NOVAS NOTÍCIAS:
Carregando...

Nairo Quintana: «Este Tour é bom para mim»

http://cdn.record.xl.pt/storage/2014_10/ng91D818ED-322D-4604-931E-BD68AE9EB94D.JPG?type=big 
. O ciclista colombiano Nairo Quintana (Movistar) acredita que o traçado da Volta a França de 2015, apresentado esta quarta-feira, se adequa às suas caraterísticas, "pelo menos no papel".
"Este Tour é bom para mim, pelo menos no papel. Poucos quilômetros de contrarrelógio, muita montanha, é um traçado que se adapta a mim. A única coisa que me inquieta são os trechos de pavé [calçamento de pedra], porque não podemos ganhar a prova aí, mas podemos perder", resumiu o segundo classificado e melhor jovem da edição de 2013.
. Ausente da "Grande Boucle" deste ano, depois de ter conquistado a camisa rosa na Volta a Itália, Quintana assumiu que as oito chegadas em alto jogam a seu favor e que, apesar de não conhecer a planificação da próxima temporada, quer escolher as competições para estar a 100 por cento no Tour.
"Não tenho receio do contrarrelógio por equipes. Já demonstrámos que conseguimos sair-nos bem", recordou Quintana.
. O seu colega na Movistar Alejandro Valverde mostrou-se surpreso pela escassez de quilômetros de contrarrelógio e também pela menor quilometragem das etapas de montanha, considerando que o 102.º Tour se assemelha às anteriores edições da Volta a Espanha.
"Já o disse muitas vezes: o meu lugar é no Tour, ainda mais quando o percurso favorece o Nairo. Penso que podemos fazer uma boa dupla", acrescentou o quarto classificado da edição da prova francesa deste ano.
. O vice-campeão em título, o francês Jean-Christophe Péraud, preferiu afastar a pressão, dizendo que, apesar do Tour2015 ser próprio para trepadores, dificilmente repetirá o segundo lugar.
"Parece-me complicado. Há corredores que vão estar, como o [Alberto] Contador, o [Chris] Froome, o Quintana, e o [Vincenzo] Nibali. Alcançar esse feito todos os anos é difícil. Está longe de estar ganho, mas é preciso estar na batalha", destacou.
Thibaut Pinot (FDJ.fr), terceiro em 2014, reconheceu que o percurso montanhoso pode ser benéfico para si.
"É um traçado montanhoso, com um único contrarrelógio, de menos de 15 quilômetros. Para os escaladores é melhor ter um percurso sem um verdadeiro 'crono'. Eu já terei muito de fazer com duas etapas difíceis nos Pirenéus [Pierre-Saint-Martin e Plateau de Beille] e os Alpes, com a chegada ao Alpe d'Huez", disse o francês, citado pelo jornal L'Équipe.
-
Fonte: http://www.record.xl.pt

0 comentários: