NOVAS NOTÍCIAS:
Carregando...

Atravesse o Paraná evitando grandes rodovias – e conheça a Casa do Ciclista

___Muitos dos cicloviajantes que saem do Brasil rumo à Argentina ou Paraguai precisam atravessar o estado do Paraná até a região de Foz do Iguaçu, onde fica a tríplice fronteira. Batendo o olho em qualquer mapa, o caminho mais óbvio parece ser pela BR 277, que cruza o estado de leste a oeste. ___Entretanto, essa é uma das rotas mais movimentadas da região, com intenso tráfego de caminhões e paisagens monótonas, tomadas pelas plantações de soja. Uma alternativa muito mais agradável, tanto em relação ao trânsito quanto ao entorno, é percorrer estradas menores que passam um pouco mais ao norte, paralelamente à rodovia federal. O trajeto pode tomar um pouco mais de tempo por conta da altimetria acentuada, mas vale pelas áreas de vegetação preservada e cidadezinhas com gente amistosa.
___Saindo de Curitiba, essa rota pode passar pela cidade de Ponta Grossa, via BR 376, ou seguir diretamente até a cidade de Castro via PR 090. Independentemente do caminho escolhido, a ideia é chegar até a cidade de Caetano Mendes, próxima ao cruzamento da BR 376 com a PR 441. O povoado é tão pacífico que acampar na praça é uma opção viável, mas também há um posto de gasolina nas proximidades, além de mercados para se abastecer de comida. A rota segue para oeste, passando pelas cidades de Reserva e Três Bicos.
___Esse é o trecho mais sinuoso e íngreme do percurso, com duas serras bem inclinadas, mas pedaláveis. Em Três Bicos a estrada muda para BR 487, que apesar de ser uma rodovia federal, não é muito movimentada. As próximas cidades no caminho são Cândido de Abreu e Manoel Ribas, ambas com hotéis simples e baratos. A distância entre Caetano Mendes e Manoel Ribas é de 140 quilômetros.
___Partindo de Manoel Ribas, são mais 55 quilômetros até o trevo que dá acesso à PR 462, passando por Iretama até Roncador. Nessa pequena cidade de nome sonoro também há hotel, mercados e padaria. A partir daí o percurso segue mais 67 quilômetros pela PR 239, passando pela cidade de Nova Cantu até Campina da Lagoa, onde também é possível pernoitar em um hotel econômico. A PR 239 continua por mais 20 quilômetros até encontrar a BR 369, que passa pelas cidades de Ubiratã, Santa Luzia e Corbélia até chegar a Cascavel, 90 quilômetros depois.
___Como qualquer cidade grande, Cascavel tem um trânsito intenso. Além disso, há poucas opções de restaurante nos trechos de rodovia próximos da área urbana. De Cascavel a única opção para Foz do Iguaçu é tomar a BR-277 e percorrer 140 quilômetros. Todo esse trecho possui acostamento, mas é preciso tomar cuidado com os arames de pneus de caminhão espalhados pelo asfalto.

Casa do Ciclista
Luciano Castilha
___Em Foz do Iguaçu, o ciclista viajante encontra um recanto amigável onde pode descansar com conforto e recuperar as energias para seguir viagem. É a Casa do Ciclista, primeira e única no país, localizada na sede da Associação Ciclística Cataratas do Iguaçu (ACCI).
___A entidade foi criada em 2012 para reunir entusiastas do ciclismo e competidores locais. No ano seguinte o espaço foi aberto aos cicloturistas, que só precisam contribuir com a limpeza e organização do local, já que não se cobra nada pela estadia.
___A casa já recebeu mais de 200 viajantes e muitas de suas histórias podem ser encontradas no livro de visitas mantido no lugar. Quem administra a casa e banca o aluguel é Luciano Castilha, entusiasta do pedal que ajuda a promover o uso da bicicleta na cidade e sempre aparece para conversar com os visitantes.
___Para além do descanso, o mais interessante dessa casa é a possibilidade de trocar experiências, tanto com os ciclistas locais quanto com viajantes de distintos lugares que se hospedam por alguns dias. Nos sábados o local também recebe oficinas de manutenção de bicicletas voltadas para jovens, uma ótima oportunidade para inspirar sonhos e tirar dúvidas da criançada.
A Casa do Ciclista fica na Rua Nivaldo do Amaral, 819, bairro Morumbi II. Telefones: (55) 45 – 88018326 / (55) 45 – 99774889 Email: accifoz@hotmail.com
___Fora isso, a cidade de Foz também tem vários locais para se visitar pedalando, como o Templo Budista, a usina hidrelétrica de Itaipu, o Parque das Aves (para quem gosta de ver animais presos), além das famosas cataratas.
-
Fonte: http://vadebike.org/2015/12/cicloturismo-atravessando-parana-curitiba-ate-foz-do-iguacu/

3 comentários:

JECA NA TRILHA disse...

Rogério. Seria interessante um mapa desse percurso. Com checkpoints etc.
Estou fazendo um mapa para os ciclo turistas que vem de SP ou que vão, que é uma opção de rota por terra que sai da divisa de estado SP e PR.
Esse percurso sai da ponte pênsil que liga as duas cidades de Chavantes(SP) e Ribeirão Claro(PR) e corta por dentro até Siqueira Campos. Um total de 110km passando por lugares massas. Somente terra de estradão batido.
Quem quiser saber mais sobre essa rota e participar desse percurso me mande um e-mail ubirajaragarrett@gmail.com

Mazobikers disse...

Bira, isso será muito interessante publicar pois é uma informação muito importante... monta uma matéria ai e manda ai para publicar!!!

Uma coisa que acho que vc irá se interessar... Eu e o Sergio Mendes estamos montando um percurso para cicloturismo chamado de ROTA DO ROSÁRIO, o Projeto atinge dezenas de cidades, em uma região que abrange a Amunorpi – Associação dos Municípios do Norte Pioneiro - e a Diocese de Jacarezinho, e passa por todos os Santuários, partindo daqui de Jaguariaíva e terminando em Bandeirantes no Santuário de São Miguel Arcanjo.

JECA NA TRILHA disse...

Então. Podemos ir amadurecendo a ideia. Me passe seu email e fone por email. Abraços.



ubirajaragarrett@gmail.com