão municipal e 34,8 km estaduais. O número de locais beneficiados também subiu de 13 para os atuais 47, dos quais 36 foram intervenções municipais, a exemplo da Avenida Afrânio Peixoto, mais conhecida como Suburbana, que a partir da requalificação passou contar com uma via exclusiva para bicicletas com 14 quilômetros de extensão em ambos os sentidos.
Este crescimento é resultado do esforço do município em fornecer mais opções de lazer para soteropolitanos e turistas, a partir da recuperação, modernização e ampliação do espaço público, por meio de ações pontuais e do trabalho integrado entre os órgãos de trânsito, mobilidade e turismo. Com as ações de requalificação, toda a costa da capital baiana foi contemplada com rotas para bicicletas construídas ou reformadas desde a praia de Ipitanga, na divisa com Lauro de Freitas, até as novas orlas da Barra, Ribeira e Tubarão, por exemplo.
Principais obras na cidade levam em conta o ciclista (Foto: Valter Pontes)
As áreas destinadas aos ciclistas estão à disposição da população nas principais avenidas da capital, dispostas tanto nas vias principais como nas marginais, exemplo da ACM, Barros Reis, Juracy Magalhães Jr., Paralela e Afrânio Peixoto, também conhecida como Suburbana, que foi recentemente requalificada passando a contar com uma via exclusiva para bicicletas medindo 14 quilômetros de extensão em ambos os sentidos.

 Definição – Ciclovias, ciclofaixas e ciclorrotas podem ser definidas de acordo com a interação com o meio. Enquanto as ciclovias são espaços dedicados exclusivamente para a prática do ciclismo, geralmente segregada dos demais veículos que compõem o trânsito de determinado lugar, as ciclofaixas são pintadas no asfalto, sem a necessidade de separação física entre as vias para automóveis e bicicletas. Nas ciclorrotas, entretanto, carros e bicicletas trafegam juntos, com sinalização horizontal e vertical que informe com clareza a existência de ciclistas nos locais, alertando motoristas e protegendo ciclistas.

Programa – Entre 2013 e 2017, programas de apoio à atividade ciclística foram implementados com sucesso, como o Salvador Vai de Bike, que em três anos de atuação já realizou cerca de 60 eventos destinados aos amantes da bicicleta, além de promover ações como o Bike Anjo, que incentiva o aprendizado do uso da magrela.
Instrutora do Bike Anjo, associação voltada para o ensino da prática do ciclismo "a pessoas de 2 a 99 anos", a servidora federal Marcela Marconi destaca a importância da construção de espaços voltados para os amantes dos pedais em Salvador.
"É sempre uma vitória quando novas vias são abertas na cidade, pois isso significa mais pessoas pedalando. Entretanto, é preciso que haja maior integração entre as ciclovias, faixas e rotas, de modo que formem uma rede que percorra toda a cidade. Também é necessário maior controle em relação às ações de vândalos e ao mau uso dos locais destinados às bikes por outros veículos, cujos donos optam por estacionar nas vias exclusivas. É preciso sempre festejar cada nova ciclovia, pois isso é de grande relevância para os iniciantes, público que está em franco crescimento na cidade", diz. Em quatro anos de atuação em Salvador, o Bike Anjo já iniciou mais de 3 mil soteropolitanos na prática do ciclismo.
Benefícios - Em uma iniciativa inovadora, a Secretaria da Cidade Sustentável (Secis) implantou um sistema de premiação para o servidor que optar por ir trabalhar de bike durante quinze dias úteis em um mês, garantindo uma folga mensal por conta da iniciativa.
A prática já beneficiou o servidor Eleandro Pereira, 58, que tem na bicicleta o principal meio de transporte entre sua residência, no bairro de Pernambués, e o Parque da Cidade, no Itaigara, onde trabalha pela Secis. A prática virou rotina há 16 anos na vida de Eleandro que, além de economizar no deslocamento, ainda encontrou um meio de realizar uma atividade física de baixo custo e com pleno contato com a natureza. "Utilizo a bicicleta como meio de transporte, como uma forma de cuidar da minha saúde e como meio de lazer. Espero que mais colegas de trabalho se interessem por esse estímulo e passem a cuidar melhor da saúde", disse.
-
Fonte: http://g1.globo.com/bahia/especial-publicitario/prefeitura-municipal-de-salvador/salvador-primeira-capital/noticia/salvador-ja-tem-quase-200-quilometros-de-ciclovias.ghtml

Final da Copa do Mundo de MTB XCE 2018 acontecerá no Brasil

A organização da Copa Internacional Levorin de Mountain Bike (CIMTB Levorin) realizará a final Copa do Mundo de Eliminator (MTB Eliminator World Cup) em 2018. Esta será a primeira vez que o evento acontecerá na América Latina.

Em 2017, a Copa do Mundo de Eliminator já teve etapas na Itália, Estados Unidos, Bélgica, Alemanha e ainda terá na Alemanha, Nova Zelândia e Líbano. No Brasil, o evento acontecerá fechando o campeonato em outubro de 2018. O local ainda será definido.
O evento é uma parceria entre a CIMTB Levorin, a União Ciclística Internacional, a Confederação Brasileira de Ciclismo e City Mountain Bike. De acordo com o organizador Rogério Bernardes, a prova é uma oportunidade de valorizar o Brasil e a América Latina.
“Estou muito contente em trazer para o Brasil a grande final da Copa do Mundo de Mountain Bike Eliminator XCE. Será o início de um projeto que vamos trabalhar para ser duradouro e para valorizar o Brasil e América Latina no cenário mundial da modalidade. É um sonho que se inicia e já estamos com muitas ideias para dar a oportunidade de termos disputas de atletas amadores junto com os maiores atletas do mundo. Será uma grande festa para os amantes do ciclismo”, comentou Rogério.

Cross Country Eliminator

O formato de provas XCE acontece com baterias de quatro atletas a seis atletas. Os dois mais rápidos são classificados para a próxima etapa. O número de largadas depende do número de atletas e vai acontecendo até que chegue na bateria final onde serão definidos os campeões no masculino e feminino.
A pista do XCE pode ter uma extensão de 500 metros a um quilômetro, exigindo do atleta força, explosão, coragem, determinação e técnica.
-
Fonte: https://www.pedal.com.br/final-da-copa-do-mundo-de-mtb-xce-2018-acontecera-no-brasil_texto12294.html

Como a musculação pode ajudar sua performance no ciclismo?


Além de ser um meio de transporte, a bicicleta é o equipamento fundamental para o esporte ciclismo. A modalidade é praticada em pistas, ruas, montanhas, além de fazer parte do triathlon – juntamente com a natação e corrida. O número de praticantes no Brasil vem crescendo a cada ano e com isso, as dúvidas sobre o treinamento para melhorar a performance também.
Aliar musculação ao treino de ciclismo, ou não, é uma das principais questões, pois a modalidade em si já exige bastante do corpo e da musculatura, principalmente dos membros inferiores, por isso é preciso mantê-los fortalecidos para garantir uma boa performance, seja como profissional ou amador. Mas será que é recomendado intercalar as duas práticas?
Há um tempo atrás o treino de musculação era apenas indicado aos ciclistas durante o período de base do planejamento, quando o atleta não realizava muitas séries específicas na bike, mas isso mudou e é na hora das subidas que se vê a diferença, de quem fortalece a musculatura e de quem evita a prática.
Os treinos físicos dos ciclistas devem priorizar força e potência com cargas, poucas repetições e longo intervalo, fazendo assim uma adaptação neural, que segundo a preparadora física Giovana Kaupe, significa que o cérebro aprende a mandar estímulos aos músculos, tornando o treino mais eficiente.

“Com esse tipo de treinamento, a pessoa consegue desenvolver suas fibras mais rapidamente, ativando no momento em que precisa produzir força máxima, como em ataques para escapar do pelotão. O treino de força também pode melhorar a economia de movimento, quando o corpo gasta menos energia para produzir a mesma força”, explica Giovana.
É preciso ressaltar que o objetivo da musculação para os ciclistas não é o ganho de massa, até porque o gasto energético ao pedalar não é muito grande e sim a potência. Esses atletas que fazem musculação, além de se tornarem mais resistentes, costumam ter mais facilidade de manter o ritmo durante a competição, gerar explosão nas largadas, em sprints decisivos e até mesmo poupar energia quando necessário.
A especialista também diz que o ideal é treinar no máximo três vezes por semana, pois quando adicionado aos treinos de ciclismo, o corpo pode sofrer um overtraining.
“O fortalecimento precisa ser eficiente e não adicionar volume de treino desnecessário. Uma boa saída é desenvolver força no período off-season e depois só mantê-la no resto da temporada”, sugere Giovana.
-
Fonte: https://www.webrun.com.br/musculacao-aliada-ciclismo/

ESPAÇO LOBI: O 1º Desafio da Onça Brava está chegando...

Jaguariaíva vai ser campo para mais um desafio de cicloturismo. Dessa vez, o desafio é da Onça Brava com o passeio no início de setembro com grande estrutura e visitação aos mais especiais pontos turísticos do município. Os Campos Gerais do Paraná vai receber centenas de ciclistas para aproveitar as belezas do município em pedais que percorrerão mais de 70 quilômetros (Níveis LIGHT e HARD) em Jaguariaíva.
A realização do 1º Desafio Onça Brava é uma ação conjunta do Lobi, Mazobikers, Prefeitura Municipal de Jaguariaíva e Secretaria Municipal de Indústria, Comércio e Turismo. Compre já seu ticket num valor especial no primeiro lote.
Cachoeiras e vales estarão no percurso do desafio
Sendo que para este desafio, a escolha foi especialmente para quem gosta de um pedal aventura e que não irá deixar nenhum ciclista de lado, agradará desde o PEBA até o GALÁCTICO, pois serão dois percursos: Percurso Nível LIGHT, com um total de 31,3 km, para quem está começando e quer um pedal diferente e desafiador, percurso por estradas rurais e que os levará a algumas das mais belas visões do 8º maior canyon do mundo em extensão, marcadas pelos seguintes pontos, turísticos: 
  1. Palacete do Conde Francisco Matarazzo (SAÍDA)
  2. Rio do Butía,
  3. Cachoeiras do Rio Butiá,
  4. Mirante do Alagado,
  5. Mirante Principal do Vale do Codó,
  6. Palacete do Conde Francisco Matarazzo (CHEGADA)
Plano do pedal Light



Percurso Nível HARD, com um total de 40,1 km, para quem quer realmente um percurso que contenha o verdadeiro espírito do mountain bike. É um percurso misto que inclui todos os níveis de dificuldade fácil, médio e difícil, sendo estes passando por algumas das paisagens mais belas do Estado do Paraná, o percurso passará por estradas rurais, cruzará lajeados, cachoeiras, mirantes de uma visão excepcional do vale, e single tracks que irão desafiar até os que curtem um pedal mais técnicos, ou seja um verdadeiro percurso de enduro (20km XCO e 21km XCM) e levando-os aos seguintes pontos turísticos:
  1. Palacete do Conde Francisco Matarazzo (SAÍDA)
  2. Mirante da Pedra Bonita
  3. Rio do Butía,
  4. Cachoeiras do Rio Butiá,
  5. Mirante do Alagado,
  6. Mirante Principal do Vale do Codó,
  7. Mirante da Toca da Onça.
  8. Palacete do Conde Francisco Matarazzo (CHEGADA)
Plano do pedal Hard

É o segundo desafio de cicloturismo do município, que já tem o Cicloturismo do Dia do Trabalhador, que nesse ano aconteceu em 30 de abril, quando os ciclistas percorreram mais de 30 quilômetros de trilhas e visitaram diversos pontos turísticos deste lugar privilegiado pela natureza. O Lobi juntou-se a dezenas de amigos da região e foram para esta cidade hospitaleira no interior paranaense participar desse desafio que vai se tornando tradicional em comemoração ao Dia do Trabalhador.
Grupo antes da saída rumo às trilhas. Foto: Ivan Mendes

O desafio teve a pegada de "Singletrack" e com inscrição solidária na arrecadação de alimentos para um abrigo de idosos. O percurso foi escolhido especialmente para quem gosta de aventura, pois é um itinerário misto que inclui todos os níveis de dificuldade fácil, médio e difícil, sendo estes passando por algumas das paisagens mais belas do Estado do Paraná. Espetacular mesmo!




O trajeto foi bem sinalizado com várias placas com setas vermelhas, indicando o caminho, por questão se segurança o percurso foi feito com cautela, para que ninguém caia e se machuque, pois o terreno foi técnico de contemplação turística mas ao mesmo tempo um desafio. Os trechos mais perigosos foram sinalizados com placas com o padrão UCI, e claro, com toda a orientação da organização.

1º Desafio da Onça Brava

Os participantes inscritos serão atendidos por grande estrutura e rede de atendimento que contará com ambulância, assistência mecânica básica em todo o trajeto, carro de apoio, guias condutores, frutas, água e lanches, além do seguro de vida individual.



A inscrição dos participantes e compra dos tickets começaram em julho e os valores podem ser parcelados em até 10x. O primeiro lote dos ingressos esgota no dia 20 de agosto.

A compra dos tickets para esse evento não contempla o transporte de público e bicicletas entre Curitiba, Jaguariaíva, regiões e retorno. Contudo há a indicação de transporte especializado realizado pela TruckSul, que forma lista de interessados pelos contatos indicados.


-

ESPAÇO LOBI: Pedalando por Carambeí

O fim de semana foi bem proveitoso! Além de pedalar e encontrar amigos em Ponta Grossa, o Lobi e amigos também percorreram caminhos de Carambeí, tudo isso nos Campos Gerais. Foram quase 100 quilômetros pedalados no município em estradas rurais e pontos turísticos e característicos. Carambeí é conhecida como a Holanda do Paraná, devido a arquiteturas semelhantes, alimentos icônicos holandeses e a fundação do município por imigrantes dos Países Baixos.

Carambeí é um dos municípios situados nos Campos Gerais do Paraná, que já foi denominada o "paraíso terrestre do Brasil" pelo naturalista francês Auguste de Saint-Hilaire em virtude de suas paisagens naturais. O Lobi sempre está percorrendo esses caminhos que são espetaculares mesmo!

Pedalando no fim de semana

O pedal até Carambeí nesse fim de semana começou em Ponta Grossa onde Lobi e amigos seguiram pela avenida Souza Naves, sentido norte do Paraná, entrando na estrada da Bocaina, percorrendo a Santa Cruz, com uma pausa para descanso e registro de visitas na igrejinha de São Francisco de Chagas. 

Na cachoeira do Tamanduá, foi possível fazer um lanche e mais algumas fotos e vídeos. Partindo dali, passamos pelas duas pontes sobre o rio São João, pela avenida dos Pioneiros até a Fazenda Capão Grande e a Chácara do Nícolas. 

A pedalada também levou os amigos até o Rancho HS de Equitação e até o Parque Histórico de Carambeí. Já em região urbana, Lobi e os participantes desse pedal passaram pela Praça 4 de Abril e seu moinho holandês, Casas datadas de 1939, Igreja Evangélica Reformada, Monumento do Lavrador e para fechar o passeio, que teve cerca de 80 quilômetros, um registro no portal da cidade.

Alagados em Carambeí - Ponta Grossa/PR


Carambeí

Carambeí tem segredos, belezas, aromas e sabores na sua gastronomia que se caracterizam principalmente por influência das etnias holandesa e indonésia, porém com forte presença brasileira. As bem faladas tortas, consagradas pelos sabores tradicionais que seguem receitas centenárias e também aquelas que a criatividade e talento criaram transformam um simples degustar em uma experiência inesquecível aos paladares mais exigentes.

O sucesso das tortas é recente, desse século, já a tradição de acrescentar deliciosos, bolos, tortas e bolachas nas mesas de café da manhã e também da tarde é um hábito secular. Era em volta da mesa, principalmente no domingo, após voltar da Igreja, que as famílias se reuniam para tomar o café acompanhado dos familiares e amigos e ali se falava da semana que passou e também se traçava planos para uma nova jornada. Na mesa estavam todas as delicias produzidas com as receitas de família passadas de geração à geração sendo acrescidas, gradativamente, por pitadas de brasilidade adaptando-se a ingredientes tropicais.
A Tacinha em Carambeí - Ponta Grossa/PR
Além das tortas, Carambeí também imprime na sua gastronomia a exoticidade da cozinha indonésia, uma herança trazida por imigrantes holandeses vindos da Indonésia. Nessa receita um dos destaques é o Rysttafel que é uma reunião de mais de 20 diferentes receitas indonésias, sendo uma adaptação dos holandeses que colonizaram a Indonésia no século VI. As cores, diversidade de sabores que se misturavam a temperos agridoces e molhos de pimenta transformam o Rysttafel em um banquete colorido com aromas e sabores impressionantes.
Estando em Carambeí, aproveite da gastronomia e pedale depois para queimar as deliciosas calorias adquiridas. Foto: Divulgação
Tortas da tradicional Holandesa, de Amora, Chocolate com Pimenta, saborosos bolos, Lumpia, Rysttafel, Poffertjes, Bitterballens, Kroketten, Patatjes, Bitterballen, acompanhadas de cafés variados ou ainda de uma cerveja artesanal garantem o sucesso dessa gastronomia que torna Carambeí, um lugar mais que especial.
-
Fonte: http://www.lobi.com.br/2017/07/cicloturismo-pedal-carambei-parana.html