...Mazobikers

Através destas fontes você consegue acompanhar as principais provas do ciclismo mundial!

Clique em uma das Opções de Streaming para assistir...

Para fechar basta clicar no botão na referida Streaming...

As Transmissões do ciclismo feitas pela CyclingToday, EUROSPORT1 UK, EUROSPORT1 ES e EUROSPORT1 POR-PT iníciam-se sempre em torno de 08:00am(BRT).

Indicamos o uso do Browser BRAVE para que não haja aberturas de Popups/ADs.

Para o download do Brave Browser acesse aqui!


Primoz Roglic venceu Giro com margem de tempo mais pequena desde 1974

Roglic se consagra com 14 segundos de vantagem para o segundo classificado (Foto: Getty Images)
    O ciclista esloveno Primoz Roglic (Jumbo-Visma) venceu a 106.ª edição da Volta a Itália, sendo consagrado com 14 segundos de vantagem para o segundo classificado, a margem mais ‘apertada’ desde 1974 e a quarta mais pequena de sempre, à frente do britânico Geraint Thomas (INEOS), um muito próximo segundo, e com 1m15s de vantagem para o português João Almeida (UAE Emirates), terceiro.
    Os 14 segundos para o campeão do Tour2018, que ‘destronou’ da liderança no ‘crono’ da penúltima etapa, representam a margem mais pequena de um campeão no século XXI, apenas aproximada aos 19 segundos que bastaram para o canadense Ryder Hesjedal triunfar em 2012, e a quarta mais pequena de todos os tempos.
    Com menos ‘folga’ na vitória, só dois ciclistas (em três edições), a começar pelo ‘recordista’ das vitórias ‘apertadas’, Fiorenzo Magni, que em 1948 bateu Ezio Cecchi por 11 segundos, conquistando o primeiro de três cetros do Giro.
     Magni, o ciclista mais velho de sempre a vencer a ‘corsa rosa’, na altura com 34 anos e 180 dias, mais que os 33 de ‘Rogla’, ocupa também a terceira posição deste peculiar pódio porque conquistou esse Giro, em 1955, com 13 segundos de diferença para a ‘lenda’ Fausto Coppi.
    Os grandes campeões não são imunes a estas margens pequenas e um dos maiores de todos, o belga Eddy Merckx, também figura na lista, uma vez que em 1974 foram 12 os segundos que o distaram do segundo classificado, Giambattista Baronchelli.
    Nos antípodas destes segundos está a hora e 57 minutos que Alfonso Calzolari distou de Pierino Albini em 1914, há mais de 100 anos, na primeira edição contada por tempos e não pontos.
    Era um mundo diferente ao de hoje, com oito etapas mas cinco delas com mais de 400 quilômetros, e chegou até a ser disputada nos tribunais, com Calzolari acusado de ser ajudado por um carro.
    No século XXI, a maior margem é a de Ivan Basso em 2006, com 9m18s de avanço para o espanhol José Enrique Gutiérrez.
    ‘Rogla’, de resto, venceu a Vuelta em 2020 com 24 segundos de vantagem para o equatoriano Richard Carapaz, mas em 2021 tinha uma ‘colchão’ de 4m42s para o espanhol Enric Mas e, no primeiro triunfo, em 2019, foram 2m33s para o também espanhol Alejandro Valverde.
    A quarta vitória em grandes Voltas, que o torna no 12.º ciclista a vencer Vuelta e Giro, permite-lhe igualar os feitos do espanhol Roberto Heras, o suíço Tony Rominger e o italiano Vincenzo Nibali, todos com um ‘tetra’, igualando o ‘tri’ espanhol com um Giro de Rominger, embora Heras só tenha vencido Vueltas e apenas Nibali tenha conseguido as três.
    Longe, bem longe, estão as 11 vitórias de Merckx, o campeão dos campeões, com cinco Giros, cinco Tours e uma Vuelta no palmarés.
-
Labels:

Postar um comentário

[blogger]

Mazobiker

{google#Mazobiker}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget