NOVAS NOTÍCIAS:
Carregando...

Confederação brasileira lava as mãos e não investigará denúncia de doping no ciclismo...

--_A declaração em rede nacional causou polêmica e até demissão, mas a Confederação Brasileira de Ciclismo decidiu lavar as mãos e sequer investigará a denúncia de doping feita pelo então técnico da seleção nacional de ciclismo de estrada, Antônio Carlos Silvestre. "Não, não faremos nada em relação a isso", disse o presidente da CBC, José Luiz Vasconcellos, em entrevista ao ESPN.com.br.  
--_Na visão da entidade, as palavras de Silvestre ao programa Fantástico, da "TV Globo", no último dia 28 de outubro, não têm fundamento. O treinador, desligado três dias depois da entrevista, questionou a queda de rendimento dos atletas quando a serviço da seleção em comparação a seus desempenhos nos clubes e cravou o motivo: "É doping!".
-
>> "Eu estou falando como técnico da seleção brasileira, de atletas que vivem um período fantástico nos clubes e quando vêm para a seleção para correr fora, o rendimento cai. Mas cai por quê? Por que deixou de treinar? Não, muito pelo contrário. Quando vêm para a seleção, ficam 15, 20 dias treinando. Treinam mais, e quando chegam nos eventos internacionais e não... e baixam. Certo? Então, você diz o quê? Por quê? A palavra é? É doping!", afirmou Silvestre à reportagem da "Globo".
--_No cargo desde 2005 (reeleito em 2009), o presidente da CBC refuta qualquer possibilidade de uso de substância proibida por parte dos atletas e rebate a colocação de Silvestre citando títulos. "Não vejo onde cai o rendimento. Nós fomos campeões de estrada e de pista no último Pan-Americano de ciclismo", disse.
--_Ele refere-se à competição disputada em março de 2012 em Mar del Plata, na Argentina, na qual o Brasil conquistou seis medalhas - uma delas de ouro. 
--_
No entanto, quando a disputa fica mais acirrada, o país vai mal. Na Olimpíada de Londres, meses depois, a melhor classificação verde-amarela no ciclismo de estrada [que tinha o comando de Silvestre], por exemplo, foi a de Clemilda Fernandes Silva, com o 23º lugar; no masculino, Murilo Fischer acabou apenas em 32º.  
--_Sobre a demissão do então técnico de estrada, Vasconcellos coloca que não era possível manter um profissional que não confia nos ciclistas às vésperas de se iniciar um novo ciclo olímpico. "Não dá para trabalhar se não têm um bom relacionamento", encerrou.
--_Procurado pela reportagem, o técnico Antonio Carlos Silvestre disse que, ao menos por enquanto, não se pronunciaria sobre a polêmica, recusando-se a dar qualquer detalhe mais específico sobre a acusação que fez. Murilo Fischer chegou a atender à reportagem, mas desligou e não mais respondeu às ligações.
-
Fonte: ESPN BRASIL

0 comentários: