.
NOVAS NOTÍCIAS:
Carregando...

Tour de France 2014: Um Tour atípico

# Aproveitando o dia de descanso da Volta à França e após dez etapas cumpridas, algumas notas a reter.
-
http://imagens8.publico.pt/imagens.aspx/861818?tp=UH&db=IMAGENS. Não há memória de uma edição que, ao primeiro dia de descanso, tivesse perdido os dois principais favoritos devido a quedas. Agora, por exibição e currículo, o camisa amarela Vincenzo Nibali é o homem a abater. Mas antes das grandes decisões, vale a pena recordar as personagens que marcaram a primeira metade do Tour 2014.
Tiago Machado
. É Rui Costa que todos esperam ver no pódio final – com a desistência de Chris Froome e Alberto Contador poderá mesmo dizer-se que o sonho nunca esteve tão perto. Mas foi outro o português em destaque nas primeiras dez etapas. .Tiago Machado roubou protagonismo ao campeão do mundo como só ele sabe, com o coração. Lutador, andou em fuga na nona etapa, galgou lugares e fixou-se no terceiro da geral. O sonho do sempre azarado “Tiaguinho” durou pouco. Acabou na descida entre Petit Ballon e o Col du Platzerwase, quando, sem saber como, caiu desamparado. Entrou na ambulância, foi dado como desistente pela organização. Teimoso, interpelou o médico da corrida, exigiu a bicicleta e voltou à estrada, com um cotovelo e um joelho em sangue. O esforço homérico levou a organização a repescá-lo e o diário desportivo L’Équipe a dedicar-lhe um artigo individual, intitulado “Heróico Machado”.
Tony Martin
. Que o alemão da Omega Pharma-Quickstep é o melhor contra-relogista do mundo já todos sabiam. Que é um exemplo de profissionalismo e dedicação, duas caraterísticas que o tornam um dos mais apreciados ciclistas da actualidade, também. Mas nunca se tinha visto um Martin assim, apaixonado pelas fugas, aventureiro. Duas escapadas nos Vosgos em dias consecutivos valeram-lhe a sua primeira vitória numa etapa em linha no Tour (são três com os “cronos”), dois prémios de corredor mais combativo do dia, uma breve passagem pela liderança da montanha e o reconhecimento dos companheiros. “Melhor colega de equipe de sempre”, escreveu Michal Kwiatkowski, depois de vê-lo puxar durante dezenas de quilômetros com o objectivo de levá-lo ao triunfo em La Planche de Belles Filles.
Astana
Muito se falou das estratégias da Sky e da Tinkoff-Saxo para a 101.ª edição, mas foi a equipe cazaque que melhor se preparou. As evidências ao longo das primeiras dez etapas foram mais que muitas: o triunfo e a liderança de Nibali logo ao segundo dia, a colocação de três homens nos dez primeiros na visita ao “Inferno do Norte” e os dois minutos ganhos para a concorrência, o despir propositado da camisa amarela antes da primeira etapa de alta montanha. Com o experiente e polémico Alexander Vinokourov ao comando e com Jakob Fuglsang como plano B, a Astana sabe precisamente quando e onde atacar, não gastando esforços em vão, como mostrou Nibali rumo à vitória e à amarela na décima etapa.
Ciclismo francês
. Um, dois, três, quatro. À saída dos Vosgos, os franceses estão em maioria no “top 10”. Os olhos do público local, que há anos esperam por voltar a ver um ciclista nacional no pódio de Paris, brilham quando vêem o jovem Romain Bardet no quarto lugar e de camisa branca vestida ou Tony, o herdeiro da dinastia Gallopin, que até já andou de amarelo, em quinto. Mas a esperança continua uma posição mais abaixo, em Thibaut Pinot, que parece ter regressado à forma que o levou a ser décimo no Tour 2012, na estreia e com 22 anos. E há ainda o veterano Jean-Christophe Péraud que, aos 37 anos, procura repetir o desempenho de 2011, quando terminou em nono. Depois de um 2013 para esquecer, sem qualquer nacional entre os dez primeiros em Paris, o ciclismo francês está bem e recomenda-se.
Joaquim Rodriguez
. Nunca excluam o catalão das vossas apostas. O líder da Katusha tem, efetivamente, sete vidas. Quando já todos davam como certo que o verdadeiro Rodriguez só estaria de regresso na Vuelta, “Purito” inventou um novo objectivo. Ainda convalescente da operação a que uma queda no Giro o obrigou e afundado na geral individual, o terceiro do Tour 2013 lançou-se em fuga, sprintou nas contagens de montanha e vestiu a apetecível camisola às bolinhas vermelhas. A classificação da montanha é agora, assumidamente, a sua meta em Paris.
Peter Sagan
. Falar de Marcel Kittel e dos seus três triunfos seria quase obrigatório, não fosse este homem. Peter Sagan ainda não ganhou uma etapa, mas esse pormenor não diminui a dimensão do espectáculo que tem proporcionado. Camisola verde desde a segunda jornada e com mais de 100 pontos de vantagem para o segundo classificado, o eslovaco foi 2.º-4.º-2.º-4.º-4.º-5.º-2.º antes do Tour entrar nas montanhas e está bem lançado para, aos 24 anos, conquistar a sua terceira camisa verde consecutiva – e o recorde de Erik Zabel ficaria a apenas três de distância.
Richie Porte
. Entrou no Tour como trabalhador incansável de Chris Froome, pode sair como sucessor do britânico e de Bradley Wiggins no palmarés de vencedores da Volta à França. Chamado a assumir a liderança da Sky depois da desistência do campeão de 2013, não acusou a pressão. Sem dar nas vistas, o australiano de 29 já é segundo na geral, a 2m23s de Nibali. Melhor jovem do Giro 2010 e vencedor da Volta ao Algarve 2012, Porte tem finalmente aquilo que tanto desejava: uma oportunidade para afirmar-se como um dos grandes ciclistas da atualidade.
 -
Fonte: http://www.publico.pt/desporto/noticia/um-tour-atipico-1662987?page=-1

0 comentários: