.
NOVAS NOTÍCIAS:
Carregando...

TOUR DE FRANCE é a «locomotiva» da modalidade num país sem ídolos

Leblanc, que dirigiu a Volta à França entre 1989 e 2005, disse ainda que a popularidade da prova a nível mundial só é superada pelos Jogos Olímpicos.

--_O antigo diretor da Volta à França, Jean-Marie Leblanc, disse hoje que o “Tour” é como uma "locomotiva" para o ciclismo naquele país, onde não existem, atualmente, grandes referências individuais da modalidade.
--_Intervindo durante o Congresso Internacional de Ciclismo - Pistas para o Futuro, que hoje termina em Anadia, Jean-Marie Leblanc analisou o papel da prova enquanto dinamizadora do ciclismo esportivo e do ciclismo em geral.
-
>> "É como uma locomotiva para o ciclismo", afirmou o francês, de 67 anos, que chegou a disputar a Volta a Portugal nos anos 70, antes de abraçar, durante 12 anos, a carreira de jornalista.
-
--_Leblanc, que dirigiu a Volta à França entre 1989 e 2005, disse ainda que a popularidade da prova a nível mundial só é superada pelos Jogos Olímpicos e Copa do Mundo de Futebol e que, anualmente, o “Tour” é seguido em 180 países.
--_Fez o paralelo do ciclismo com o tenis, lembrando que depois da vitória de Yannick Noah em Roland Garros (1983) o tênis desenvolveu-se em França.
-
>> "Nós não temos, atualmente, grandes campeões [de ciclismo], mas temos o ‘Tour’. Para causar impacto nos mais jovens são precisos ou grandes campeões ou grandes provas", frisou, lembrando que a última vitória de um francês no "Tour" data de 1985, por Bernard Hinault, cinco vezes vencedor da competição.
A esse propósito, considerou, também, que o ciclismo "um desporto difícil, exigente, de trabalho e coragem" tem nos dias de hoje a concorrência, junto dos mais jovens, de outros desportos "eventualmente mais atrativos ou divertidos»", disse.
>> "as com o desenvolvimento das bicicletas, das equipas, de marcas de capacetes e de óculos, o ciclismo já não é visto como um desporto antigo. É um desporto moderno que pode seduzir os jovens", frisou.
Disse ainda que o ciclismo e, particularmente, a Volta a França é um "espetáculo magnífico e gratuito" e uma "festa" que seduz públicos de todas as idades e origens sociais, do agricultor ao topo da classe política.
Jean-Marie Leblanc considerou, também, que, no futuro, o ‘Tour’ enfrenta como principais perigos e desafios o eventual uso de substâncias ilícitas (doping) e o própria estrutura "gigante" da competição.
"Se o ‘Tour’ crescer muito não poderá ir às pequenas vilas. Mas não poderá sobreviver só com grandes cidades, tem de manter uma dimensão que lhe permita atravessar pequenas vilas", frisou.
-
Fonte: SAPO  Desporto

 

0 comentários: