...Mazobikers

Através destas fontes você consegue acompanhar as principais provas do ciclismo mundial!

Clique em uma das Opções de Streaming para assistir...

Para fechar basta clicar no botão na referida Streaming...

As Transmissões do ciclismo feitas pela CyclingToday, EUROSPORT1 UK, EUROSPORT1 ES e EUROSPORT1 POR-PT iníciam-se sempre em torno de 08:00am(BRT).

Indicamos o uso do Browser BRAVE para que não haja aberturas de Popups/ADs.

Para o download do Brave Browser acesse aqui!


Não, o Giro não excluiu Evenepoel por covid-19. E, sim, as máscaras vão regressar...

Remco Evenepoel desconsolado ao deixar a Volta a Itália 2023 (Foto: divulgação/LaPresse)
    Depois da saída de Evenepoel – que não foi afastado pela organização –, a Volta a Itália vai tratar a covid-19 como “antigamente”, retomando a utilização de máscaras no contacto com os ciclistas.
    "Forçado a" é um conceito que, mal utilizado e pode confundir, já que remete para um entendimento errado. Mas ao contrário do que tem sido falado e criticado, o ciclista Remco Evenepoel não foi "forçado a deixar a Volta a Itália" pela organização da corrida, depois de um teste positivo à covid-19.
    O atleta belga foi, na realidade, afastado pela própria equipe, preocupada com o estado do seu líder. A expressão "forçado a deixar", utilizada no comunicado da equipe Quick-Step, induziu ao erro muitos que consideraram que o ciclismo, em geral, e a organização do Giro, em particular, estavam tendo uma preocupação desmedida com uma doença que já nem a Organização Mundial de Saúde vê com o máximo grau de cuidado.
    Ao contrário do que aconteceu em 2021 e 2022, as regras já não prevêem que um ciclista infectado seja afastado da corrida. E não prevêem sequer testes obrigatórios à covid-19 ou a utilização de máscaras nos espaços pré e pós-etapa. Para 2023, a pandemia foi tratada, no ciclismo, com uma naturalidade que dá às equipes a possibilidade de gerirem o assunto como bem entenderem – e já seis corredores abandonaram por covid.
    Por isso que a equipe Quick-Step decidiu internamente fazer testes de covid – e aí detectou a infecção de Evenepoel. Tal como a Jumbo, por exemplo, decidiu que as máscaras seriam para manter.
    Em suma, Remco Evenepoel foi afastado pela própria equipe, seguindo, provavelmente, a indicação do corpo médico, que considerou ser mais prudente para a saúde do ciclista abandonar a corrida.
    Esta é a parte da história que nos diz que as medidas anti-covid são geridas pelas equipes. Agora, vem a parte que nos diz que a organização da corrida quer voltar a assumir as rédeas do problema.

Organização vai apertar medidas

    O diretor da corrida, Mauro Vegni, explicou à Gazzetta dello Sport que as equipes “podem fazer os testes que quiserem” e “podem decidir parar um ciclista ou não”, confirmando, porém, que as medidas de prevenção já não serão tão arbitrárias.
“Possivelmente, paramos com a preocupação [com a covid-19] demasiadamente cedo. Vamos reintroduzir regras que tínhamos deixado, como a obrigação de utilização de máscaras em locais de contato com os ciclistas, como a partida e a meta. Não vamos limitar a forma como as pessoas interagem na corrida, mas quem quiser interagir com os corredores terá de ter máscara”, detalhou. E concluiu: “Deveríamos tê-lo feito mais cedo? Possivelmente. E não coloco a minha mão no fogo dizendo que não há outros casos, possivelmente não confirmados”.
    Isto quer dizer que a presença em zonas de autocarros das equipas, locais de assinatura do livro de prova, cerimónias de pódio, zonas mistas, salas antidoping e locais de imprensa vai requerer máscara na face. A covid-19 pode ter saído de boa parte da vida diária dos cidadãos, mas ainda não saiu do ciclismo.
-
Labels:

Postar um comentário

[blogger]

Mazobiker

{google#Mazobiker}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget