...Mazobikers

-->

Através destas fontes você consegue acompanhar as principais provas do ciclismo mundial!

Clique em uma das Opções de Streaming para assistir...

Para fechar basta clicar no botão na referida Streaming...

As Transmissões do ciclismo feitas pela CyclingToday, EUROSPORT1 UK, EUROSPORT1 ES e EUROSPORT1 POR-PT iníciam-se sempre em torno de 09:00am.

Indicamos o uso do Browser BRAVE para que não haja aberturas de Popups/ADs.

Para o download do Brave Browser acesse aqui!


Chris Froome reaprendendo tudo na bicicleta...

    Dois anos e meio depois de um grave acidente, no reconhecimento do contrarrelógio do Critério do Dauphiné, Chris Froome é uma sombra de outrora, mas não desiste de tentar ser estar no topo do pódio.
    Ajudamos você a relembrar os pormenores da recuperação do vencedor de oito Grandes Voltas e, por isso mesmo, o melhor dos últimos dez anos.
    Froome voltou a competir em 2020, ainda antes da parada do ciclismo pela pandemia de Covid-19, deixando claro ter de ganhar ritmo. Só em sua quinta prova do ano teve de enfrentar um contrarrelógio, especialidade em que foi duas vezes bronze em Mundiais e fazia diferença para dominar a Volta a França. No "crono" da Tirreno Adriático foi apenas 80.º e os alarmes soaram: não era só o titânio que pesava no corpo do britânico, mas toda a morfologia que estava longe do que já fora, pois a perna direita não produzia a mesma cadência. Isso era particularmente visível nos esforços individuais, mas também nas subidas, onde a sua passada constante, sem se levantar da bicicleta, não dava os frutos de outrora. Na Vuelta"2020, a da sua despedida da Ineos, nem no trabalho coletivo conseguiu ajudar quando apareciam as montanhas.
    Testes isocinéticos mostraram que Froome perdera 20% da força no quadricípite direito, obrigando a nova cirurgia, para minimizar o atrito do músculo com o osso no fémur direito, procedimento a que se sujeitou depois do UAE Tour, em fevereiro. Por isso competiu apenas em agosto e foi preterido na equipe de Israel que foi ao Tour. "O meu mostrador de treino conseguiu fazer o balanço das pernas esquerda e direita. Ia para os treinos e via o esforço feito por cada uma. Foi a forma de saber quando estava a colocar treino em cima da perna lesionada. Tivemos um ano de desafio pela frente, a recuperar a simetria, e talvez tenha sido uma das melhores notícias deste ano. Estaria às escuras sem essa informação", declarou em julho, antes de voltar a competir.

Acidente chocou o mundo

    Uma operação de seis horas salvou a vida de Chris Froome, a 12 de junho de 2019, depois de ter embatido num muro numa descida. O acidente, a 60 km/h, originou uma dupla fratura no fémur direito, mais costelas, externo e cotovelo fraturados e um colapso no pulmão que preocupou muito os médicos durante o transporte de helicóptero até ao hospital, em St. Étienne. Poucos acreditariam, na altura, que o quatro vezes vencedor do Tour voltaria à bicicleta.

Malabaristas e dieta a pensar no penta

"Sei das minhas lesões e não espero milagres. Não vou começar a ganhar de um momento para o outro", declarou à "Wiggle" o quatro vezes vencedor do Tour, que continua a sonhar com o penta. "Tendo alcançado quatro, não posso deixar de dizer que vou dar tudo para tentar o quinto. Tenho os melhores dados, mas acha-se que um atleta de 30 anos já não é capaz. Basta olhar para a nutrição, tudo é possível", diz Chris Froome.
    O britânico fez, a partir de fevereiro, um trabalho de recuperação que superou os convencionais preparos de ciclista: Froome reaprendeu uma nova posição na bicicleta, testou formas de descer diferentes e voltou à pista, onde só treinara contrarrelógio, para afinar a potência, mas acima de tudo a técnica.
    Conhecendo a fragilidade da perna direita, o ciclista de 36 anos pensou terminar a carreira, mas diz que agora está focado "em trabalhar todos os dias do resto do tempo como profissional para melhorar." Assim, reuniu-se com malabaristas, fez uma formação intensiva num centro de treinos nos EUA, tentando aprender a andar em cima de uma corda, como um artista de circo, e mostrou disponibilidade para perder ainda mais peso. Em 2007, chegou com 76 quilos ao Tour, em 2015 estava com 67, aumentando em 10% o poder na bicicleta. Apesar se de dizer "regrado" na alimentação e de já ter retirado o peso do titânio na perna direita, admite ir mais longe na busca do peso ideal para as montanhas. Mantendo a filosofia da Sky, que foi pioneira nos ganhos marginais, Froome tem sido acompanhado por cientistas ligados ao rendimento desportivo, de modo a encontrar mais soluções que lhe acalentem o sonho.
-
Labels:

Postar um comentário

[blogger]

Mazobiker

{google#Mazobiker}

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget