...Mazobikers

Clique em uma das Opções de Streaming para assistir...

Para fechar basta clicar no botão na referida Streaming...

As Transmissões são pela TIZCycling, EUROSPORT e BeIN SPORTS Xtra a partir das 8:30 da manhã.

Indicamos o uso do Browser BRAVE para que não haja aberturas de Popups/ADs.

Para o download do Brave Browser acesse aqui!


A garantia das bicicletas: o que cobre e o que não cobre

    Com cada vez mais fabricantes lançando para oferecê-lo por toda a vida, é uma questão que muitos entusiastas de duas rodas valorizam ao considerar a compra de um modelo específico. Especialmente nas faixas médias e altas. Mas você sabe exatamente o que está coberto e o que não está coberto pela garantia das bicicletas? Nós explicamos para você para que você não tenha surpresas.

A principal coisa que você precisa saber sobre a garantia da bicicleta

    A garantia é uma proteção que é prestada ao consumidor contra defeitos e avarias de um produto que adquiriu, desde que sejam imputáveis ​​ao fabricante ou ao vendedor. Como você provavelmente sabe, basta apresentar o nota fiscal de compra ou fatura, sem a necessidade de outro documento separado, por isso é importante guardá-los (além de saber onde está o número de série). E existem dois tipos de garantia.
    Uma é a legal, que até o ano passado era de 2 anos, e que em 1º de janeiro foi estendida para 3 anos. Então, se você comprar uma bicicleta nova neste 2022, ela estará coberta até a mesma data em 2025. A outra é a garantia comercial, que é aquela oferecida, ainda por cima, por um determinado fabricante, de forma voluntária.
    No caso das bicicletas, quase todas as marcas oferecem. Mas é necessário ler atentamente as condições, porque a chave aqui é que os problemas são "atribuíveis ao fabricante". E mais alguns detalhes que contamos a seguir e que é importante lidar.

O que não cobre: ​​componentes, desgaste, pintura...

    Por enquanto, a maioria das garantias geralmente cobre apenas o quadro. É, em geral, o que a marca fabricou, enquanto o resto são componentes. Então, mesmo que sua Trek, por exemplo, tenha garantia vitalícia, se houver defeito no câmbio, você não poderá ir até a empresa americana.
    Você terá que reivindicar Shimano, Campagnolo ou o fabricante do cambio em questão, e essa parte provavelmente será coberta pelos 3 anos exigidos por lei, mas não mais. Além disso, as chamadas 'peças de desgaste' (corrente, pastilhas de freio, pneus...), que possuem períodos de cobertura muito mais curtos, de alguns meses, não entram nessa.
    Além disso, como dizemos, eles só repararão ou trocarão o quadro se a quebra ou defeito for devido a falhas nos materiais ou no processo de fabricação. Obviamente, eles não farão isso se tiver a ver com um acidente ou uma manutenção ruim que você realizou.
    Outras coisas a ter em mente: em princípio, a empresa não será responsável se você tiver feito modificações, ou uso negligente da bicicleta, ou se você não respeitar o cronograma de manutenção que ela define. Mesmo algo aparentemente inocente como uma mudança de pintura anula a garantia da maioria das marcas.
    Além disso, se você vendê-lo a um particular durante o período de garantia legal, eles também estarão cobertos, mas a garantia comercial geralmente é válida apenas para o comprador original. No caso de passar para outras mãos, será considerado finalizado. No entanto, se for vendido em segunda mão através de um revendedor, o revendedor será obrigado a dar ao novo comprador uma garantia mínima de um ano.

Para a vida... vale a pena?

    Você já deve ter ouvido falar que muitas marcas (como Specialized, Trek, BH, Merida...) já oferecem garantia ilimitada em seus quadros. E, conhecendo todos os itens acima, você pode estar se perguntando se isso faz sentido. E a verdade é que... depende.
    Por um lado, nunca é ruim que tenhamos garantido esse serviço contra nossos próprios defeitos enquanto a bicicleta durar. Acima de tudo, porque geralmente não há custo adicional. Por outro lado, é verdade que a maioria dos defeitos de fabricação se manifesta nas primeiras semanas ou meses de propriedade. Seria muito raro descobrirmos uma falha material dentro de 6 anos após possuí-la.
    Portanto, a garantia 'vitalícia' pode ser algo a considerar, mas não deve condicionar nossa compra. No final das contas, o mínimo exigido por lei (3 anos) já é longo o suficiente para percebermos totalmente se o produto que adquirimos está com defeito.
-

Postar um comentário

[blogger]

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget