...Mazobikers

Clique em uma das Opções de Streaming para assistir...

Para fechar basta clicar no botão na referida Streaming...

As Transmissões são pela TIZCycling, EUROSPORT, BeIN Sports2, ESPN3 a partir das 08:30 da manhã.

Indicamos o uso do Browser BRAVE para que não haja aberturas de Popups/ADs.

Para o download do Brave Browser acesse aqui!


Julian Alaphilippe: Você tem que ser masoquista para andar de bicicleta, é um esporte muito difícil

Julian Alaphilippe foi eleito o ‘Campeão dos Campeões’ da L'Équipe... (Foto: Getty Images)
    Julian Alaphilippe foi eleito o ‘Campeão dos Campeões’ da L'Équipe pelo terceiro ano consecutivo, depois de manter sua camisa arco-íris de maneira espetacular no Campeonato Mundial em Leuven.
    Para marcar o prêmio, o piloto da QuickStep-Alpha Vinyl participou de uma entrevista conjunta para o jornal com Bernard Hinault, e a discussão inevitavelmente se voltou para o Tour de France, onde Alaphilippe ficou em quinto lugar geral em 2019 depois de usar a camisa amarela por duas semanas.
    Alaphilippe vestiu a amarela e venceu etapas na abertura dos últimos dois Tours, mas tem relutado em se comprometer com uma inclinação combinada na classificação geral, apesar de sua notável exibição em 2019.
    Hinault sugeriu que Alaphilippe teria que ter certeza de sua forma antes de almejar o Tour, pois seria um “grande risco”, e o campeão mundial concordou com essa avaliação.
“É um resumo perfeito. E o problema é que você nunca pode ter certeza do seu tiro ”, disse Alaphilippe. “Por que arriscar colocar uma temporada em espera por apenas uma vitoria? Tudo o que tenho que fazer é vomitar ou cair depois de dois dias de corrida, e tudo se foi. Você não pode planejar nada no Tour. ”
    Alaphilippe também reconheceu que a configuração do terreno mudou desde sua aventura notável e inesperada no Tour de 2019 devido à chegada de Tadej Pogacar e uma nova geração de talentos.
“Se vai acontecer, vai acontecer. Ainda estou motivado para fazer o Tour de France, mas tenho quase 30 anos. Agora, há jovens de 22 anos que estão chegando e subindo ao pódio nas primeiras corridas de três semanas, pilotos como Pogacar que vencem em todos os lugares, o tempo todo ”, disse Alaphilippe.
“Eu não me comparo a eles. Estou tentando construir a melhor carreira que posso dentro de minhas possibilidades. As pessoas esquecem como é difícil vencer até mesmo uma etapa de um Grand Tour. O nível geral é extremamente alto. Metade do pelotão passa a temporada em altitude. No início de cada corrida, é uma guerra. Eu apenas fico focado no que faço de melhor, e quero manter a noção de prazer intacta, porque é apenas esporte. Você sempre quer fazer melhor e isso é normal, mas também há vida. ”
    Hinault, o último francês a vencer o Tour em 1985, nem sempre foi generoso em sua avaliação das gerações que o seguiram, mas ele tinha palavras de encorajamento para Alaphilippe e seu estilo de corrida agressivo.
“Claro que somos semelhantes. No pelotão moderno, você é um daqueles raros pilotos que têm direção, que não pensam e que vão em frente na menor abertura ”, disse Hinault a Alaphilippe.
“Você, Mathieu [van der Poel], Remco [Evenepoel], você está trazendo essa mudança. Por muito tempo, as grandes equipes governaram e as outras não tiveram permissão para se mover. Vocês decidiram mudar isso e é ótimo ver. ”
    Alaphilippe ainda não delineou seu programa completo de corridas para 2022, mas já confirmou que pulará os clássicos de paralelepípedos para se concentrar nas Ardenas. O Tour estará novamente em sua programação, assim como o Campeonato Mundial, mesmo que ele estivesse relutante em começar a pensar em um terceiro título consecutivo ainda.
“No campo de treinamento da equipe, todos os caras já me falavam: ‘Vocês viram o percurso do Mundial, vai haver uma subida no circuito final!’ Eu disse a eles:‘ Dois segundos! Eu nem mesmo digeri o último título ainda ... 'Haverá outras corridas para vencer antes disso ", disse Alaphilippe, que observou, também, que o sofrimento faz parte do jogo.
“Há uma parte mental muito grande, isso é inegável. Você precisa gostar de sofrer para ganhar corridas e precisa ser capaz de mergulhar fundo na dor para fazer grandes coisas. Você tem que ser masoquista para andar de bicicleta, é um esporte muito difícil. O cara que fala que não gosta de dor não vai ter uma grande carreira. Tudo pode ser trabalhado no treino, mas existe uma enorme dimensão psicológica que entra em jogo para ir ainda mais longe, para ultrapassar os seus próprios limites. Todo mundo treina forte hoje em dia, todas as equipes estão no topo do jogo. É a cabeça que faz a diferença. ”
-
Labels:

Postar um comentário

[blogger]

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget