NOVAS NOTÍCIAS:
Carregando...

3ª Etapa do Campeonato Paranaense de Downhill 2016 - Londrina - PR - 13 e 14/07

___No sábado (13) e domingo (14) de agosto, acontece em Londrina a 3ª etapa da Copa Paraná de Downhill. O Downhill é uma modalidade do mountaim bike que consiste em descer o mais rápido possível um determinado percurso com diversas irregularidades ou obstáculos de uma dada montanha.
É um esporte que permite estar em contacto direto com a natureza e gozar da máxima adrenalina que ___uma descida vertiginosa proporciona.
___O evento acontecerá na Pista do Lambari em Londrina no Paraná, localizado no Distrito Espírito Santo.O evento acontecerá na Pista do Lambari em Londrina no Paraná, localizado no Distrito Espírito Santo. A pista mede 1.200 m.
___Caso o atleta interessado em participar seja menor de idade, é necessário que ele venha acompanhado pelos responsáveis e apresente a Carteira de Identidade e o comprovante de residência.

Este guia baseia-se nas normas disciplinares da União Ciclística Internacional – UCI e da Confederação Brasileira de Ciclismo - CBC. ___Só participaram do Campeonato Paranaense de Downhill 2016 e pontuarão no ranking Paranaense, os atletas devidamente filiados na FPC ou outras Federações de qualquer outro Estado de nosso território Nacional.

Informações sobre o evento:
  • Programação dia 13/08/2016 - Sábado
    • Horários
      • 08:00 às 17:00 Retirada do kit de inscrição
      • 10:00 ás 17:00 Treinos livres
  •  Programação dia 14/08/2016 - Domingo
    • Horários
      • 08:00 às 09:30 Treino oficial - Todas as categorias
      • 10:00 às 12:00 “Qualify“
      • 12:00 às 13:00 Pista fechada
      • 13:00 às 15:00 Descida oficial - Todas as categorias
      • 15:00 Pista Fechada
      • 16:00 Premiação e Encerramento
INSCRIÇÕES
  1. As inscrições serão realizadas exclusivamente ON-LINE através do site a qual o link de acesso está na parte superior desta página.
  2. Período: Das 12h do dia 19/07/2016 às 23h 59min do dia 10/08/2016 (quinta-feira).
  3. VALOR: R$ 90,00 (noventa reais).
  4. Nota única: Os atletas/piloto que atenderam todos os quesitos para participar da prova (dados pessoais, pagamentos), até a data acima descrito, terão direito a SEGURO DE VIDA. Serão reabertas no sábado sendo que a quantidade será decidida pela comissão organizadora, porém no valor de R$ 100,00 (cem reais) e sem direito a SEGURO DE VIDA.
  5. Forma de pagamento: depósito IDENTIFICADO bancário/transferência online na seguinte conta 
POUPANÇA:
TITULAR: Giovanna Toyoko Koga da Silva
CNPJ/MF: 029.613.229-28
BANCO DO BRASIL
AGENCIA: 0768-4
CONTA CORRENTE: 8020-9
E. Após o pagamento enviar o comprovante de pagamento para o email: downhilllondrina2016@gmail.com


CATEGORIAS:
  • Feminino: Livre (critério técnico)
  • Estreante: Livre (critério técnico)
  • Juvenil: Nascidos em 2000 e 2001
  • Junior: Nascidos em 1998 e 1999
  • Sub30: Nascidos entre 1987 a 1997
  • MasterA: Nascidos entre 1977 a 1986
  • MasterB: Nascidos entre 1957 a 1976
  • Elite: Critério Técnico

CONSIDERAÇÕES RELEVANTES
A. Os Organizadores poderão suspender o evento por questões de segurança pública, atos públicos, fatores climáticos, vandalismo e/ou motivos de força maior sem que caiba qualquer tipo de indenização sobre os mesmos.
B. Este Guia poderá sofrer alterações até a data de sua publicação impressa antes da prova. Em caso de dúvida, prevalece a edição impressa e disponível na secretaria do evento.
C. Casos omissos serão julgados pelo Comissário da FPC que estará presente.
D. A base do evento será montada na pista Toca do Peixe em Londrina/Pr. A infraestrutura contará com a presença do ambulância, som ambiente, locução da prova, banheiros químicos, camping e praça de alimentação para os atletas e do público presente.

Tour de France 2016: Do Quénia para ser rei em Paris: a história de Chris Froome

___Chris Froome, o "queniano branco", subiu este domingo mais um degrau no Olimpo do ciclismo, ao vencer pela terceira vez a Tour de France, numa 103.ª edição em que, desde início, não teve rival à altura. A história do incontestável vencedor da 102.ª edição da "Grande Boucle" começa a contar-se ainda no Quênia, onde nasceu a 20 de abril de 1985 e onde viveu parte da sua vida.
___O ar rarefeito, a altitude de Nairobi e os campos de treino do seu mentor, David Kinjah, parecem ter ajudado na sua evolução como atleta, embora os seus resultados nessa altura fossem modestos.
___A mudança para a África do Sul, aos 14 anos, apresentou-lhe outros esportes, que o fizeram perceber que o ciclismo de estrada era a sua paixão, um encanto que assumiu ao tornar-se profissional aos 22 anos.
___Debaixo do seu temperamento tranquilo, escondia-se o desejo de correr mais e melhor, de testar os seus limites e as suas qualidades, uma ânsia que o levou a chocar com um comissário no início do Mundial de Contrarelógio sub-23 de 2006.
___A queda naquele que era o seu primeiro grande momento na Europa, a verdadeira terra prometida do ciclismo, revelou as suas falhas técnicas, mas garantiu-lhe uma oportunidade na equipe de desenvolvimento da União Ciclista Internacional (UCI) e um contrato com a equipe sul-africana Konica Minolta.
___Uma vitória na Volta ao Japão, as raízes africanas e uma palavra amiga do sul-africano Robert Hunter valeram-lhe, um ano depois, um contrato com a Barloworld, que tinha o orgulho de reunir várias nacionalidades no seu pelotão particular, incluindo a portuguesa, na pele de Hugo Sabido.
___Embora o salário fosse baixo e a competição exigente, Froome tinha, finalmente, conseguido o seu passaporte para o ciclismo europeu, reforçado com uma licença britânica, concedida pelas origens do seu pai e avós, depois de um aceso processo com a Federação Queniana, e com um lugar nos nove escolhidos para disputar o Tour.
___Na estreia na prova francesa foi 84.º, no Giro do ano seguinte terminou em 36.ª, sendo o sétimo na classificação da juventude. Os resultados impressionaram a Sky, que o contratou em setembro de 2009.
___O seu primeiro ano na equipe britânica foi bastante discreto e incluiu uma desclassificação na Volta a Itália, por ter feito parte da 19.ª etapa agarrado a uma moto. Mas, em 2011, o seu progresso foi evidente: depois de ser top 20 em provas como a Volta à Romenia ou a Volta a Castela e Leão, foi escolhido para ser o gregário de Bradley Wiggins nas montanhas da Vuelta.
___Rapidamente o trabalhador passou a algo mais, quando, no contrarelógio, vestiu a camisa de líder e, nas montanhas, mostrou estar melhor do que o seu chefe de fila, terminando no segundo lugar da prova espanhola, naquele que era então o melhor resultado de um britânico numa grande Volta desde 1985.
___Depois da Vuelta, mereceu novo contrato de três anos com a Sky, que o apoiou no anúncio de que sofria de "bilhárzia", uma doença tropical parasitária que destrói os glóbulos vermelhos, que lhe foi diagnosticada em 2010, mas que não tem cura.
___A doença afetou a primeira parte da temporada de 2012, mas na primavera o britânico de Nairobi estava preparado para escoltar Wiggins no Tour. Na primeira etapa, perdeu tempo numa queda, mas nas montanhas revelou-se superior ao seu chefe de fila, criando uma polêmica que alimentou a imprensa e que envolveu as mulheres dos dois corredores.
___Mais do que as capacidades reais na estrada, prevaleceu a vontade da Sky, que ordenou a Froome que esperasse por Wiggins quando este desfaleceu na 17.ª etapa, escolhendo aquele que viria a ser campeão olímpico em Londres 2012 para vestir a amarela. Desde esse dia, a relação entre os dois não voltou a ser a mesma, com Froome a ambicionar mais do que o segundo lugar de 2012, um resultado que chegaria um ano depois, na 100.ª edição.
___A equipe britânica percebeu que era 'Froomey' o seu futuro e elegeu-o para ser o seu homem Tour.. O ano de 2014 adivinhava-se risonho para o britânico, mas uma queda atirou para fora da corrida e roubou-lhe a hipótese de defender o seu título.
___A tentativa de redenção chegou na Vuelta, no entanto, o adiado duelo com Alberto Contador foi favorável ao espanhol. Pragmático, estabeleceu que 2015 seria de novo o seu ano, o do regresso ao lugar mais alto dos Campos Elísios e nada o abalou.
___Mesmo contra gestos ofensivos do público -- foi atingido por urina, cuspidelas e empurões na subida ao Alpe D'Heuz -- e constantes suspeitas sobre o seu rendimento público, Froome venceu a Volta a França, então com a oposição de Quintana.
___Em 2016, apoiado por uma fortíssima Sky, Froome foi sempre o mais forte do Tour e nem duas quedas, uma das quais acabou por correr montanha acima, enquanto esperava uma bicicleta de substituição, colocaram em causa o seu triunfo.
___Froome vestiu pela terceira vez a camisa amarela nos Campos Elísios e juntou-se a um grupo restritos com três triunfos na "Grand Boucle" e ficou a apenas dois dos recordistas Jacques Anquetil, Eddy Merckx, Bernard Hinault e Miguel Indurain -- algo que não parece impossível, caso mantenha a superioridade que demonstrou este ano.
-
Resultado final do Tour de France 2016

Catarinense Lucas Borba disputa o título brasileiro de downhill no Rio Grande do Sul


___Sapiranga, na região metropolitana de Porto Alegre (RS), receberá neste fim de semana a edição de 2016 do Campeonato Brasileiro de Downhill. Os melhores pilotos do País estarão reunidos no Morro Ferrabraz, tradicional cartão postal do município, e entre eles está o catarinense Lucas Borba (Audax/Shimano), que buscará o título nacional, após a terceira colocação na última temporada.
"Gostei muito da pista aqui no Rio Grande do Sul. Está com uma boa estrutura, percurso longo e possui muitas pedras e raízes no traçado", destaca Luquinha. "O percurso todo terá aproximadamente três minutos e meio de duração. Vai ser uma prova bastante disputada, assim como foi nos últimos anos. Espero subir de degrau no pódio", complementa o atleta que tem sua bike equipada com peças do grupo Shimano Saint para a prática de downhill.
___Em 2015, com apenas 20 anos, Lucas Borba garantiu seu lugar no pódio após fazer o nono melhor tempo no qualificatório. Na decisão, com sua descida em 2min26seg36, Luquinha ficou a três segundos do atual campeão, Bernardo Cruz, e menos de um segundo do vice, Markolf Berchtold.
"A terceira colocação ano passado foi importante para mim, porque no fim da temporada fui o campeão do ranking nacional. Ou seja, obter um bom resultado de novo será importante para a manutenção deste posto", conta.
___Em Sapiranga, Lucas Borba fará sua terceira participação em Brasileiros na elite. Além do terceiro lugar na última edição em Ipatinga (MG), no ano anterior, em Balneário Camboriú (SC), o catarinense de Ibirama teve problemas e completou apenas na 33ª colocação, após ter feito a melhor marca no qualificatório. Nos dois anos em que competiu na júnior, Lucas foi o vice-campeão, no município fluminense de Macaé (2013) e na cidade gaúcha de Bento Gonçalves (2012).
-
Fonte: http://www.jornalfloripa.com.br/noticia.php?id=79630

Tour de France 2016 -19a. Etapa: Chris Froome cai. Romain Bardet ganha e sobe para 2º

___O francês Romain Bardet (AG2R) venceu hoje a atribulada 19.ª etapa do Tour de France, com o britânico Chris Froome (Sky) a manter a camisa amarela, apesar de ter caído.

___Rui Costa atacou a mais de 40 quilômetros do final da etapa, mas foi absorvido já na subida final.
___Numa etapa marcada pelo mau tempo, o camisa amarela Chris Froome caiu na última descida do dia, tal como Vincenzo Nibali e o até agora vice-líder da geral, Bauke Mollema. Ainda que com várias escoreações, o ciclista britânico conseguiu reentrar no grupo dos favoritos, mas acabou por perder alguns segundos para a concorrência, embora tenha terminado a tirada com a liderança reforçada para o segundo classificado do Tour.
___Bardet saltou do grupo de favoritos para ultrapassar o português Rui Costa (Lampre-Merida), que seguia isolado, e ser o primeiro em Saint-Gervais Mont Blanc, no final dos 146 quilômetros desde Albertville, com o tempo de 04h14m09s, 23 segundos à frente dos espanhóis Joaquim Rodríguez (Katusha) e Alejandro Valverde (Movistar).
___Froome, que ficou visivelmente afetado pela queda, perdeu 35 segundos para o francês, que é agora segundo da geral, a 04m11s do ciclista da Sky. Beneficiando da quebra do holandês Bauke Mollema (Trek-Segafredo) e do britânico Adam Yates (Orica-BikeExchange), o colombiano Nairo Quintana (Movistar) subiu à terceira posição, estando a 04m27s da amarela.
-
Veja os Flashs da Etapa!!!

Summary - Stage 19 (Albertville / Saint-Gervais... por tourdefrance_en
-
Stage 19 Results
1  BARDET, Romain (ALM)                 4:14:08
2  RODRIGUEZ OLIVER, Joaquin (KAT)      +    23
3  VALVERDE BELMONTE, Alejandro (MOV)   
4  MEINTJES, Louis (LAM)                
5  QUINTANA ROJAS, Nairo (MOV)          +    26
6  ARU, Fabio (AST)                     +    28
7  MARTIN, Daniel (EQS)                 
8  POELS, Wouter (SKY)                  +    36
9  FROOME, Christopher (SKY)            
10 PORTE, Richie (BMC)                  +    53

General Classification after Stage 19
1  FROOME, Christopher (SKY)            82:10:37
2  BARDET, Romain (ALM)                  +  4:11
3  QUINTANA ROJAS, Nairo (MOV)           +  4:27
4  YATES, Adam (OBE)                     +  4:46
5  PORTE, Richie (BMC)                   +  5:17
6  ARU, Fabio (AST)                      +  6:00
7  VALVERDE BELMONTE, Alejandro (MOV)    +  6:20
8  MEINTJES, Louis (LAM)                 +  7:02
9  MARTIN, Daniel (EQS)                  +  7:10
10 MOLLEMA, Bauke (TFS)                  +  7:42 
- 
Fonte: http://desporto.sapo.pt/ciclismo/artigo/2016/07/22/chris-froome-cai-mas-mantem-a-amarela-na-etapa-ganha-por-romain-bardet

Tour de France 2016: Há 25 anos, o Brasil brilhava no Tour de France


___O dia 14 de julho remonta a um dos eventos mais importantes (se não o mais) da história da França. É a data da Queda da Bastilha, levante popular ocorrido em 1789, que se tornou o símbolo da Revolução Francesa. Mais de 200 anos depois, em 1991, a data tornaria a entrar para a história, só que dessa vez do ciclismo. O palco novamente foi a França, mais precisamente o Tour de France, a maior e mais tradicional competição do ciclismo de estrada mundial. Já o protagonista, apesar do “manto francês”, foi um brasileiro.
___No dia 14 de julho de 1991 ocorreu a disputa da 9ª etapa do 78º Tour de France, num percurso de 168 km entre Alençon e Rennes, no noroeste da França. No pelotão, alguns dos maiores nomes da história do ciclismo e da Grande Volta francesa, como os espanhóis Miguel Indurain (que naquele ano conquistou o primeiro dos seus cinco títulos consecutivos no Tour) e Pedro Delgado (campeão da prova em 1988), os franceses Laurent Fignon (campeão em 1983 e 1984) e Laurent Jalabert (campeão por pontos em 1992 e 1995, e da classificação de montanha em 2001 e 2002), o norte-americano Greg LeMond (campeão em 1986, 1989 e 1990) e o italiano Claudio Chiappucci (pódio na competição em 1990, 1991 e 1992, sendo campeão da classificação de montanha nos dois últimos anos). Era uma etapa plana, que sucedia a disputa do contrarrelógio individual, vencido no dia anterior por Indurain – que ainda lutava pela camisa amarela, naquele momento em posse de LeMond. Assim, já era esperado que a decisão da etapa se daria no sprint final. O que não se previa, contudo, era uma vitória totalmente inédita.

___Na época, o paranaense Mauro Ribeiro corria pela equipe francesa R.M.O. (desde 1986), era gregário do francês Charly Mottet e considerado um especialista em “clássicas” (provas de um dia, como a Paris-Roubaix, a Milan-San Remo, a Liège-Bastogne-Liège…). Sendo assim, era uma etapa favorável à sua especialidade. Faltando 40 km para a meta, Mauro se meteu numa fuga com outros 15 ciclistas e seguiu no grupo escapado até Rennes. Nesse grupo estava ninguém menos que Laurent Jalabert, disparado o favorito para vencer aquela etapa. Mas no sprint final, no entanto, o brasileiro surpreendeu a todos e atacou faltando 800 m para a meta. O francês bem que tentou contra-atacar, mas era tarde demais para tirar a vitória de Mauro Ribeiro.

___O triunfo do brasileiro sobre Jalabert se deu em pleno aniversário da Queda da Bastilha, quando os anfitriões esperavam comemorar a vitória de um compatriota. Mas nem por isso os franceses deixaram de fazer festa. Afinal, também era a vitória de uma equipe francesa, e o fato de ser a primeira conquista de um brasileiro no Tour contagiou a todos. Mauro foi parabenizado pessoalmente por alguns campeões como LeMond e Fignon, e seu feito foi noticiado e exaltado por toda a imprensa francesa na época – bem mais que na mídia brasileira, diga-se de passagem.
___Ainda naquela edição, ele viria a conquistar a terceira colocação na 15ª etapa, terminando o Tour de France em 47º na classificação geral – dentre 158 ciclistas concluintes. Além de se tornar o único brasileiro a vencer uma etapa da Grande Volta francesa, ainda foi o primeiro a conseguir conclui-la. E seu resultado na classificação geral também permanece como o melhor já obtido por um brasileiro na prova.
-
Fonte: https://www.ativo.com/bike/ciclismo/ha-25-anos-o-brasil-brilhava-no-tour-de-france/

Brasileira Flávia Oliveira é vice-campeã do Tour da Polônia

___A ciclista Flávia Oliveira conquistou neste dia 20 de julho, o segundo posto no Tour da Polônia, competição por etapas válida pelo ranking mundial que reuniu grandes nomes do ciclismo profissional feminino.
___O Tour contou com três etapas disputadas em dois dias (19 e 20), sendo duas provas de resistência e um contrarrelógio individual. Flávia finalizou a primeira etapa na segunda colocação e venceu o contrarrelógio realizada na manhã desta quarta. No período da tarde a brasileira voltou a ser segunda na etapa e finalizou a competição na segunda colocação geral.
___A vitória geral ficou com Jolanda Neff, que estava defendendo a seleção suíça, enquanto Tetiana Riabchenko, da seleção ucraniana terminou no terceiro posto.
___Na reta final de preparação para a Rio 2016, Flávia acredita que a sua evolução segue no caminho certo e ficou muito satisfeita com o resultado. “O tour da Polônia foi uma competição de alto nível, com muitas equipes se preparando para as olimpíadas e terminar no pódio entre grandes nomes do ciclismo é motivador. O resultado é a confirmação que estamos no caminho certo”, destacou Flávia.
-
Fonte: http://cidadeverde.com/eourobrasil/2016/07/21/brasileira-flavia-oliveira-e-vice-campea-do-tour-da-polonia/

Melhores ciclistas de MTB do País estarão reunidos em prova inédita da Brasil Ride em Santa Catarina

___Um esquenta de alto nível para a principal ultramaratona de MTB das Américas, a Brasil Ride. É isso que os melhores ciclistas de mountain bike do Brasil encontrarão nos dias 6 e 7 de agosto no Warm Up Santa Catarina. Inédita em sete anos de história da Brasil Ride, a prova terá abertura no sábado (6) em Florianópolis, no Resort Costão do Santinho (patrocinador principal do evento), para a categoria pro, que compete outra vez no domingo (7), em São Pedro de Alcântara, junto com os atletas da sport. Nomes de destaque do ciclismo, como Ricardo Pscheidt, Lukas Kaufmann, Hugo Prado Neto, Viviane Favery e Ana Luisa Panini, já estão confirmados na disputa.
___Se para os inscritos na sport o desafio será menos complicado, com 60 km e altimetria acumulada de 2.098 metros, os ciclistas da pró terão pela frente 124 km, 16 no sábado e 108 no domingo, dia com uma ascensão histórica de 3.719 metros. Participante habitual da ultramaratona na Bahia e do Festival Brasil Ride Botucatu, vencido por ele em 2014, o catarinense Ricardo Pscheidt avalia o percurso e convoca os ciclistas de todo o País para participarem do Warm UP Santa Catarina.
“A Brasil Ride, com suas diversas disputas durante a temporada, transformou-se em um ícone quando se fala em provas duras, com distâncias e altimetrias desafiadoras. Creio que, até o momento, essa será a etapa de maior ascensão acumulada de todos os tempos, o que com certeza fará o Warm Up Santa Catarina entrar para a história”, destaca Pscheidt. “Aproveito para convidar todos os praticantes do esporte que sempre tiveram vontade de largar na Brasil Ride para virem à etapa catarinense. Não será o mesmo terreno e clima da Bahia, mas o desafio e a satisfação de superar-se são garantidos para quem participar do evento”, completa.
___Se Pscheidt terá vantagem de estar pedalando em casa, o mineiro Hugo Prado Neto, duas vezes campeão do Festival (2013 e 2015), tem na região metropolitana de Belo Horizonte um ótimo cenário para seus treinos.
 “Temos uma diversidade enorme de terrenos e muitas montanhas com diferentes níveis de dificuldade onde moro, em Nova Lima. Meus treinos têm sido visando a Brasil Ride, na Bahia, em outubro. Como o Warm Up será duas semanas antes do Campeonato Brasileiro de Maratona, terei uma ótima oportunidade de testar as pernas”, avalia Hugo. “Como sempre, competirei com o intuito de ser o campeão. Pela quilometragem e altimetria, utilizarei toda minha experiência, com uma estratégia correta e muita força mental, para fazer a diferença a meu favor”, complementa.
___Disputa feminina também tem alto nível – Na pro feminina a promessa também é de fortes emoções. Enquanto Ana Luisa Panini tem a seu favor o fato de estar “jogando em casa”, a atual campeã brasileira e da Brasil Ride, Viviane Favery conta com um currículo vasto de provas nos EUA e Europa nos últimos dois anos.
“A altimetria de quase 4.000 metros exigirá muito do atleta, principalmente preparo físico. Se para a maioria é um excelente treino para os sete dias da ultramaratona, em outubro, também será fundamental na minha busca pelo bicampeonato brasileiro de maratona, duas semanas depois”, destaca Vivi.
___Se na Bahia o calor é um dos adversários dos atletas, em Santa Catarina o frio pode ser o fator diferencial. “Acredito que, se não fizer um frio fora do comum, com menos de 5 graus, por exemplo, será bom para todos e quem é de fora da região Sul não estará em desvantagem. O desgaste é menor e a recuperação mais fácil. A chuva também pode prejudicar, mas tive um período esse ano na Europa treinando e esse tipo de condição era comum lá. Eu me sinto preparada para as adversidades”, conta Vivi.
“O Warm Up SC exigirá ainda uma super preparação, conhecimento do equipamento e saber o que levar de alimentação e hidratação. É um teste duro. Quem vai competir nessa prova pela primeira vez pode ter certeza que não será nada fácil”.
___Catarinense de Indaial, Ana Luisa comemora a chegada da Brasil Ride ao seu estado. “Muito legal saber que teremos em Santa Catarina um evento deste porte. Será uma grande oportunidade para quem gosta de desafios, diferente de qualquer prova já realizada em nosso estado. O Warm Up da Brasil Ride promete ser a mais dura de todas até hoje aqui”, conta. “A maior dificuldade para os ciclistas serão as serras, principalmente da metade para o final. Tem que ser muito resistente e guardar energia para as subidas. O psicológico e saber administrar a força são fatores importantíssimos, porque chegamos muito próximo dos nossos limites em competições assim”, conclui.
-
Inscrições disponíveis
 ___Os interessados em participar da inédita competição em Santa Catarina podem garantir sua presença no site oficial, pelo endereço: http://www.romasportsmkt.com.br/brasilride/sc/default.asp?id=prova. Na sport o valor é único e varia de acordo com os lotes. Já a pró conta com diferentes pacotes, entre eles: Pró Completo, Pró Completo + Unidas, Pró Local e Pró Finisher. Todos os valores estão detalhados no site na área de inscrição.

Mais informações: Site: http://www.romasportsmkt.com.br/brasilride/sc/default.asp?
Facebook: www.facebook.com/BRASILRIDE
Twitter: @brasil_ride
Instagram: @brasilride
-
Fonte: http://jornaldiadia.com.br/2016/?p=175654

Tour de France 2016: Troféus do Tour criados pela Skoda

___A edição deste ano da Volta à França é a 13ª consecutiva em que a Skoda é patrocinadora oficial da mais célebre prova do ciclismo mundial. Com uma nuance: em 2016, também a concepção dos troféus que serão entregues aos vencedores do Tour, no próximo Domingo, nos Campos Elísios, em Paris, ficou a cargo da marca checa.
___São quatro os destinatários da nova escultura: o vencedor à geral (a famosa camisa amarela), o sprinter vencedor da classificação por pontos (camisa verde), o melhor ciclista jovem (menos de 26 anos, camisa branca) e o líder da montanha (a não menos célebre camisa com bolas).


___A tarefa de criação dos troféus foi entregue a um grupo de designers do construtor sediado em Mladá Boleslav, enquanto a produção ficou a cargo da prestigiada Lasvit. O resultado final é já considerado uma obra-prima da arte checa de trabalhar o vidro. Construídos em cristal, os troféus têm 60 centímetros de altura e pesam cada um 4 kg, prestando homenagem às origens da empresa, que começou por construir bicicletas, já lá vão 121 anos. Já a inspiração dos artistas foi, justamente, a forma de uma roda de bicicleta.

-
Fonte:  http://observador.pt/2016/07/21/trofeus-da-volta-a-franca-criados-pela-skoda/

Tour de France 2016: Transmissão AO VIVO - 18a Etapa - CRONO ESCALADA


___Bom dia Amigos Ciclistas,
___Já estamos no ar AO VIVO, com a 18a etapa do Tour de France 2016
___Percurso entre  Sallanches a Megève - 17 km de distância. Crono - Escalada
___ Acessem www.mazobikers.com.br

Tour de France 2016: "É preciso que aconteça algo verdadeiramente grave para eu perder"

___O ciclista britânico Chris Froome (Sky) assumiu hoje que tem a vitória na Volta a França praticamente assegurada, admitindo que está melhor este ano do que no ano passado.
“Estou bastante satisfeito com o meu desempenho na etapa. O estado de forma é sempre uma incógnita após um dia de descanso, mas eu senti-me realmente bem e fui perfeitamente secundado pelos meus colegas. Queria manter-me junto aos melhores, para poder observá-los, não tinha previsto atacar. Vi uma oportunidade de ganhar segundos aos meus rivais e aproveitei-a. Agora, estou confortável na liderança”, analisou o camisa amarela.
___Chris Froome acredita que ainda muito poderá acontecer, especialmente na cronoescalada de amanhã (quinta-feira), um exercício que, na sua opinião, vai aumentar as diferenças entre os primeiros na geral e 'incendiar' a luta pelo ‘top 5’ e pelos lugares do pódio.
“Quanto a mim, é preciso que aconteça algo verdadeiramente grave para eu perder este Tour”, admitiu o ciclista britânico, que garante estar melhor nesta terceira semana do que aconteceu no ano passado.
___Apesar de ter perdido oito segundos para o seu compatriota, o jovem Adam Yates (Orica-BikeExchange) congratulou-se por ter sido o menos penalizado pelo distanciamento de Froome, que, ao responder a um ataque do australiano Richie Porte (BMC), ganhou tempo a toda a concorrência.
“Foi um bom dia. Esta era uma das etapas difíceis e terminei-a segurando o meu lugar no pódio. Vi o Richie atacar e logo a seguir o Froome e percebi que eles estavam mais fortes do que eu e que eu não tinha meios para contrariá-los”, disse o terceiro classificado da geral e líder da classificação da juventude.
___Já Nairo Quintana, que é quarto na geral, a 3m27s do homem que o derrotou nas edições de 2013 e 2015, assumiu implicitamente que está fora da corrida pela vitória na geral do Tour.
___Questionado pelos jornalistas à chegada da 17.ª etapa sobre se o ‘sueño amarillo’ [slogan da Movistar para o assalto do seu líder ao Tour] tinha acabado, o colombiano respondeu que ainda tem muitos anos pela frente.
“Tenho 26 anos e tenho gente à minha frente com muito mais experiência. Ainda me sobram muitos anos para lutar pelo ‘sueño amarillo’”, argumentou, indicando que, na parte final da ascensão a Finhaut-Emosson, não se sentiu bem.
___Ainda assim, Quintana está confiante que poderá recuperar nos próximos dias: “Encontro-me bem, foi só um dia mau.”
___Mais claro do que o seu companheiro de equipe foi Alejandro Valverde. O espanhol, que atacou para eliminar a escolta de Froome, deu a amarela como perdida.
“Hoje, as pessoas não podem criticar-nos por não termos tentado. É certo que ganhar vai ser muito complicado, por isso teremos de lutar pelo pódio. Tentei acelerar a corrida para deixar a Sky com o menor número de homens possível. Assim, caso o Nairo atacasse, tinha de ser o Froome a responder. Mas estão muito fortes e há que aceitá-lo”, concluiu.
-
Fonte:  http://desporto.sapo.pt/ciclismo/artigo/2016/07/20/e-preciso-que-aconteca-algo-verdadeiramente-grave-para-eu-perder

Tour de France 2016: Froome continua a dominar o Tour. Quintana desilude

___Chris Froome (Sky) deixou os principais rivais para trás, na subida aos Alpes, e poderá ter sentenciado a vitória no Tour 2016. Nairo Quintana (Movistar) foi o grande derrotado do dia, depois de ceder aos ataques de Froome e de perder tempo para quase todos os rivais. Apenas Richie Porte (BMC) conseguiu acompanhar o ataque do britânico e mostrou que é o único a conseguir ombrear com o camisa amarela.
___Froome e Porte chegaram a oito minutos de Ilnur Zakarin (Katusha), que venceu a etapa, depois de estar integrado na fuga do dia. Foi a primeira vitória de Zakarin na Volta a França, tornando-se o sexto russo a vencer na prova francesa. Jarlinson Pantano (IAM) chegou no segundo lugar, com Rafal Majka (Tinkoff) a fechar o pódio.
___Na classificação geral, não houve mudanças significativas. Bauke Mollema (Trek), apesar de ter "descolado" do grupo dos favoritos, mantém o segundo lugar, a 2m27s de Froome. Adam Yates (Orica) aproximou-se de Mollema e é terceiro, a 2m53s do camisa amarela. Nairo Quintana parece ter desistido da luta pela vitória e já é quarto, a 3m27s (até o pódio parece estar complicado para o colombiano).
"Não é uma surpresa", disse Zakarin, o vencedor do dia. "Dei o meu melhor e estou muito contente, neste momento. Este resultado não é uma surpresa para mim, eu já tinha tentado na primeira semana", assumiu o russo, que agradeceu aos seus colegas na Katusha: "Obrigado aos meus companheiros, que foram magníficos"
___O líder da classificação geral falou, após a etapa, e disse que não foi um dia fácil
 "Estou feliz. Foi uma etapa difícil, após o dia de descanso", reconheceu Froome, antes de dar uma "bicada" a Quintana: "Ele tentou uma vez, mas talvez não tenha pernas como no ano passado".
___A etapa 17 da Volta a França prometia ser o “agora ou nunca” para quem quisesse “roubar” a vitória final a Chris Froome. Depois de um dia de descanso, a penúltima chegada em alto do Tour trouxe duas contagens de montanha nos últimos 30 quilômetros. Algumas publicações especializadas em ciclismo classificaram o final da etapa 17 como “brutal”, “mortífero” e “sanguinário”. Passe o exagero dos adjectivos, a realidade é que a subida final, uma contagem de categoria especial, apresentou uma inclinação média de 8,4% e chegou a ter zonas com 15%, isto depois de os ciclistas passarem por uma contagem de primeira categoria com 13 quilômetros a 8% de inclinação. Um dado interessante dava esperança aos adversários de Chris Froome: Em 2014, no Critérium du Dauphiné, o britânico perdeu a amarela para Contador, precisamente na subida a Finhaut-Emosson. Estava dado o bote. Já o colombiano Nairo Quintana, no Dia Nacional do seu país (festeja-se o Grito da Independência da Colômbia), pretendia dar uma alegria aos seus conterrâneos, certamente atentos ao desempenho do escalador na subida aos Alpes. Antes da etapa, José Luís Arrieta, diretor esportivo da Movistar, não enjeitou a hipótese de Quintana e Valverde atacarem nas subidas de hoje. “Claro que vamos atacar. Temos de o fazer, ou o Tour estará perdido”, garantiu Arrieta.
___Depois do abandono de Cavendish e Rohan Dennis, 181 ciclistas saíram de Berna, capital da Suíça, com destino a Finhaut-Emosson, nos Alpes, perto da fronteira com a França. O início da etapa foi marcado por algumas tentativas de fuga, sempre anuladas. Apenas ao quilômetro 75 conseguiu juntar-se um grupo de 11 elementos na frente da corrida (com elementos como Sagan, Pantano, Majka ou Zakarin), um grupo intermédio (com Rui Costa, Alaphilippe ou Van Avermaet) e, já a quase três minutos do primeiro grupo, seguia o pelotão. Rafal Majka, vestido às “bolinhas” – distinção para o líder da classificação da montanha –, passou em primeiro nas duas contagens de terceira categoria que marcaram o início da etapa. Crescia a vantagem da fuga e, no Col des Mosses, a cerca de 80 quilômetros do final, a vantagem dos fugitivos já era de 11 minutos.
___A 30 quilômetros da meta, momento em que os fugitivos iniciaram a penúltima subida do dia (já depois de Sagan, sem surpresa, ter arrebatado os 20 pontos do sprint intermédio), o grupo da frente era composto por 14 elementos, seguido de um grupo de três ciclistas, a cerca de quatro minutos, e do pelotão, a quase 13 minutos. Nesta fase da etapa, o pelotão da Volta a França estava mais de 20 minutos adiantado relativamente à previsão da organização, graças ao vento pelas costas que “dava um empurrão” aos ciclistas. Também na última subida estava previsto o surgimento de vento traseiro.
-
Fonte: https://www.publico.pt/desporto/noticia/froome-cimentou-a-lideranca-no-dia-de-zakarin-quintana-desiludiu-1738898

Tour de France 2016 - 17a. Etapa: Zakarin supera percurso difícil e vence 17ª etapa

___O russo Ilnur Zakarin se sagrou vencedor da 17ª etapa do Tour nesta quarta-feira. O ciclista da equipe Katusha levou a melhor no difícil percurso entre Berne e Finhaut-Emosson, de 184,5km, 55s à frente do segundo colocado, o colombiano Jarlinson Pantano. Rafal Majka, da Polônia, terminou em terceiro.
___A primeira etapa das quatro que serão realizadas nos alpes suíços foi marcada pelas surpresas. Nenhum dos primeiros colocados aparecem no topo da classificação geral e, apesar de não conseguir fazer frente aos seus concorrentes, Chris Froome se manteve na liderança e continuará como detentor da camisa amarela.
___Froome acabou na 11ª colocação e mais uma vez conseguiu garantir uma boa vantagem para seus principais adversários na corrida pelo título. Já Bauke Mollema, que está na cola do atual líder da Volta da França, foi o 18º ciclista a cruzar a linha de chegada.
___Nesta quinta-feira os atletas voltam para as pistas em mais um difícil trajeto marcado por grandes subidas em meio aos alpes da Suíça, país vizinho à França. Tendo de percorrer apenas 17km, a explosão dos atletas em um curto período de tempo poderá fazer a diferença, já que o vencedor da 18ª etapa será quem terminar o percurso mais rápido.
-

Stage Results
1: Ilnur Zakarin (RUS/Katusha) – 4h36min33s
2: Jarlinson Pantano (COL/IAM Cycling) – 55s
3: Rafal Majka (POL/Tinkoff) – 1min26s
4: Kristijan Durasek (CRO/Lampre-Merida) – 1min32s
5: Brice Feillu (FRA/Fortuneo) – 2min33s
6: Thomas Voecker (FRA/Direct Energie) – 2min46s
7: Domenico Pozzovivo (ITA/AG2R La Mondiale) – 2min50s
8: Stef Clement (HOL/IAM Cycling) – 2min57s
9: Steve Morabito (SUI/FDJ) – 4min38s
10: Richie Port (AUS/BMC Racing) – 7min59s

Pensando na Olimpíada, Cavendish abandona Volta da França após vencer 4 etapas

 ___No segundo dia de descanso da principal volta ciclista do planeta, Cavendish decidiu que não vale a pena voltar para a competição, que terá sua 17.ª etapa na quarta. Até o fim da Volta da França, no domingo, o pelotão praticamente só vai pedalar nos Alpes, cenário nada recomendável para um ciclista com as características de Cavendish.
___O britânico é um sprinter - ciclista especializado em provas velozes - e estará nos Jogos Olímpicos do Rio para competir no ciclismo de pista. Segundo da história com mais etapas vencidas na Volta da França(30), ele preferiu descansar o corpo para tentar o ouro olímpico no Madison, junto com Bradley Wiggins.
___Cavendish venceu três vezes o Campeonato Mundial de Ciclismo de Pista na prova de Madison, a última delas este ano, em Londres. Na estrada, foi campeão mundial em 2011.
___Enquanto alguns atletas de menor expressão optam por não participar dos Jogos Olímpicos do Rio, grandes nomes do esporte se sacrificam para estar na capital fluminense em agosto. Nesta terça-feira, o britânico Mark Cavendish anunciou que está abandonando a Volta da França para poder se preparar melhor para os Jogos. Apesar de ter vencido quatro etapas até agora, ele fez uma competição muito inconstante e é apenas o 155.º colocado.
-
Fonte: http://www.dgabc.com.br/Noticia/1993620/pensando-na-olimpiada-cavendish-abandona-volta-da-franca-apos-vencer-4-etapas

Tour de France 2016: Transmissão AO VIVO - 17a. Etapa - Alta Montanha


___Bom dia Amigos Ciclistas,
___Já estamos no ar AO VIVO, com a 17a etapa do Tour de France 2016
___Percurso entre Berne e Finhaut-Emosson 184.5 KM de distância, com a chegada em alta montanha - catergoria especial.
___Para assistir acessem www.mazobikers.com.br

Tour de France 2016: 8 mil calorias e 10 litros de água por dia: a dieta de um atleta durante o Tour

___Disputada ao longo de 21 dias e com apenas três dias de descanso, o Tour de France é uma competição que exige o máximo de todos seus competidores em todos os aspectos. Mas sem dúvidas o físico é aquele que vai além. Afinal, são milhares de quilômetros pedalados no mais alto nível. E como para toda grande competição há uma grande preparação, na maior competição de ciclismo do planeta não poderia ser diferente.
___Conforme o nível do ciclismo, das bicicletas e dos atletas subiu, a ciência por trás do alto rendimento dos atletas também deu passos adiante. E o maior exemplo disso é a alimentação. Para se ter uma ideia, equipe americana Cannondale-Drapac destinou um nutricionista e dois chefs em tempo integral para preparar e cuidar de toda a alimentação de seus ciclistas.
___Durante um dia de competição - antes, durante e após a prova - os competidores, mediante a todo o esforço, chegam a ingerir até oito mil calorias e dez litros de água por dia para reporem todos os nutrientes e substâncias que perderam ao longo do dia com o esforço físico das pedaladas.
___Mas o momento mais importante para os atletas se manterem em forma é na janela de uma hora após o término da prova, quando estão mais desgastados e devem repor os nutrientes perdidos o mais rapidamente possível. Para isso, ingerem uma bebida rica em proteínas e um prato com os inúmeros nutrientes.
"Muitos ciclistas subestimam a necessidade de proteína. No Tour de France, o piloto precisa de duas gramas de proteína para cada quilo de peso corporal. Eles devem ter proteínas de qualidade com cada refeição para que seu consumo esteja espalhado por todo o dia", disse Mitchell, nutricionista da Cannondale-Drapac à revista CyclingWeekly.
___E tudo começa antes, lá nos bastidores. Os nutricionistas de cada equipe preparam cuidadosa e minuciosamente o que cada um irá comer e tomar. Imediatamente após o fim, os atletas recebem uma garrafa de um litro de água que começam a ingerir. Junto com a água, dois tipos de sucos: abacaxi e cereja.
___O suco de abacaxi é utilizado principalmente por suas propriedades anti-inflamatórias que ajudam na recuperação do ciclista e na prevenção de alguma gripe ou doença que possa afetar seu desempenho físico. O suco de cereja, rico em potássio e anti-oxidantes, também ajuda na reidratação e serve como combustível para acelerar a recuperação.
___E há o complemento para aqueles que ainda não conseguiram se hidratar com a água e os sucos. Um litro extra de água com eletrólitos, que dão gosto e um pouco de sal é dado para aqueles a reidratação definitiva. Após a primeira parte da hidratação vem a segunda, com proteínas.
___Junto com mais um litro de água, saquinhos de 20 gramas de proteína da mais alta qualidade, uma mistura perfeita para a recuperação e a reidratação. As bebidas, tanto as com suco quanto as de proteína, são ingeridas em sequência ou simultaneamente.
___Após as bebidas, vem a parte da alimentação. Como as provas acabam por volta das 17h30 (horário local) e os atletas fazem a maior refeição por volta das 21h no hotel, é de fundamental importância que eles comam algo durante esse intervalo de tempo.
___Preferencialmente, pedaços de frango são cortados, mas podem ser pedaços de coelho ou atum em cubos junto com um caldo que ajude a dar mais sabor ao alimento. O foco nessa parte é na proteína magra de alta qualidade, mas que também venha acompanhada de qualidade.
___Junto dessa mistura, acrescenta-se um risoto de alta qualidade com quinoa, para dar mais sabor e qualidade ao preparado. A quinoa, rica em proteínas e boas gorduras, que complementa o mix de nutrientes que sustenta os atletas. Arroz, pimenta e alho dão um toque final para ficar no ponto.
"A refeição pós-prova é realmente importante. Temos arroz cozido para os atletas. Usamos na forma de bolos de arroz durante as corridas. Arroz é importante - contém carboidratos facilmente digeridos, alguma proteína e muita água, o que contribui com a hidratação", completou Mitchell.
___Essa refeição é servida para os ciclistas no carro ou ônibus da equipe a caminho do hotel onde os atletas se hospedam em cada etapa. Tudo preparatório para a refeição mais importante, que será feita na parte da noite no hotel.
___Tudo isso é uma rotina que se repete a cada dia de competição. Em momentos em que ciência e esporte estão cada vez mais entrelaçados para a busca de melhores resultados, a riqueza e a complexidade dos detalhes na preparação para se ganhar uma competição como o Tour de France são cada dia maiores.
-
Fonte: http://espn.uol.com.br/noticia/614412_8-mil-calorias-e-10-litros-de-agua-por-dia-a-dieta-de-um-atleta-durante-o-tour-de-france

Tim Weelens (LOTTO) vence Volta à Polonia

___A última etapa da Volta a Polónia em bicicleta, um contrarrelógio de 25 quilômetros em Cracóvia, não trouxe alterações importantes na classificação geral, com o belga Tim Weelens, da Lotto, a confirmar-se como o vencedor final.
___Weelens conquistou a liderança da prova na difícil etapa de sábado, beneficiando depois da anulação da etapa de domingo, que se esperava difícil, mas acabou por ser cancelada por causa do mau tempo.
___No 'crono', ganho pelo inglês da Movistar Alex Dowsett, o ciclista da Lotto foi 13º, gerindo a confortável vantagem que tinha, o segundo melhor da geral final é o italiano Fabio Felline, da Trek, a 24m42s.
-
Stage 7 Results
1  DOWSETT, Alex (MOV)                            28:59
2  CASTROVIEJO NICOLAS, Jonathan (MOV)            +   22
3  ROGLIC, Primož (TLJ)                           +   39
4  HERMANS, Ben (BMC)                             +   41
5  CAMPENAERTS, Victor (TLJ)                      +   48
6  FELLINE, Fabio (TFS)                           +   49
7  TUFT, Svein (OBE)                              + 1:11
8  BETTIOL Alberto (CDT)                          + 1:13
9  BENNATI, Daniele (TNK)                         + 1:19
10 DE LA PARTE, Víctor (CCC)                      + 1:21
-
Final General Classification
1  WELLENS, Tim (LTS)                                 23:47:23
2  FELLINE, Fabio (TFS)                                +  4:22
3  BETTIOL Alberto (CDT)                               +  4:54
4  FORMOLO Davide (CDT)                                +  5:07
5  BENOOT, Tiesj (LTS)                                 +  5:22
6  FERNANDEZ, Ruben (MOV)                              +  5:45
7  WARBASSE, Lawrence (IAM)                            +  5:47
8  ZEITS, Andrey (AST)                                 +  6:08
9  CATALDO, Dario (AST)                                +  6:20
10 VILLELLA Davide (CDT)                               +  8:01 

Pedalar na velhice reduz risco de diabetes

___De acordo com um estudo da Universidade do Sul da Dinamarca, usar a bicicleta como lazer ou meio de transporte durante a fase adulta ou terceira idade ajuda a reduzir o risco de desenvolver diabetes tipo 2, uma doença crônica que afeta principalmente pessoas acima do peso, sedentárias e com maus hábitos alimentares. Segundo os pesquisadores, uma série de estudos anteriores já haviam investigado a relação do transporte ativo – que combina transporte público, ciclismo e caminhadas – com a doença, porém muito poucos se preocuparam em estudar especificamente os efeitos da bicicleta nesse processo.
___Publicada na PLOS Medicine, a pesquisa durou cinco anos, e foi feita 27.890 mulheres e 24.623 homens dinamarqueses, com idades entre 50 e 65 anos, sem diabetes ou qualquer outra doença crônica. O estudo constatou que aqueles que aderiram ao hábito de pedalar habitualmente, mesmo que em idade avançada, tiveram um risco 20% menor de vir a ter diabetes tipo 2 em comparação com aqueles que continuaram sem pedalar.
___A conclusão dos pesquisadores foi de que é preciso incentivar os adultos de meia idade e idosos a utilizarem mais a bike, seja para lazer ou para se locomover. Se forem encorajados a pedalar com mais frequência, haverá um efeito significativo na saúde pública, principalmente nos países em que já se observa um crescente aumento da população idosa.
-
Fonte: https://prologo.ativo.com/saude/pedalar-na-velhice-reduz-risco-de-diabetes/

Ciclistas Shimano conquistam títulos em quatro categorias do Campeonato Brasileiro de MTB

___O fim de semana foi de comemoração para os ciclistas do Shimano Sports Team. Quatro atletas conquistaram os títulos em suas categorias: Raiza Goulão (Specialized Racing BR) na elite, Karen Olimpio (Isapa/Oggi/Shimano) na sub-23, Mario Couto (LM/Sense de MTB) na júnior e Bruna Elias (Specialized Racing BR) na juvenil. Outros três se destacaram com um lugar no pódio. Enquanto Isabella Lacerda (LM/Sense de MTB) e Luiz Renato Borges (Isapa/Oggi/Shimano) foram vice-campeões elite e júnior, respectivamente, Sherman Trezza (Caloi Elite Team) foi o terceiro colocado na elite.
___Na elite feminina, Raiza Goulão liderou do começo ao fim e cruzou a linha de chegada em 1h26min09. Isabella Lacerda concluiu a prova em 1h31min49 e Letícia Soares ficou com o bronze, em 1h34min52. "Larguei com a responsabilidade de defender o título por ser a atual campeã. Assim, busquei desde o início imprimir um ritmo forte e, aos poucos, fui abrindo vantagem para conquistar o bicampeonato com pouco mais de cinco minutos na frente da vice-campeã", destacou Raiza.
"Chegar à Rio 2016 com a camisa de campeã nacional vai me motivar ainda mais na busca por um excelente resultado para meu País. Vou lutar muito para representar o Brasil da melhor forma possível na Olimpíada", completou Raiza, que antes de fazer sua estreia, dia 20 de agosto, nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, disputa ainda a etapa do Canadá da Copa do Mundo, dia 7 do mesmo mês, em Mont Sainte-Anne.
___Principal concorrente de Raiza na briga pelo título brasileiro em Juiz de Fora, Isabella Lacerda avaliou o vice-campeonato brasileiro. "Estou, realmente, muito feliz com o resultado. Voltar a me sentir bem chegou a ser, em certo ponto da temporada, algo que eu pensei que não conseguiria mais. Fiz tudo que eu pude dentro da pista, dei o meu máximo e lutei até o final para estar no pódio em mais um ano e deu certo", contou Isabella, campeã brasileira em 2014.
___No masculino, o melhor resultado entre os atletas Shimano foi obtido por Sherman Trezza, que completou em 1h28min50. Sherman ficou 20 segundos atrás do vice-campeão, Rubinho Valeriano, e 1min21 do bicampeão brasileiro, Henrique Avancini. "Na minha avaliação, o resultado foi positivo. Consegui ir bem na prova e impus um bom ritmo o tempo todo. Na última volta, eu estava exausto e perdi a disputa pelo vice, mas estou feliz porque fiz meu melhor. Tive dois meses de treino para o Brasileiro, após a segunda etapa da CIMTB, trabalhei muito e estou satisfeito com meu desempenho", avaliou Trezza.
___Outros seis atletas Shimano completaram as disputas na elite. Entre os homens, Luiz Cocuzzi (Lar/Scott/Shimano) e Daniel Grossi (Groove/Shimano) se destacaram terminando na quarta e quinta colocações, respectivamente. Guilherme Muller (LM/Sense de MTB) foi o sétimo, Ricardo Pscheidt (Trek/Shimano) o oitavo e Wolfgang Soares (Caloi Elite Team) concluiu em 13º. Já no feminino, Sofia Subtil (Audax/Shimano) fez sua estreia na principal categoria do Campeonato Brasileiro e terminou em quarto lugar.
___Categorias de base - As vitórias de Karen Olimpio, Mario Couto e Bruna Elias mostram o comprometimento da Shimano em ajudar no desenvolvimento do esporte, desde as categorias mais jovens. Em comum entre os três, a alegria pelo resultado obtido. "Estou muito feliz com o resultado, mesmo não chegando na minha melhor forma. Uma semana antes descobri uma tensão na panturrilha esquerda, que estava causando muita dor, diminuindo assim a carga de treinos específicos. A dor foi comigo para a prova, não larguei muito bem, mas logo recuperei algumas posições e tomei a liderança até o final", contou Karen.
___E também a satisfação por terem uma estrutura de nível para a prática do esporte. "A prova foi incrível para mim. Sem cometer nenhum erro. Logo no início abri uma diferença considerável e fui administrando até o fim", relatou Mario. "Este é meu primeiro ano em uma equipe de alto nível, que tem uma das melhores estruturas do Brasil. Pedalar com os melhores equipamentos do ciclismo mundial e ainda ser campeão nacional, não tem preço", completou. "Estou muito feliz por vencer o meu terceiro título nacional. Nessa temporada estou em uma nova equipe, que está me dando todo o apoio necessário para continuar crescendo a cada dia", enalteceu Bruna, de apenas 16 anos
___A marca japonesa ainda foi representada por mais quatro atletas, na sub-23 e na júnior. Na sub-23 masculina, Érick Bruske (Specialized Racing BR) completou em sétimo, Kennedi Lago (Isapa/Oggi/Shimano) foi 12º colocado e José Gabriel Marques (Audax/Shimano), o 13º. Na júnior masculina, Lucas Sírio (Specialized Racing BR) concluiu em sétimo lugar.
___Sobre a Shimano - Empresa líder de mercado em componentes e acessórios para bicicleta e pesca, a Shimano foi criada em 1921 e possui sede em Sakai, no Japão. O escritório da Shimano Latin America (SLA) foi fundado em 2007.
___A empresa estará no Rio de Janeiro durante o mês de agosto apresentando o Lounge da Bicicleta: um espaço aberto ao público, montado em uma carreta customizada pela empresa Truckvan. O Lounge será um centro de experiência, entretenimento e cultura sobre a bicicleta por ocasião dos Jogos Rio 2016, localizado em frente ao Hotel Royal Tulip, no Bairro de São Conrado, de 2 a 22 de Agosto. Mais informações: http://goo.gl/1SxOc7
-
POR: ZDL de Comunicação
Empresa : ZDL DE COMUNICAÇÃO S/C LTDA.
Contato: zdl@zdl.com.br
E-mail
zdl@zdl.com.br Fone (11) 32855911
Editoria (s) : Esportes
-
Fonte: http://www.maxpressnet.com.br/Conteudo/1,852983,Ciclistas_Shimano_conquistam_titulos_em_quatro_categorias_do_Campeonato_Brasileiro_de_MTB,852983,13.htm

Henrique Avancini e Raiza Goulão conquistam o Brasileiro de MTB XCO

___A cidade mineira de Juíz de Fora, viu de perto no último domingo, os melhores pilotos de mountain bike do país e não se decipcionaram. A goiana Raíza Goulão, classificada para a Rio-2016 conquistou o bi da competição e o petropolitano Henrique Avancini, também classificado, atingiu a marca de oito títulos nacionais distribuídos entre Júnior (2), Sub-23 (3) e Elite (3).
___Na elite masculina, Avancini (Cannondale Factory Racing), Rubinho e Sherman Paiva (Caloi Elite Team) fizeram uma prova bastante agressiva, sendo definida após a quarta volta com uma forte aceleração do atleta Henrique Avancini, que ficou com o título após completar o percurso em 1h27m29s, pouco mais de um minuto à frente de Rubens (1h28m30s) e Sherman (1h28m50s).
- É uma vitória muito importante na véspera dos Jogos Olímpicos. Estava um pouco cansado da bateria de provas que realizei na Europa nos últimos meses, mas sabia que dava pra lutar pelo título. Fiz uma prova cautelosa e acabei partindo com tudo na quarta volta, foi onde consegui me destacar e seguir forte até a chegada. Quero agradecer o apoio de todos -, afirmou Henrique Avancini.
___Já na elite feminina, Raiza Goulão, liderou a prova de ponta a ponta e cruzou a linha de chegada em primeiro lugar com o tempo de 1h26m09s. Suplente de Raíza na Rio-2016, Isabella Lacerda (LM Bike/Sense/Shimano) ficou com o segundo lugar, encerrando o percurso em 1h31m49s. Letícia Soares (Bike Podium) ficou com o bronze, fechando em 1h34m52s.
- Larguei com a responsabilidade de defender o título por ser a atual campeã. Assim busquei desde o início imprimir um ritmo forte e aos poucos fui abrindo vantagem para consegui conquistar o bicampeonato. Chegar à Rio-2016 com a camisa de campeã nacional vai me motivar ainda mais na busca por um excelente resultado para meu país -, contou Raiza.
___Raiza  embarca para o Canadá nos próximos dias, onde disputa mais uma etapa da Copa do Mundo de MTB como preparação final para os Jogos em agosto.
-
Fonte: http://blogs.oglobo.globo.com/de-bike/post/henrique-avancini-e-raiza-goulao-conquistam-o-brasileiro-de-mtb-xco.html

Tour de France 2016 - 16a. Etapa: Sagan vence ao `sprint`, Froome mantém vantagem

___O campeão do mundo de ciclismo de estrada conquistou a sua terceira vitória na edição de 2016 do Tour, batendo milimetricamente, no final dos 209 quilômetros desde Moirans-en-Montagne, os noruegueses Alexander Kristoff (Katusha) e Sondre Holst Enger (IAM Cycling), segundo e terceiro, respetivamente.
___O pelotão acabou por engolir o português Rui Costa (Lampre-Merida) esteve em fuga até aos últimos cinco quilômetros da etapa, que deixou Froome com a camisa amarela, com 01m47s de vantagem sobre o holandês Bauke Mollema (Trek-Segafredo) e 02m45s sobre o também britânico Adam Yates (Orica-BikeExchange), respetivamente segundo e terceiro.
___Amanhã  (terça-feira), o pelotão da "Grande Boucle" cumpre o segundo dia de descanso da corrida, que vai ser retomada na quarta-feira, com os 184 quilômetros da 17.ª etapa, entre Berna e a contagem de montanha de categoria especial em Finhaut-Emosson
-
Stage 16 Results
1  SAGAN, Peter (TNK)                   4:26:02
2  KRISTOFF, Alexander (KAT)            
3  ENGER, Sondre Holst (IAM)            
4  DEGENKOLB, John (TGA)                
5  MATTHEWS, Michael (OBE)              
6  CANCELLARA, Fabian (TFS)             
7  VANMARCKE, Sep (TLJ)                 
8  RICHEZE, Maximiliano Ariel (EQS)     
9  BOASSON HAGEN, Edvald (DDD)          
10 VAN AVERMAET, Greg (BMC) 
 
General Classification after Stage 16
1  FROOME, Christopher (SKY)            72:40:38
2  MOLLEMA, Bauke (TFS)                   + 1:47
3  YATES, Adam (OBE)                      + 2:45
4  QUINTANA ROJAS, Nairo (MOV)            + 2:59
5  VALVERDE BELMONTE, Alejandro (MOV)     + 3:17
6  BARDET, Romain (ALM)                  +  4:04
7  PORTE, Richie (BMC)                   +  4:27
8  VAN GARDEREN, Tejay (BMC)             +  4:47
9  MARTIN, Daniel (EQS)                  +  5:03
10 ARU, Fabio (AST)                      +  5:16 
-
Fonte: http://www.rtp.pt/noticias/ciclismo/sagan-vence-16-etapa-ao-sprint-froome-mantem-vantagem_d934569

Tour de France 2016: Caravana do Tour cumpre um minuto de silêncio pelas vítimas de Nice

___A caravana da Tour de France, a exemplo do que se passou ao meio-dia um pouco por toda a França, guardou hoje um minuto de silêncio, na partida para a 16.ª etapa, em memória das vítimas do ataque de quinta-feira, em Nice.
___No pódio de saída do Tour, o diretor Christian Prudhomme cumpriu um minuto de silêncio acompanhado por representantes da prova, como Bernard Hinault, além de vários ciclistas gauleses, como o campeão da França, Artur Vichot.
___A habitual barulhenta caravana do Tour remeteu-se ao silêncio durante um minuto, como o resto da França, para lembrar as 84 vítimas do ataque de Nice, que provocou ainda centenas de feridos.
___Também na cidade suíça de Berna, palco da final da etapa de 209 quilômetros, prestou homenagem às vítimas de Nice, atropeladas por um caminhão conduzido por um franco-tunisino quando assistiam ao fogo-de-artifício durante as comemorações do 14 de Julho (Queda da Bastilha).
___Esta é a segunda vez que o pelotão do Tour rende homenagem às vítimas de Nice, após na sexta-feira, escassas horas volvidas sob o atentado, os promotores do Tour terem decidido manter a etapa e dedicá-la aos que morreram em Nice.
-
Fonte: http://desporto.sapo.pt/ciclismo/artigo/2016/07/18/caravana-do-tour-cumpre-um-minuto-de-silencio-pelas-vitimas-de-nice

A genialidade de Mark Cavendish está no cérebro...

___Mark Cavendish que nos perdoe o preconceito, mas diante do seu jeito brusco, do estilo irascível e emocional, do carácter incendiário — já o vimos dar cabeçadas em sprints, ser desclassificado por comportamentos “idiotas”, insultar jornalistas —, nunca pensamos estar diante de um génio.
The Telegraph: "Você se considera um gênio??"
Cavendish: “Da última vez que fiz um teste de QI eu era, sim.”, confessou, em Novembro de 2013 ao The Telegraph, o diário responsável por revelar o lado desconhecido do segundo ciclista mais vitorioso de sempre no Tour.
___O cérebro do explosivo ciclista da Ilha de Man é um lugar especial. “Se eu fizer um circuito, depois de três voltas sei dizer onde estão todos os buracos”. O agora ciclista da Dimension Data, de 31 anos, não conhece a origem da sua extraordinária memória fotográfica, mas sabe apontar o momento em que esta se converteu num aliado natural para a sua brilhante carreira.
___Com apenas 18 anos, o garoto, que se iniciou no ciclismo aos três anos e começou a competir aos 11, apresentou-se em Manchester para integrar a academia britânica de ciclismo. Feitas as apresentações da praxe, o treinador Rod Ellingworth pediu-lhe para contar a sua jornada desde Man. O que aconteceu de seguida deixou-o atordoado: Cavendish descreveu a viagem com detalhes tão precisos, quanto surpreendentes, como as povoações que atravessou e a que horas o fez ou os números das portas.
___Ellingworth percebeu, de imediato, que à sua frente estava um sobredotado. Ao longo dos anos, nas suas passagens pela T-Mobile (2006), Team Columbia (representou a equipa alemã nas suas várias versões até 2011), Sky (2012), QuickStep (2013-2015), também Cavendish compreendeu que poderia usar o cérebro em benefício da força. Mais baixo (tem 1,75 metros) e mais leve (pesa 70 kg) do que os rivais "basta olhar para os alemães Marcel Kittel ou André Greipel para notar a diferença", superou a desvantagem genética com a capacidade de analisar em slow motion os metros finais de um sprint.
“Para mim, é como um cálculo, uma série de movimentos, uma sucessão de jogadas de xadrez. Não ter de pensar. Reagir simplesmente. No momento em que começamos a sprintar, o meu batimento cardíaco é, provavelmente, 20 ou 30 batidas mais lento do que o dos outros tipos. Há tantos ciclistas que treinam o corpo e não treinam a mente”. Para maximizar as suas oportunidades, insiste em actividades — o seu iPad está repleto de puzzles, sudoku, hanidoku — que potenciem a velocidade do cérebro. “Num sprint, tomas 100 decisões por minuto. ‘E se X acontece agora e Y acontece depois?’. ‘Devo seguir esta roda ou a outra?’. Tens de ser esperto. Com o tempo, torna-se um instinto. Alguns ciclistas gritam. Eu sou frio, clínico”.
___Meticuloso e perfeccionista, prepara cada etapa com precisão forense, recorrendo ao GoogleMaps para analisar o estado e a superfície das estradas e às imagens televisivas de helicóptero para conhecer a tática das equipes rivais. “Tenho sempre de ganhar. Era o mesmo na escola: tinha de ser o melhor em cada ditado”.
___No entanto, é na análise imediata que “Cav” é superior a todos os outros. Aconteceu na 14a etapa do Tour, quando deixou Kittel sozinho na frente contra o vento, protegendo-se na roda do alemão e beneficiando do seu desgaste para conquistar a 30.ª vitória em etapas no Tour. Aconteceu em 2011, nos Mundiais de Copenhagen, quando sentiu o vento soprar para a esquerda e se desviou para a direita, ciente de que acabaria por acontecer um corte no pelotão — o decifrar do enigma valeu-lhe então o título de campeão do Mundo.
___Considerado um dos melhores sprinters de sempre — tem 141 vitórias no currículo, 48 das quais em grandes Voltas (tem 15 no Giro e três na Vuelta e pertence a uma restrita elite de homens que conquistaram a camisa da regularidade em todas elas), além de títulos mundiais na pista —, o ciclista da Dimension Data é ele próprio um puzzle. Especialista em danças latinas — ganhou o campeonato da Ilha de Man e competiu nos nacionais —, este Membro da Ordem do Império britânico tem demonstrado neste Tour ser um pai dedicado e um marido apaixonado, uma imagem cimentada pela sua pacífica vida na Toscana, que contrasta e muito com a postura de bad boy que o notabilizou.
“Sempre fui passional e muito directo, porque amo o que faço. Quando comecei no ciclismo, era um miúdo. Talvez, em algumas ocasiões, tenha falado demais, mas agora tenho 30 anos, não 20”.
___A viver uma segunda vida nos sprints, Cavendish tem usado o seu cérebro como nunca e promete não ficar por aqui. Afinal, a 24 de Julho, há uma chegada aos Campos Elísios, onde, em 2012, se tornou o primeiro a vencer em quatro anos seguidos.
-
Fonte: https://www.publico.pt/desporto/noticia/a-genialidade-de-mark-cavendish-esta-no-cerebro-1738523

Tour de France 2016: Transmissão AO VIVO - 16a Etapa


___Bom dia Amigos Ciclistas,
___Já estamos no ar AO VIVO, com a 16a etapa do Tour de France 2016
___Percurso entre Moirans-en-Montagne e Berne - 209 KM de distância.
___ Acessem www.mazobikers.com.br

Tour de France 2016: Transmissão AO VIVO - 13a. Etapa - Contrarrelógio Individual


___Bom dia Amigos Ciclistas,
___Já estamos no ar AO VIVO, com a 13a etapa do Tour de France 2016 - Hoje é um Contrarrelógio Individual
___Bourg-Saint-Andéol a La Caverne du Pont-d'Arc - 37,5 KM de distância.
___ Acessem www.mazobikers.com.br

Tour de France 2016: Froome: "Mentalizei-me que tinha de continuar a subir, com ou sem bicicleta"

___O britânico Chris Froome (Sky) confessou esta quinta-feira que sentiu que tinha de continuar, com ou sem a bicicleta, depois do incidente com a moto da organização que marcou o final da 12.ª etapa da Volta a França.
-
"O [Mont] Ventoux é cheio de surpresas, mas não esperava isto", reagiu o ciclista da Sky, quando soube que tinha recuperado a camisola amarela, uma hora depois de a ter perdido para o compatriota Adam Yates (Orica-BikeExchange).
___Quando o britânico seguia isolado na companhia do australiano Richie Porte (BMC) e do holandês Bauke Mollema (Trek-Segafredo), uma moto da organização, que parou abruptamente por não conseguir passar entre o público, provocou a queda do trio, com Froome a perder, na classificação geral provisória, a camisola amarela para o compatriota Adam Yates (Orica-Bike-Exchange), e a ser relegado para a sexta posição.
"Antes do último quilómetro, uma moto freiou bruscamente diante de nós e nós entrámos-lhe pela traseira. Atrás de mim, uma outra moto partiu-me a bicicleta. Tive de correr a pé, sabia que o carro com a minha outra bicicleta estava muito atrás, cinco minutos mais atrás. Mentalizei-me que tinha de continuar a subir, com ou sem bicicleta. Não me restava outra coisa a fazer", descreveu Froome.
-
Fonte: http://www.ojogo.pt/modalidades/ciclismo/noticias/interior/mentalizei-me-que-tinha-de-continuar-a-subir-com-ou-sem-bicicleta-5285325.html

Desafio Oggi Alto Paraguaçu de MTB 2016 será válido pelo Ranking Brasileiro

___A organização busca realizar um evento completo e, para isso, serão disponibilizados aos atletas cinco (05) pontos de hidratação, Medalha de participação e Kit Atleta. Tudo isso pelo valor fixo da inscrição do atleta. O Desafio Oggi Alto Paraguaçu de MTB fará parte do Campeonato Baiano e Brasileiro de Ciclismo XCM.
___O Desafio Oggi Alto Paraguaçu de MTB promete ser uma das etapas mais movimentadas da temporada de Mountain Bike 2016. A prova possui dois percurso: Pro 85 km e Sport 45 Km: com trechos técnicos, single-tracks, subidas e descidas frenéticas vão proporcionar muita adrenalina. A prova será realizada no estilo XCM e irá levar os atletas para um lugar que respira e ainda vive a história colonial da Bahia. Vencem os atletas que tiverem as melhores estratégias de corrida no menor tempo de prova cronometrada.
___O reconhecimento da prova concretiza-se no ano de 2016, na sua 4º edição, entra para o calendário nacional como prova homologada pela Confederação Brasileira de Ciclismo, válida pelo ranking estadual e nacional de XCM.
___Para que o Desafio Oggi Alto Paraguaçu de MTB – Edição 2016 mantenha-se um modelo para os demais eventos dessa modalidade esportiva, mobilizamos uma Equipe de Organização de 30 pessoas, assumindo as funções inerentes à melhor estruturação da prova, dentre elas: Assessoria de Imprensa, Equipe Cenográfica, Equipe Médica, Fiscais de Prova, Fotógrafos registrando o que de melhor acontece durante o evento.
___Acreditar em eventos como este, é contribuir com a formação de um bem social através do esporte e promover o uso sustentável do meio ambiente que é o palco dos nossos atletas, trazendo ganhos significativos para região da Chapada Diamantina em especial o município de Mucugê, tanto sociais quanto ambientais.
-
Faça já sua inscrição: Desafio Oggi Alto Paraguaçu de MTB 2016
-
Fonte: http://www.pedal.com.br/desafio-oggi-alto-paraguacu-de-mtb-2016-sera-valido-pelo-ranking-brasileiro_texto10994.html

Tour de France 2016 - 12a. Etapa: Líder perde bike, anda a pé e belga vence 12ª etapa da Volta da França

___Na manhã desta quinta-feira, os melhores ciclistas do mundo foram às pistas da 12ª etapa da Volta de Paris. Nos 178 quilômetros montanhosos entre a cidade de Montpellier e o Monte Ventoux, perto de Provença, o grande vencedor foi o belga Thomas de Gendt, da equipe Lotto-Soudal, com tempo de 4h31min51s. Mas a maior surpresa ficou para outro momento.
___Até então líder da Volta, o britânico Christopher Froome, da equipe Sky, bateu em uma moto na reta final do evento, perdeu sua bicicleta e chegou a correr um percurso a pé, até sua equipe conseguir trazer uma substituta para que ele terminasse a prova, visivelmente muito decepcionado. Com um minuto e meio desperdiçado, Froome chegou a perder a camisa amarela para Adam Yates, da Orica-BikeExchange, mas, em uma decisão do juri da prova, a liderança continuou em suas mãos.

___Froome seguia isolado na perseguição a três fugitivos, juntamente com Bauke Molema e Richie Porte, tendo deixado para trás Nairo Quintana, Alejandro Valverde e Fabio Aru, quando se deu o acidente.
Veja o momento exado da batida:
___Outro belga, Serge Pauwels, da equipe Dimension Data, veio na segunda colocação. O espanhol Daniel Navarro Garcia, da Cofidis, ficou em terceiro e o holandês Stef Clement, da IAM Cycling, terminou na quarta posição. Com a vitória, de Gendt se tornou o líder por montanhas.

A próxima etapa da Volta será individual contra o relógio, nos 37,5 quilômetros entre Bourg-Saint-Andéol e La Caverne du Pont d’Arc. Com a 12ª etapa finalizada, faltam ainda nove para o fim da Volta, com 1222 km para serem rodados.
___ E por descisão da organização em função dos problemas ocorridos a classificação geral ficou da seguinte forma...

Stage 12 Results
1  DE GENDT, Thomas (LTS)               4:31:51
2  PAUWELS, Serge (DDD)                  +    2
3  NAVARRO GARCIA, Daniel (COF)          +   14
4  CLEMENT, Stef (IAM)                   +   40
5  CHAVANEL, Sylvain (DEN)              
6  LINDEMAN, Bertjan (TLJ)               + 2:52
7  TEKLEHAIMANOT, Daniel (DDD)           + 3:13
8  VANMARCKE, Sep (TLJ)                  + 3:26
9  SÖRENSEN, Chris Anker (FVC)           + 4:23
10 MOLLEMA, Bauke (TFS)                  + 5:05
11 YATES, Adam (OBE)                     + 5:24
12 ARU, Fabio (AST)                     
13 MEINTJES, Louis (LAM)                
14 BARDET, Romain (ALM)                 
15 RODRIGUEZ OLIVER, Joaquin (KAT)      
16 VALVERDE BELMONTE, Alejandro (MOV)    + 5:31
17 QUINTANA ROJAS, Nairo (MOV)          
18 VAN GARDEREN, Tejay (BMC)             + 5:36
19 PORTE, Richie (BMC)                   + 6:01
20 MARTIN, Daniel (EQS)                  + 6:30
21 REICHENBACH, Sébastien (FDJ)         
22 BARGUIL, Warren (TGA)                
23 MORENO FERNANDEZ, Daniel (MOV)       
24 HENAO MONTOYA, Sergio Luis (SKY)      + 6:45
25 FROOME, Christopher (SKY)            
26 KREUZIGER, Roman (TNK)                + 6:51
27 ROLLAND, Pierre (CDT)                 + 7:24
28 THOMAS, Geraint (SKY)                
29 ZAKARIN, Ilnur (KAT)                 
30 POELS, Wouter (SKY)                   + 7:27
 
General Classification after Stage 12
1  FROOME, Christopher (SKY)            57:11:33
2  YATES, Adam (OBE)                     +    47
3  MOLLEMA, Bauke (TFS)                  +    56
4  QUINTANA ROJAS, Nairo (MOV)           +  1:01
5  BARDET, Romain (ALM)                  +  1:15
6  VALVERDE BELMONTE, Alejandro (MOV)    +  1:39
7  VAN GARDEREN, Tejay (BMC)             +  1:44
8  ARU, Fabio (AST)                      +  1:54
9  MARTIN, Daniel (EQS)                  +  1:56
10 RODRIGUEZ OLIVER, Joaquin (KAT)       +  2:11 

-
Fonte: http://www.gazetaesportiva.com/ciclismo/lider-fica-sem-bicicleta-anda-a-pe-e-belga-vence-12a-etapa-da-volta-da-franca/

Tour de France 2016: Van den Broeck fora do Tour após fraturar o ombro em queda.

___O ciclista belga Jurgen Van den Broeck abandonou hoje o tour, depois de ter fraturado o ombro, anunciou a sua equipe russa Katusha antes do início da 12ª etapa da prova em Montpellier.
___Van den Broeck sofreu uma queda na quarta-feira na primeira parte da 11ª etapa do Tour, entre Carcassonne e Montpellier, ficando relegado para a 137ª posição, a três minutos e meio do vencedor, Peter Sagan.
"O início da etapa foi extremamente nervoso. Estava na luta para manter a minha posição (...) sofri um 'toque' de outro ciclista na roda dianteira e cai da bicicleta. Não entrei em pânico de imediato, porque me parecia uma queda normal, mas senti uma forte dor no ombro quando voltei a pedalar", disse o ciclista belga, de 33 anos, num comunicado da equipe.
"Depois da chegada, as radiografias mostraram que tinha sofrido uma fratura. Os médicos disseram-me que o tratamento poderá demorar várias semanas, mas vou precisar ainda de mais tempo para recuperar mentalmente. Já tive muitos azares na minha carreira", disse Van den Broeck, que participa pela sétima vez na Volta à França (com três desistências).
___Van den Broeck esteve por duas vezes entre os cinco primeiros da geral (foi terceiro em 2010 e quarto em 2012).
___Antes da 12ª etapa, que vai ligar Montpellier a Chalet Reynard pelas encostas do Monte Ventoux, o belga ocupava o 21º lugar da classificação geral -- a 9m 20s de Chris Froome (Sky).
"Dói-me muito não ser capaz de ajudar a equipa Katusha nas montanhas", afirmou, referindo-se à etapa de hoje.
___O abandono será o segundo para a equipe russa, depois do de Danois Michael Morkov nos Pirenéus.
-
Fonte: http://www.rtp.pt/noticias/ciclismo/van-den-broeck-fora-do-tour-com-fratura-no-ombro_d933585

Tour de France 2016: Transmissão AO VIVO - 12a Etapa - ETAPA RAINHA


___Bom dia Amigos Ciclistas,
___Já estamos no ar AO VIVO, com a 12a. etapa do Tour de France 2016.
___Percurso entre Montpellier e Mont Ventoux - 184KM de distância.
___Hoje tem como chegada no lendario Monte Ventoux, haja perna!!!
___ Acessem www.mazobikers.com.br

Iniciativa de StartUP quer que as pessoas dividam suas bikes paradas na garagem

___Sem patrocínio nem prefeitura. Uma startup nascida em Porto Alegre quer compartilhar bicicletas de pessoas e para pessoas. A lógica do weBike é similar a dos sistemas em vigor em cidades como São Paulo e Fortaleza. Por um preço módico, o sujeito pode retirar a bike em uma estação e devolver em outra. A diferença é que são os próprios donos que emprestam as bicicletas, em troca de manutenção constante. As estações são pontos do comércio credenciados no sistema.
___A ideia surgiu da necessidade. Interessados em empreender, um grupo de estudantes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) se deu conta que o curto trajeto entre os câmpus — separados pelo Parque Farroupilha — chegava a trinta minutos. Eram voltas com o carro, congestionamento e busca por uma vaga para estacionamento (ou meia hora caminhando). De bike, são menos de dez minutos. Os alunos abandonaram a ideia de investir em energia solar para abraçar a mobilidade, e assim surgiu o weBike, no final de 2015.
___Hoje as bicicletas ficam em empreendimentos parceiros na região central de Porto Alegre, como espaços de coworking, bares, cafés e hostel. São os "wePoints". O cadastro de usuários e postos de coleta é feito pela internet, no site da startup. O usuário paga R$ 10 por dia ou R$ 30 por ter acesso às bicicletas de forma livre.
___O próximo passo é ganhar escala: levar para a cidade toda e para fora de Porto Alegre. Para isto, o weBike quer lançar em breve um app de celular , que já está disponível para um grupo de testes. O aplicativo deve facilitar a vida do usuário e aumentar a segurança do sistema, com um maior controle das pessoas cadastradas. Outra ideia é criar um cadeado digital, que possa ser desbloqueado pelo aplicativo. A previsão é ter um protótipo no fim do ano e produzir a primeira leva no início de 2017, com financiamento de crowdfunding, pela internet.
___Em médio e longo prazo, a ideia é ter um sistema sustentável. O próprio dinheiro dos aluguéis deve custear a produção de novos cadeados. Com maior segurança, a tendência é conquistar novos adeptos, tanto usuários como wePoints, aposta Lorenço Boettcher, um dos idealizadores do projeto. Donos de bicicleta e wePoints não lucram. Se a bicicleta for roubada, a startup repõe com outra, no valor de R$ 600. Não houve nenhum roubo até agora.
— O modelo de compartilhamento que existe hoje precisa de uma injeção de dinheiro de fora para conseguir ser sustentável. O nosso não depende de poder público e pode ser aplicado em qualquer lugar — defende Boettcher.
___Porto Alegre, onde a startup surgiu, tem um sistema de bicicletas compartilhadas desde 2012, quando surgiu o Bike POA. A iniciativa é do município, e a administração, de uma concessionária. Começou em caráter experimental, com 40 estações e 400 bicicletas. Hoje, há 28 pontos de locação (os demais foram desativados por vandalismo e falta de segurança). Com a licitação definitiva, feita em maio deste ano, a previsão é chegar a 41 estações operantes até setembro.
— Foi um desafio [conseguir esta licitação, porque o sistema só é possível se há um patrocinador, o que em tempos de crise é complicado. Conseguimos garantir e pelos próximos cinco anos teremos um sistema de pelo menos 400 bicicletas e com várias melhorias, como wifi nas estações e possibilidade de usar cartão magnético [para retirar as bicicletas — explica a coordenadora de Projetos Especiais da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) de Porto Alegre, Alessandra Both.
___O Bike POA é administrado pela Serttel, empresa que administra sistemas semelhantes em diversas cidades brasileiras, como Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo (onde tem apoio do banco Itaú ) e Fortaleza (com patrocínio da Unimed). Neste modelo, o patrocínio custeia a infraestrutura e barateia o custo para o usuário. Em Porto Alegre o aluguel é de R$ 5 por dia ou R$ 10 por mês. As viagens devem ser de 60 minutos, com intervalo de 15 minutos entre cada uma delas. Quem ultrapassar o período paga R$ 5 por hora excedente. O desbloqueio de bicicletas é feito por telefone ou aplicativo de celular.
AirBnb da bike
___Há outras redes de aluguel de bicicletas disponíveis na internet, mas com um modelo diferente do adotado pelo WeBike. São plataformas no estilo AirBnb (que permite à pessoa comum alugar a própria casa ou quarto para turistas e viajantes). O preço geralmente é um pouco maior, e o aluguel é por diária. A vantagem é ter a bicicleta à disposição, sem precisar devolvê-la a uma estação. Também é uma alternativa para usar uma mountain bike ou bicicleta de corrida, que em geral são mais caras e a compra não compensa para o ciclista eventual.
___No Brasil, a ideia ainda é pouco popular. Em Florianópolis, há o Everbike. Um projeto homônimo ao WeBike tentou fazer o mesmo em Blumenau, mas apenas lançou o aplicativo em formato beta. O estrangeiro Spinlister também têm usuários brasileiros. Além de bicicletas, o site oferece aluguel de pranchas de surfe e snowboard. O serviço está disponível em mais de 65 países, com foco na Europa e América do Norte. Além do cidadão comum, o Spinlister aposta em comerciantes que já trabalham com aluguel de bicicleta e oferecem um preço vantajoso a quem aluga pelo site.
___Há mais de 50 anos que cidades tentam compatilhar bikes
___A primeira ideia de bicicletas públicas surgiu em 1965, em Amsterdã. O vereador Luud Schimmelpennink propôs que a cidade adquirisse 20 mil bikes, todas pintadas de branco, e as deixasse espalhadas pela região central. Foi negado. O próprio Schmimelpennink e seus correligionários então pintaram e largaram na cidade 50 bicicletas, que foram apreendidas pela polícia, sob alegação de que incitariam o roubo.
___Nos anos 1990 veio a segunda onda. Cambridge, na Inglaterra, foi uma das cidades a criar as "bibliotecas de bicicletas". O usuário apresentava uma carteirinha e deixava um depósito em dinheiro. Um avanço em termos de segurança. Mas pouco usual em termos de mobilidade, já que o usuário devolvia a bicicleta no mesmo local em que a alugou.
___Foi só neste século que a coisa deslanchou. Em 2001, o prefeito Bertrand Delanoë quis tornar Paris mais sustentável, e construiu 271 quilômetros de ciclovias. Não deu certo: ninguém tinha espaço para deixar bike em casa e muito menos coragem de deixar estacionada na rua, pelo risco de roubo. Seis anos depois, em 2007, nasce o Vélib', considerado protótipo para o o modelo de aluguel de bicicletas adotado no mundo todo, segundo informações do relatório "Bike-share Planning Guide", do Institute for Transportation & Development Policy (ITDP), de Nova York.
___Foi o primeiro em escala. Começou com 7,5 mil bicicletas e 750 estações. Dobrou de tamanho no ano seguinte, com 16 mil bikes e 1,2 mil estações. Hoje são 20 mil e 1,8 mil, respectivamente, com operação em Paris e em 30 cidades do entorno. A distância média de uma estação a outra é de 300 metros. Também o Vélib' adotou a tecnologia para fazer o desbloqueio, daí o sucesso.
___O modelo inaugurado pelo Vélib' segue os sete princípios instituidos pelo ITDP com fonte de sucesso para o aluguel de bicicletas. São eles: rede densa de estações, bicicletas confortáveis e chamativas (para desencorajar ladrões); sistema de cadeado automatizado (que permite ao usuário tirar e devolver as bicicletas com facilidade); rastremento móvel que identifica a trajetória da bicicleta e quem é o usuário com ela; monitoramento em tempo real das estações; informação em tempo real de bikes e vagas de devolução disponíveis para o usuário; e um modelo de precificação que incentiva viagens rápidas, com o maior número de viagens por bicicleta, por dia.
-
Fonte: http://www.jornalfloripa.com.br/noticia.php?id=12528