Campeonato Paranaense de DH 2018
7º Desafio de Cicloturismo da Santa do Paredao
}
NOVAS NOTÍCIAS:
Carregando...

Atual campeão da Copa América de Ciclismo aponta estratégia para vitória

:: Breno Sidoti revela que a equipe de Pindamonhangaba (SP) planeja proteger os sprintistas e controlar o ritmo da prova deste domingo, no Rio de Janeiro.
-
--_Campeão da Copa América em 2011, o passista Breno Sidoti contou alguns detalhes sobre a estratégia da equipe de Pindamonhangaba (SP) em busca da vitória na 12ª edição da prova, no próximo domingo, no Rio de Janeiro. O esquema será de caravana, onde os atletas têm a oportunidade de receber assistência técnica e mecânica, além do abastecimento de líquidos e alimentos durante o trajeto. Entre os homens, a disputa contará com 12 voltas em um circuito de 12,2 km montado no Aterro do Flamengo, um percurso praticamente plano e muito veloz.
-
>> - A tática é manter uma corrida aberta (rápida), acelerando até os 100 km. Depois, vamos proteger os sprintistas. Precisamos ter um representante na frente. Se houver uma fuga (grupo que abre vantagem sobre o pelotão), podemos definir a corrida antes da linha de chegada, se houver um ciclista veloz, ou controlar o ritmo para que o nosso velocista possa acelerar na reta final e vencer a prova. Esta não será uma corrida de apenas um atleta, o grupo de Pinda estará completo e qualquer um pode ganhar. O importante é que o grupo vença – explicou o paulista de Cruzeiro.
-
--_Como passista de Pindamonhangaba, Breno Sidoti tem a função de puxar a equipe, realizar o revezamento (a troca de vácuo entre ciclistas para aumentar o ritmo da competição ou para alcançar o pelotão) e proteger os sprintistas Nilceu Santos e Roberto Pinheiro. Considerado o “embalador oficial” do grupo, o atual campeão da Copa da América surpreendeu os favoritos no ano passado e subiu ao lugar mais alto do pódio da competição, disputada em Interlagos, na capital paulista.
-
>>- No ano passado o circuito não era tão plano, o que favoreceu a minha vitória, já que não sou sprintista. Não vamos controlar as fugas, assim como fizemos na Copa da República. Estamos livres para atacar, assim forçamos as outras equipes a trabalharem também. Se houver uma fuga que não favoreça à nossa equipe, o meu papel é controlar o ritmo dos competidores. A prova no Rio é plana e veloz, por isso, preciso ficar atento para não gastar mais energia que o necessário. Quem fica no pelotão aproveitando o vácuo chega com mais força no fim.
-
:: Reta final: um jogo de xadrez em alta velocidade
--_De acordo com Breno Sidoti, o ideal é fugir do meio do pelotão para evitar quedas e se proteger de fechadas bruscas. Seguir o percurso pelas laterais é o caminho mais seguro, já que você ganha mais espaço para acelerar e frear sem risco de tombos. Veterano nas pistas, ele espera usar a experiência de 16 anos de carreira em prol da equipe do interior paulista.
-
>>- Sou o último homem a lançar os sprintistas. Nos 5 km finais, os velocistas ficam na minha roda (aproveitando o vácuo) e eu vou escoltando eles até os últimos metros da competição. A 500 m do fim, eu acelero e furo o vácuo para que eles tenham um bom posicionamento no sprint. A disputa é muito acirrada, de guidon a guidon. E um erro meu pode ser fatal. Preciso ficar atento para que nenhum adversário fique colado na minha roda – analisou o ciclista de 28 anos.
-
--_A XII Copa América, que valerá pontos para o ranking da União Ciclística Internacional (UCI) na elite masculina, contará com as principais equipes e atletas do país além de equipes de países como Paraguai, Uruguai e Chile. O evento será transmitido pela Rede Globo dentro do Esporte Espetacular.
-
Fonte: Globo Esporte
Link Origem

0 comentários: