NOVAS NOTÍCIAS:
Carregando...

Público encara calor para não atrapalhar ciclistas no Velódromo

___Obra mais polêmica e atrasada dos Jogos Rio-2016, o Velódromo entrou oficialmente em cena na última quinta-feira (11). As disputas por equipes (velocidade e perseguição) marcaram o primeiro grande teste do questionado equipamento no Parque Olímpico. E mesmo com todas as preocupações estruturais, a pista não apresentou problemas para os atletas e passou na primeira avaliação. Nas arquibancadas, no entanto, algumas reclamações.
___A principal delas era sobre o calor que incomodava parte do público. Sem o costume de acompanhar provas de ciclismo de pista in loco, brasileiros não entendiam o motivo da temperatura considerada alta e questionavam se o sistema de refrigeração estava ativo.
___O ar, de fato, funcionava. Mas não da maneira considerada ideal para o público que buscava cervejas nos bares para se refrescar.
"Está tudo funcionando normalmente, não temos registros de problemas. Na questão do ar, é algo normal. Deixamos a temperatura na casa dos 27, 28 graus. Não podemos aumentar a potência da refrigeração por conta da competição. Um vento forte interfere no atrito dos atletas com o ar na pista, é algo que pode atrapalhar, ser decisivo numa prova. Quanto maior a temperatura, menor a densidade do ar e maior a velocidade dos ciclistas", explicou Georg Spaizer, gerente do Velódromo.
"É uma experiência nova para nós, brasileiros. Sinceramente, nunca ouvi falar disso. Algo até diferente aqui nos Jogos. Cheguei a sentir frio em outras arenas", contou o administrador Luiz Barroso, que acompanhava as competições.
Ponto cego em lugar de R$ 540___Outro ponto, este sem maiores explicações da organização, foi a presença de pontos cegos em assentos de preço elevado na arena. Na parte inferior das cadeiras, por exemplo, torcedores que pagaram caro não tinham visão total da pista.
"Paguei R$ 540 para tentar ficar em um local bem bacana e não vejo tudo. Acabamos perdendo uma parte da prova. Se soubesse, pagava menos de R$ 300 e assistia lá em cima. Me parece ser a visão mais completa na pista. Mas agora não tenho muito a fazer", lamentou o economista Pedro Padilha.
___Ao menos dois pontos cegos foram registrados pela reportagem. Um deles pela questão de se ter uma pista íngreme, onde a parte de baixo não é observada, algo considerado normal pelos organizadores, e outro prejudicado pela instalação de andaimes de suporte para câmeras de TV. Neste, com visão ainda mais prejudicada, o ingresso ultrapassava os R$ 200.

"As visões são boas. A pista não é reta, acaba se perdendo uma parte, mas isso é assim mesmo em todos os locais", minimizou Georg Spaizer, responsável pelo Velódromo.
___Com as pistas em boas condições, segundos os atletas, e com direito a quebra de recordes mundial na prova de perseguição por equipes femininos neste primeiro dia, o ciclismo de pista terá continuidade nesta sexta (12). O único brasileiro na modalidade, Gideoni Monteiro, competirá no domingo (14).
-
Fonte: http://olimpiadas.uol.com.br/noticias/redacao/2016/08/12/publico-encara-calor-para-nao-atrapalhar-ciclistas-no-velodromo.htm

0 comentários: