Clique aqui e faça sua inscrição para o Desafio. Clique aqui para mais informações sobre o pedal. Clique aqui para ver a lista de inscritos.
NOVAS NOTÍCIAS:
Carregando...

Assassinos! Vocês são assassinos! Um pouco da história do tour.

http://i.telegraph.co.uk/multimedia/archive/02377/1903_2377060k.jpg
. Um dos motivos pelos quais as corridas de bicicleta chamavam tanto a atenção da população e faziam vender tantos jornais no começo do Século XX era a grandiosidade do desafio que os organizadores impunham aos ciclistas.
. O Tour de France, por exemplo, tinha uma média de 350 km por etapa, numa época em que as bicicletas funcionavam apenas com uma marcha, rodas de madeira e era proibido qualquer auxílio externo: nem mesmo alcançar uma garrafa d’água. Os pneus e câmaras sobressalentes eram levados entrelaçados no peito dos ciclistas. E as bicicletas pesavam perto de 15 kg! Poucas eram as estradas asfaltadas!

Sim, é melhor você respirar um pouco agora.
. Falar em 350 km hoje já soa brutal. Mas naquela época, esta era a maior distância que a maioria dos europeus conseguia cobrir num só dia pelos meios de transporte disponíveis. Era como se um ciclista passasse hoje na frente de sua casa e dissesse que pedalaria algo em torno de 1.000 km para treinar. Você chamaria o psiquiatra ou… ficaria fascinado pela coragem e determinação daquele estranho ser com pernas desproporcionalmente fortes em relação ao resto do corpo.
. Mas os organizadores das competições nunca estavam satisfeitos. Era preciso criar desafios maiores, trazer mais emoção ao esporte; e, claro, vender mais jornais com a tradicional cobertura exclusiva de cada etapa.

Neste cenário surge um mito.
http://www.revistabicicleta.com.br/admin/fotosckfinder/images/materias-semana/desgrange1.jpg
. Henri Desgrange foi um grande ciclista. Seus feitos esportivos são ainda hoje invejáveis. Nascido em 1865, em Paris, durante sua carreira Henri quebrou nada menos que 12 recordes mundiais na pista e fixou o recorde da hora com 35,325 km, em maio de 1893. Mas seu maior feito é muito mais colossal: Desgrange foi o criador e primeiro diretor do Tour de France, simplesmente a maior competição de ciclismo do mundo e ainda hoje considerado um dos maiores e mais exigentes desafios esportivos.
. A primeira edição, em 1903, era nada menos que insana: 2.428 km em apenas seis etapas. Isso mesmo, uma média de 404 km por etapa. Para conseguir dar conta, os ciclistas largavam à noite com a esperança de concluírem o percurso no final da tarde do dia seguinte, com um dia de intervalo entre cada etapa. Os prêmios eram altos, o equivalente a seis anos de salário mínimo da época, o que atraía bom número de atletas apesar das exigências físicas descomunais.
. Mas ainda assim, aos olhos dos organizadores, isso parecia moleza. Henri Desgrange, insatisfeito, em 1906 reuniu sua equipe e decidiu ampliar a competição para levá-la até os Pirineus, a cadeia de montanhas do sudoeste da França. Por quatro anos a Volta francesa passou por diversas estradas ainda não asfaltadas na região.
. Em 1910 até mesmo o superlativo foi revisto. E nunca mais o esporte foi o mesmo.
http://www.revistabicicleta.com.br/admin/fotosckfinder/images/materias-semana/02(11).jpg
. Desgrange e seus “comparsas” - o leitor entenderá o substantivo - incluíram na décima etapa, pela primeira vez, a escalada mítica do Col du Tourmalet, ou Passo do Tourmalet, uma passagem entre os Pirineus, da França para a Espanha, com seu ponto máximo a 2.115 m de altitude. E neste instante criaram o que ainda hoje é lembrado como o mais brutal teste de resistência dos mais de 100 anos de história do Tour de France.
. A etapa tinha 326 km de distância, no calor de julho e continha, além do Tourmalet, outras seis escaladas gigantescas. O primeiro a concluir a etapa foi o francês Octave Lapize, com 14 h 10 min. Os últimos concluíram a prova em 18h, já noite adentro. A estrada que leva ao Passo do Tourmalet hoje é linda, com o asfalto impecável que é raro no Brasil. Mas naquele tempo não passava de uma rota vicinal, coberta de lama em dias de chuva, ou neve em boa parte do ano, e utilizada por criadores de ovelhas cujo balido só se interrompia pelo trânsito de mercadorias contrabandeadas de um país para outro.
. Tamanha falta de comiseração para com os atletas não passou em branco. Octave Lapize, que vinha disputando posição com François Lafourcade e Gustave Garrigou, empurrava sua bicicleta anestesiado pelo esforço sobre-humano no meio de uns poucos curiosos quando avistou um veículo da organização e disparou: “Vocês são assassinos! Sim, assassinos!”. E prometeu abandonar a prova no final da descida. Mas não… Grandes ciclistas são realmente seres diferenciados e com Lapize não foi diferente. Talvez animado pela vista da descida, talvez pelo prêmio oferecido ao campeão, encontrou forças extras para seguir mais uma centena de quilômetros e ainda vencer a etapa.
. Mas nem mesmo a vitória amainou o rancor por ter sido submetido a condições tão extremas. Ao cruzar a linha de chegada, Octave Lapize repetiu, diante de jornalistas: “Desgrange é um verdadeiro assassino!”.
http://www.revistabicicleta.com.br/admin/fotosckfinder/images/materias-semana/Picmidibigorre-3.jpg
Homenagem a Octave Lapize, um dos
grandes campeões do Tour de France.
. O Jornal L’Auto, que cobria o Tour de France, vendeu milhares de exemplares. Anunciantes, jornalistas, leitores, todos, exceto os desfalecidos ciclistas, adoraram a novidade, e o assustador Tourmalet desde então é parte obrigatória da competição. A frase se tornou ícone do ciclismo. O esporte buscava se consolidar e conseguiu. Não houve assassinato: nascia ali a mística do esporte, com seus heróis, seus guerreiros; com seus grandes ciclistas.
. Cem anos depois, em 2010, a comemoração foi em grande estilo. O Col du Tourmalet foi palco de duas etapas consecutivas. A 16ª e a 17ª etapas passaram pela montanha, o que certamente levaria Octave Lapize a agarrar Desgrange pelo pescoço. Para seu consolo, em sua homenagem uma estátua foi instalada no topo, com toda a extensão do descomunal esforço estampada na face. Lapize, morto na Primeira Guerra Mundial, não descansa em paz. Continua pedalando em seu santuário nos Pirineus e mais de cem anos depois de seu feito histórico permanece aplaudido no topo do Tourmalet.
-
Fonte: http://www.revistabicicleta.com.br/bicicleta.php?assassinos_voces_sao_assassinos&id=4623028

Inscrições para a CIMTB Levorin em São João del-Rei continuam abertas‏...

http://surgiu.com.br/imagem/noticias/t8/195433/3b5da895c497ebdef71a6ace556d5967.jpg 
. As inscrições para a CIMTB Levorin de São João del-Rei seguem abertas no site www.cimtb.com.br até o dia 10 de maio, domingo anterior ao evento.
. Na Copa Internacional Levorin de MTB, o valor é de R$ 116,00 para o Cross Country Olímpico (PNE e Over 60 custam R$ 58,00) e R$ 40,00 para o Sprint Eliminator.
. Na Copa LM Bike de Amadores, o preço é de R$ 70,00, exceto categoria Mirim (R$ 20,00). A corrida de montanha CIMTB Night Run, que aproveita a estrutura e a pista das provas de bike, tem inscrições a R$ 60,00.
. Etapa terá estacionamento grátis - Os preparativos para a próxima etapa da CIMTB Levorin, em São João del-Rei, seguem a todo vapor. A organização da prova informa que serão disponibilizadas aproximadamente 900 vagas em um estacionamento localizado na frente do CTAN (Campus Tancredo de Almeida Neves) da universidade, onde acontecerá o evento.
. Também há opções para quem estiver sem carro. Partindo do centro, quem for ao evento de ônibus deve pegar a linha para o bairro Colônia ou a linha CTAN. Aos que preferirem ir de táxi, o endereço do campus é Avenida Visconde do Rio Preto, s/n, no quilômetro 2 da BR-494. Para quem for de bike, existe ciclovia na estrada de acesso ao UFSJ.
"Estar em São João del-Rei pela terceira vez consecutiva é um grande prazer para nós. Estamos construindo um evento sólido a cada ano, e quem tira proveito disso são os atletas, que encontram um clima cada vez melhor na cidade", informa Rogério Bernardes, organizador da principal competição de MTB da América Latina.
. São esperados 1.300 atletas, entre ciclistas e corredores, nas trilhas da Universidade Federal de São João del-Rei, cujo diferencial é a estrutura oferecida, com ampla área de alimentação e vestiários para os competidores.
. A Copa Internacional de Mountain Bike comemora a 20ª Edição em 2015. O evento tem patrocínio da Levorin, o pneu oficial da competição, e o co-patrocínio de LM Bike, Shimano, Specialized e Audax.
-
Fonte: http://esporte.surgiu.com.br/noticia/195433/inscricoes-para-a-cimtb-levorin-em-sao-joao-del-rei-continuam-abertas.html

Erika Gramiscelli tem bikes furtadas e prejuízo de R$ 60 mil

. Erika Gramiscelli competia na Argentina e teve sua casa invadida em Betim, Minas Gerais; três bicicletas feitas especialmente para ela foram levadas: "Tudo o que tenho"
http://s2.glbimg.com/-FrL0tpR4raa1DisVxVbChnNjwU=/0x0:690x690/690x690/s.glbimg.com/es/ge/f/original/2015/04/15/11149436_774738525929066_2921980003496138152_n_1.jpg
. Uma das mais experientes atletas do mountain bike brasileiro e concorrente a uma vaga nas Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro, a mineira Erika Gramiscelli está de mãos atadas para treinar e competir. No último dia 9 de abril, uma quinta-feira, a atleta teve sua casa arrombada em Betim, Minas Gerais. Os ladrões levaram três das bicicletas usadas pela atleta, orçadas no mercado em R$ 60 mil no total. Foram roubadas duas bicicletas de treino e uma bicicleta reserva de competições.
. Erika, que já representou o Brasil no Pan-Americano de Guadalajara, em 2011, e hoje é a terceira melhor brasileira no ranking mundial, estava na Argentina para uma competição internacional e apenas sua bicicleta principal não foi levada, pois estava com ela na Argentina.
-
http://s2.glbimg.com/xcoFML26F2VEQZG85GSH3oimQM0=/0x26:960x680/690x470/s.glbimg.com/es/ge/f/original/2015/04/15/11150409_772654442804141_8291856430099206937_n.jpg. Pelas redes sociais, Erika vem fazendo apelos para que as pessoas ajudem a encontrar suas bicicletas, já que todas são muito específicas (feitas especialmente para ela) e difíceis de se encontrar no mercado. Além disso, todos os equipamentos roubados sequer pertenciam a ela. São fruto de uma parceria por comodato, espécie de empréstimo. As bikes pertencem a "Soul" e Erika ainda não sabe se terá que pagar pelo que foi levado.
- Oi gente, a saúde vai bem obrigada! De volta ao Brasil e ao meu lar, sensação de vazio, impotência, dor, frustração, cheguei a casa e me deparei com uma casa vazia, triste e sem vida, aquela sensação de quando perdemos alguém querido voltamos para casa e não sabemos que rumo seguir, sem teto, sem chão, sem inspiração, sem vida. Foram 17 anos de muita luta para conseguir o que tenho pra que alguém pudesse retirar tudo que conquistei com tanto amor, dedicação. Não tenho nenhum apego a coisas materiais, minha casa não tinha nada de valor para serem levados. Levaram somente as três bicicletas. Foi aberta na Policia Civil Terceiro Distrito Policial uma investigação, já tem alguns suspeitos - disse Erika nas redes sociais.
. Foram levadas uma Speed vermelha e branca da marca Soul, com fita de guidom vermelha, uma MTB aro 29 de carbono, na cor preta e laranja, rodas escritas, branca da marca Easton, suspensão FOX, Guidon Easton, Toda XTR e uma BMC carbon preto fosco, rodas XT, suspensão Rock Shox, freio Avid, peças XTR. Todas eram novas e seriam usadas nas futuras competições pela atleta de 31 anos.
- Montamos as bicicletas com o que tinha de melhor. Tem dois meses que assinei contrato. Foram bicicletas muito específicas, diferenciadas. Apenas uma delas deve custar uns R$ 35 mil. No total eu calculei uns R$ 60 mil de prejuízo. Levaram tudo que tinha na minha casa, aparelhos eletrônicos, tênis, óculos de bike, relógios, computador, foram bem específicos para levar tudo de bike que tinha na minha casa! Podiam ter levado tudo, menos minhas bikes. Minhas bikes são minha vida é tudo que tenho - explicou Erika.
-
AMIGOS BIKERS INTERNAUTAS... VAMOS AJUDAR ELA A RECUPERAR ALGO QUE FOI TÃO SUADO PARA CONQUISTAR. SE SOUBEREM ALGUMA COISA OU O PARADEIRO DAS BIKES, ENTREM EM CONTATO URGENTE COM A ERIKA ATRAVÉS DO FACE OU DO TWITTER...
-
Fonte: http://globoesporte.globo.com/ciclismo/noticia/2015/04/aspirante-ao-rio-2016-ciclista-tem-bikes-furtadas-e-prejuizo-de-r-60-mil.html

Falta de ciclovias impede novos adeptos as bicicletas, diz estudo

http://viatrolebus.com.br/wp-content/uploads/2015/04/ciclista-700-ae.jpg. As muitas críticas às ciclovias vem sempre acompanhadas de uma “falta de ciclistas”, ainda que o projeto da malha de 400 km não tenha sido concluído, e por consequência as estruturas não estão integradas . Porém as posições contrárias esquecem da chamada “demanda reprimida”, ou seja, quem usaria a magrela nos deslocamentos se tivesse condições para tal.
. Um estudo feito pela Abraciclo revelados pelo Blog Ponto de Ônibus mostra que a falta de ciclovias e a ausência integração com o transporte público são os principais impedimentos para atrair as pessoas para pratica do ciclismo.
. O estudo ouviu 988 pessoas, sendo que 47% se sentiriam estimuladas a deixar o carro em casa e trocá-lo pela bicicleta se houvesse mais ciclovias. 12% querem mais integração com o transporte público. A pesquisa mostra ainda que 30% dizem ter medo de acidentes no trânsito.
. O estudo cita ainda experiências internacionais que usaram a integração entre o transporte coletivo e as bicicletas, como um dos fatores responsáveis para o aumento no número de ciclistas.
-
Autor:
Renato Lobo Paulistano, Técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.
-
Fonte: http://viatrolebus.com.br/2015/04/falta-de-ciclovias-impedem-novos-adeptos-as-bicicletas-diz-estudo/

ICLI promove o 1º Bike Aventura no dia 19 de abril

# O evento deve reunir 300 pessoas entre sócios e convidados
-
http://www.clickfozdoiguacu.com.br/static/image/bike%20aventura%20icli.jpg. O Iate Clube Lago de Itaipu (ICLI) promove na manhã do próximo domingo, dia 19 de abril, o 1º Bike Aventura, um evento para os sócios do clube e convidados. Este tem como objetivo contribuir na qualidade de vida das pessoas por meio da prática saudável do ciclismo e promover o lazer em harmonia com a natureza. É também uma iniciativa de integração com a comunidade de Foz do Iguaçu.
. O passeio estava programado para o dia 29 de março, mas foi transferido para esta nova data devido às chuvas. De acordo com as inscrições prévias, o evento deve reunir cerca de 300 pessoas entre sócios e convidados, entre os quais estão 30 jovens do Projeto Velejar é Preciso e 50 crianças.

Roteiro e regulamento
 - O evento prevê dois tipos de roteiros para o 1º Bike Aventura. O primeiro roteiro é dentro do clube para as crianças que usam bicicletas com rodinhas. Uma pista com obstáculos será montada no clube para tornar a manhã mais divertida para as crianças. O segundo roteiro é externo, de aproximadamente 7 quilômetros, pelas estradas rurais próximas do clube. As crianças devem ser acompanhadas pelos pais ou um adulto responsável. Todos os ciclistas devem utilizar capacete e equipamento que garanta a segurança no passeio.

Programação
 – Os participantes do 1º Bike Aventura do Icli podem chegar no clube a partir das 7h30. Às 8h30 será o aquecimento e alongamento para a largada do passeio. O evento termina por volta das 11h30 com o sorteio de vários brindes.

Inscrições
 - As inscrições somente para os sócios do clube ainda estão abertas. A taxa de inscrição é 2 (dois) quilos de alimentos não perecíveis (menos sal), que serão doados para uma entidade de assistência social.  As inscrições podem ser feitas na secretaria do Icli, na Superbike e Bicicletaria Iguaçu.
-
. O 1º Bike Aventura promovido pelo Icli conta com o apoio das empresas: Aguazul, Agência Leon, Associação de Ciclistas Duroc, Bicicletaria Super Bike, Bicicletaria Iguaçu, Coexma, Pomare e Suco Pratis.

SERVIÇO:
1º Bike Aventura do Icli
Dia: 19 de abril de 2015
Horário: das 7h30 às 11h30
Valor da inscrição: 2 (dois) quilos de alimentos não perecíveis (menos sal)
Local de inscrições: secretaria do Icli – fone (45) 3577-1315, Superbike - fone (45) 3028-1898 e Bicicletaria Iguaçu – fone (45) 3574-5055